6 mitos estúpidos sobre o corpo humano que você acredita - Fatos Desconhecidos

6 mitos estúpidos sobre o corpo humano que você acredita

Ciência e Tecnologia | 10 de janeiro de 2017 por Mateus Graff

Conforme crescemos, uma série de recomendações nos são passadas, não andar descalço, não dormir com os cabelos molhados, não entrar na piscina depois da refeição etc etc. Mas até que ponto esse tipo de informação realmente é verídico? Que tipos de malefícios essas ações podem nos causar? Infelizmente muitas coisas que nós acreditamos desde pequenos não passam de grandes mentiras, e o mundo precisa saber disso.

Tendo em mente que existem milhares de mitos sobre o nosso corpo, a Fatos Desconhecidos desenvolveu essa matéria com alguns desses mitos que as pessoas acreditam, mas não passam de blasfêmia. Então, caros amigos, confiram agora a nossa matéria com os 6 mitos estúpidos sobre o corpo humano que você acredita:

1 – Ter dentes brancos não é um sinal de ter dentes saudáveis

1

É claro que todo mundo acha dentes brancos atraentes e bonitos, mas isso não quer dizer que eles seja saudáveis. Dentes amarelados realmente nos dão uma má impressão, porém, a cor normal dos dentes humanos é amarela. Coisas como cigarro, café ou não escovar os dentes com frequência podem o tornar mais escuros, mas o auge da saúde bucal não é um dente tão brilhante que cega as pessoas que olham. Falando em corpo humano, já leram a nossa matéria com as 25 coisas incríveis do corpo humano que quase ninguém sabe?

A verdade é que tentativas fúteis e desesperadas de esfregar os dentes para que fiquem brancos podem danificá-los, Escovas duras são abrasivas e enfraquecem os dentes tirando as camadas exteriores. Algumas marcas de crede dental prometem um “branqueamento”, mas são na maioria das vezes besteira, e mesmo se você resolver clarear os dentes com um profissional, o esmalte será danificado, o que também é péssimo para a saúde bucal.

2 – Os cabelos e as unhas não continuam crescendo depois que a gente morre

2

Será mesmo que nossos cabelos e unhas continuam descendo depois que morremos, como se nada tivesse acontecido? A resposta é não, caro leitor. Qualquer coisa que cresce no nosso corpo precisa de um fornecimento constante de nutrientes, oxigênio e sangue para continuar crescendo, e todas essas três coisas não ficam disponíveis no corpo de uma pessoa morta.

O origem dessa lenda pode ter surgido na Primeira Guerra Mundial, por ter nascido o fato de que depois que morremos, o corpo começa a secar e murchar, e apele se afasta das unhas e cabelos de forma que parece que eles estão ficando mais longos, mas na verdade, a carcaça apenas encolheu.

3 -Relações sexuais antes de competições não atrapalha sua performance

3

É uma lenda tão comum no mundo dos esportes que fazer sexo diminui o desempenho atlético, e muitos treinadores proíbem os atletas de qualquer contato sexual de uma noite para para até um mês antes de partidas importantes. Mas isso não passa de uma lenda, pois existem evidências de que mesmo os antigos gregos que participavam dos primeiros jogos Olímpicos acreditavam que o sexo sugava seus níveis de energia e de agressão, e assim o resultado não era o esperado.

Mas é claro que se você fizer malabarismos uma noite inteira na cama, você ficará cansado e não vai dormir o suficiente, afetando seu desempenho. Mas tirando isso, não há nada no sexo que atrapalhe o seu desempenho atlético. Por algum motivo, o mito é tão bizarro que só se aplica aos homens. Para as mulheres, muitas vezes é pensado que o sexo aumenta a testosterona, e por isso as incentiva na hora das competições.

Esse mito foi desmentido ainda em 1995, quando um estudo da Universidade de Yale (EUA), com onze homens, testou o desempenhos deles quando tiveram relações sexuais e quando se abstiveram antes de partidas de esportes, e nenhuma mudança foi detectada. Já um outro estudo realizado com corredores de maratonas em Londres sugeriu que o sexo pode melhorar o desempenho atlético.

 4 – Pé plano não é um defeito, nem deixa as pessoas mais propensas a ferimentos

70068-104812-capinha-para-celular

Também conhecido como pé chato, o pé plano é muitas vezes considerado como anormal ou inapto para o serviço militar. Mas acredite, não é culpa sua, pois durante a Segunda Guerra Mundial, milhares de soldados potenciais foram rejeitados simplesmente porque tinham essa condição, criando o mito que pessoas com os pés planos eram mais propensas a lesões.

O que os generais não sabiam é que recusaram os superiores pés planos em favor dos patéticos pés arqueados da maioria do resto dos mortais. Em Fort Benning, no ano de 1989, uma mostra de mais de 300 soldados foi estudada e descobriu-se que as pessoas com pé chato, na verdade, eram menos propensas a lesões do que as pessoas com arcos normais. Os soldados com pés arqueados sofreram o dobro de lesões, como distensões e fraturas por estresse, dos que os com pés planos.

Para vocês terem uma ideia, várias empresas de calçados gastam milhões tentando fabricar palmilhas que dão aos pés “normais” o mesmo apoio que tem a raça superior dos pés planos.

5 – Enrolar a língua não é um traço genético

Woman sticking her tongue out

Realmente poucas pessoas conseguem enrolar a língua em forma de tubo, e isso não tem nada haver com genética. No ano de 1950, já haviam mostrado que enrolar a língua não é uma característica transmitida por seus pais, é apenas um comportamento que podem ser aprendido por qualquer pessoa.

Pesquisas identificaram que a porcentagem de crianças que podem fazer isso aumenta de 54% na faixa etária de 60 a 7 anos para 76% aos 12 anos. Isso significa que muitas crianças praticam o truque até aprenderem. A afirmação que gerou esse mito veio de um artigo publicado em 1940, que animadamente afirmou ter descoberto “Uma Nova Característica Herdada em Humanos”.

6 – Assistir TV de muito perto não vai danificar suas vistas

1

Se existem alguma correlação entre sentar muito perto da TV quando criança e precisar usar óculos quando cresce, provavelmente a história é ao contrário, ou seja, a criança já tinha problemas de vista e por isso sentava muito perto da TV. Todos os estudos que foram feitos para testar se existe uma distância mínima abaixo da qual a TV começa a fritar os nossos olhos, nenhum deles jamais teve evidências de que a televisão pode afetar nossa vista.

Esse mito surgiu porque as televisões velhas emitiam radiação, e as pessoas se preocupavam que uma proximidade da TV danificasse seus olhos. Vale lembrar que olhar fixamente para qualquer tela, por longos períodos pode fazer seus olhos doerem, ficarem secos e tensos, mas isso não é porque a tela está ativamente prejudicando seus olhos, pode ser porque você se concentra demais em algo que faz com que você pisque menos e seus olhos se cansam. É interessante fazer pausas antes de voltar a encarar a telinha.

E aí, caros leitores, já sabiam de todos esses mitos do corpo humano? Comentem!

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Comentários