6 objetos e episódios famosos da história que na verdade nunca existiram - Fatos Desconhecidos

6 objetos e episódios famosos da história que na verdade nunca existiram

História | 20 de março de 2017 por PH Mota

Todo mundo ama uma boa história, mas nem por isso todo mundo realmente ama história. A diferença entre os dois pode representar uma interpretação bem terrível do passado. Dessa forma, você pode acabar encantando por fatos do passado que na verdade nunca foram verdadeiros, mas acabaram sendo espalhados dessa forma com o passar dos tempos.

Ao longo dos anos, muitos fatos do passado foram passados para a frente como verdades, ainda que não sejam tão reais assim. Muitas vezes, a popularização das mentiras acontecem a partir da ficção, com autores que se utilizam de episódios errais para exagerar e criar situações que parecem mais atraentes na hora de vender seus produtos. Por que fazer uma história sobre fazendeiros pacatos no velho oeste se você pode inserir bandidos agressivos e uma porção de eventos dignos de tirar o público da cadeira?

Aqui estão alguns dos objetos ou episódios da história que na verdade nunca aconteceram, ainda que muita gente ache que foram completamente reais, pois viram em filmes ou leram em algum lugar.

1 – Damas de ferro

Qualquer pessoa que tenha interesse em história medieval ou em objetos de tortura já sabe muito bem do que se trata a dama de ferro. O dispositivo era feito de uma câmara de metal repleta de espetos que iriam perfurar todo o corpo de alguém que fosse colocado ali dentro. É difícil acreditar que uma máquina tão agressiva tenha existido, e isso tem um motivo: ela realmente nunca existiu.

A ideia, no entanto, já era conhecida desde a Grécia Antiga, quando textos já sugeriam o desenvolvimento da máquina de tortura. Com o passar dos séculos, o conceito se popularizou na ficção, mas nunca conheceu o mundo real.

2 – Suicídios após o crash da Bolsa

O famoso crash da Bolsa de Valores de 1929 é o responsável por dois grandes momentos históricos: a Grande Depressão da década de 30 e uma série de suicídios de pessoas que sofreram perdas financeiras. O primeiro ainda é encarado com muita seriedade quase 100 anos depois, mas o último nada mais é do que uma verdadeira piada de mal gosto histórica.

Na verdade apenas dois homens cometeram suicídio em Wall Street durante o dia da quebra da bolsa. Alguns outros chegaram a se matar mais tarde, com o resultado de perdas financeiras. O exagero veio a partir de alguns relatos de casos isolados como se fossem um problema nacional e, a partir daí, a história passou a ganhar cada vez mais força.

3 – O Velho Oeste

Por mais que a vida fique difícil, quando a gente compara nossa realidade com a do Velho Oeste, estamos bem aliviados. Um mundo miserável, cheio de criminosos e duelos violentos no meio das cidades. Qualquer lugar poderia virar um palco de violência sem fim e morte. Todos sabem disso graças aos filmes de faroeste que ajudaram a popularizar os conceitos.

Na verdade, as cidades do oeste dos Estados Unidos no século 19 eram surpreendentemente pacíficas, com uma população mais interessada em cuidar de seus gados e minerar ouro, ao invés de participar de crimes e duelos no meio da praça. É claro que existiam criminosos, mas a ideia de uma população mergulhada em violência foi uma invenção do cinema e dos rumores que surgiram após o périodo.

4 – Cintos de castidade

Quando um homem do século 16 iria deixar sua mulher ou filha sozinha em casa por conta de alguma viagem ou outra responsabilidade, ele poderia fazer uso de uma arma secreta que se tornou muito popular em contos e histórias. A partir da instalação de um cinto de castidade numa mulher, ela estaria protegida contra estupros e ficaria impedida de infidelidade num relacionamento. Apesar do conceito assustador para mulheres ter ficado popular, ele nunca foi real.

As únicas menções aos cintos de castidades utilizados na época são encontradas em textos criados somente com a intenção de humor. Em alguns poucos casos em que o objeto não era colocado numa história como uma piada, ele poderia representar uma alegoria, mas nunca se tratava de relatos científicos sobre o uso do objeto. Historiadores defendem que os cintos que são apresentados em museus são falsos, provavelmente criados nos séculos 18 e 19.

5 – Pânico da Guerra dos Mundos

Um clássica história do mundo do entretenimento diz que Orson Welles narrou uma história de H.G. Wells no rádio e provocou o pânico por toda a nação. A representação realística do episódio acabou convencendo a todos que alien estavam invadido o país, deixando cidadãos aterrorizados por todos os lados. Isso ao menos o que vários de nós acreditamos.

Quase todas as histórias de histeria em massa daquela época, na verdade são contos irreais sobre o período. Não houve aumento no número de suicídios nas ruas e nem houve revoltas nas ruas. É verdade que algumas pessoas se assustaram, mas a maioria achou a história irreal demais para conseguir acreditar. As informações de histeria foram publicadas nos jornais da época, pois isso ajudava a vender os noticiários.

6 – Jardins suspensos da Babilônia

Ao lado de grandes construções da história como pirâmides do Egito, os jardins suspensos da Babilônia têm um lugar garantido na lista das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. Construídos por volta de 600 AC na região em que hoje encontramos o Iraque, os jardins foram um presente do Rei Nabucodonosor para sua esposa. Ou menos teriam sido, se eles realmente tivessem existidos.

Na história, não existe nenhuma evidência que realmente sustente a evidência de sua existência. Mesmo observando registros históricos detalhados da época, historiadores nunca conseguiram encontrar referências aos jardins. Acredita-se que a mentira tenha sido espalhada pelos soldados de Alexandre o Grande e acabaram ganhando forças nos contos exagerados criados pelos antigos autores gregos.

Já conhecia a verdade por trás de cada um desses fatos? Conhece outros episódios falsos que são considerados verdadeiros? Conte para a gente nos comentários.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Comentários