7 museus que você não vai acreditar que existem - Fatos Desconhecidos

7 museus que você não vai acreditar que existem

Curiosidades | Lugares&Construções | 17 de fevereiro de 2017 por Julia Marreto

Quantas vocês você estava passeando, ou passando, por alguma cidade e pensou “nossa, como podia ter algo interessante para fazer aqui”? Ou então, você viu uma coisa que gostou muito e queria poder ver mais coisas sobre o  mesmo tema? Pois é, algumas pessoas pensam assim e, não suficiente, resolveram criar museus sobre essas coisas, não interessa o que.

Por exemplo, Olinka Vistica e Drazen Grubisic, dois artistas croatas, que também foram amantes, terminaram seu relacionamento em 2006 e, como muitos casais, não sabiam o que fazer com os presentes e coisas que tinham um do outro, que estavam carregados de emoções. Ao invés de jogarem foram, eles tiveram a ideia de criar o museu das relações quebradas. Localizado na cidade de Zagreb, o museu aceita doações de todo o mundo, inclusive, abriu uma espécie de filial em Los Angeles (EUA).

É importante lembrarmos que não temos o intuito de criticar, julgar, muito menos impor verdades absolutas. Nosso objetivo é único e exclusivo de informar e entreter. Por isso, o conteúdo dessa matéria se destina a aqueles que se interessarem e/ou identificarem. Sendo assim, nós aqui da redação da Fatos Desconhecidos selecionamos uma listinha com 7 museus que você não vai acreditar que existem. Confira:

1 – Museu Nacional da Mostarda

Existem dois tipos de pessoas no mundo, aqueles que preferem ketchup e aqueles que preferem mostarda. Se você faz parte do último gripo, pode se interessar em dar uma passadinha no National Mustard Museum, em Middleton (Winsconsin – EUA). O museu abriga a maior coleção de mostarda do mundo.

O responsável por essa compilação maluca se chama Barry Levenson. Ele foi assistente do procurador-geral em Wisconsin, na década de 1980. Em 1986, os Boston Red Sox perderam a World Series, e Leveson – um patriótico cidadão da Red Sox Nation – se viu vagando por um supermercado, completamente perturbado.

Enquanto tentava resolver sua depressão pós-jogo, ao entrar no corredor de mostardas ele ouviu a seguinte frase “Se você nos coletar, eles virão”. A maneira como uma pessoa de interpretação dessa frase pode variar de acordo com a pessoa que a ouve.

No caso de Levenson, ao longo do tempo, ele coletou 6 mil variedades diferentes de mostarda, em cada estado dos EUA, e em cerca de 80 países diferentes. Isso, sem mencionar os anúncios de mostarda que decoram o prédio.

2 – Museu de Excelência do Feijão Cozido

O mundo é o lar de alguns museus de comida, alguns saborosos, outros nem tanto. No Japão existe o Museu Shin-Yokoham Ramen, na Coreia do Sul o Kimchi Field Museum, e o Museu Salo na Ucrânia. Mas, de todos esses, talvez, o mais incomum seja o da cidade galesa de Port Talbot.

Essa instituição foi fundada pelo chamado Capitão Beany – originalmente Barry Kirk. O museu fica em sua casa, ele possui praticamente tudo que você possa imaginar de feijões cozidos, desde relógios a canecas, sem contar a imensidão de latas, claro, cheias de feijão.

Podemos considerar essa uma das atrações mais originais do Reino Unido, sendo considerada uma atração turística oficial do País de Gales.

3 – Corredor da Fama de Baratas

Se você for como a maioria das pessoas, se arrepiou ou enojou só de ler o nome desse museu. Michael Bohdan não é como a maioria das pessoas. Residente de Plano (Texas-EUA) ele admite ter uma relação de amor e ódio com esses animais. Na década de 1980, Bohdan lançou um concurso para encontrar a maior barata de Dallas.

Depois de participar de um famoso programa de tv, pessoas de todo os EUA começaram a vestir esses insetos para que ele pudesse julgá-los. Quando a competição acabou, ele decidiu ficar com os animais, criando esse museu.

4 – Museu de lanças de caça

Para os fascinados por caça e história, esse museu de Summerdale (Alabama-EUA) foi fundado por Eugene Morris. Fundado em 2006, esse museu abriga uma variedade de cabeças de cervos, porcos decaptados, criaturas exóticas… Ao passar pela porta da frente, o vistitante é recebido por um leão.

Mais à frente, e um jacaré, uma zebra e um elande estão ali, empalhados. Todos esses animais foram trazidos por Morris, de suas caças ao redor do mundo. Eugene Morris faleceu em 2011, ironicamente, enquanto caçava. No entanto, seu legado ainda vive.

Caso você sinta vontade de visitar o museu (é gratuito), há um grande mural ao lado do museu, descrevendo Morris com sua lança e algum animal azarado.

5 – Museu da Morte

Se você é uma daquelas pessoas que gostam do macabro, ou tem um certo humor negro, talvez se interesse por esse museu. Fundado por JD Healy e Cathee Schultz, o museu tem como objetivo acabar com o estigma do medo da morte. Apesar das boas intenções, o museu pode assustar muita gente.

É possível encontrar máscaras, caixões e uma variedade de crânios, entre animais e humanos. Também existe uma coleção de sacos de corpo, instrumentos de agentes funerários, entre tantos outros objetos. Eles afirmam que o museu abriga a maior coleção de arte de assassinos em série do mundo.

O museu está localizado na Califórnia. Os fundadores planejam deixar seus corpos, preservados e para exibição, no museu quando passarem dessa pra melhor.

6 – Museu da Menstruação

Em 1994 e 1998, turistas cansados das mesmas exposições antigas, podiam encontrar um verdadeiro museu, incomum, a cerca de 30 minutos da Casa Branca. Fundado por Harry Finley, 51 anos, essa coleção eclética estava guardada em seu porão, em Maryland.

Finley começou a se interessar pela história da menstruação enquanto folheava revistas na Alemanha. O artista americano ficou fascinado por anúncios europeus de produtos menstruais e logo começou a colecionar coisas que estivessem ligadas à questão. Eventualmente, Finley decidiu compartilhar suas descobertas com o mundo, abrindo o Museu da Menstruação, dentro de sua casa.

Mas, como já era de se esperar, Finley foi considerado um pervertido, e alguns de seus familiares pararam de falar com ele. Isso, além de seus problemas de saúde levaram o artista a fechar o museu depois de apenas 4 anos. Agora, aos 70, ele espera que alguém possa reabrir o museu algum dia.

7 – Museu das imagens ilegais

Mark McCloud é diretor do Museum Mind-Bending, que está cheio de alienígenas, anjos e dragões chineses. Suas paredes estão cheias de imagens de Jesus Cristo e Mikhail Gorbachev. Até Mickey Mouse tem seu lugar. Mas, que tipo de coleção maluca é essa? O chamado Instituto de Imagens Ilegais é uma galeria dedicada ao mundo psicodélico do LSD.

Ele conta que, em 1971, caiu de uma janela e morreu, mas o ácido o trouxe de volta à vida, desde então ele vem tentando expandir cada vez mais sua mente, assim como suas folhas de LSD. Também conhecidas como “blotters”, essas folhas embebidas em ácido são como pequenas pinturas, cada uma com imagem única.

McCloud enquadra essas obras de arte e as pendura na parede de sua casa. São folhas ilustradas com pentagramas, crucifixos, OVNIs, Gato Félix, Tintin, Chapeleiro Maluco… No total são 33 mil folhas.

E aí pessoal, o que acharam desses museus? Bem malucos ou não? Gostariam de visitar algum deles? Quais outros vocês já ouviram falar? Encontraram algum erro na matéria? Ficaram com dúvidas? Possuem sugestões? Não se esqueçam de comentar com a gente!

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Comentários