O ser humano tenta prever o futuro há muito tempo, bem antes da invenção das bolas de cristal ou das cartas de tarô. Não que alguma delas tenha até alguma comprovação científica que prove a veracidade dos acontecimentos previstos. Mas esse desejo em saber o que nos espera é inerente ao ser humano. Isso, desde os primórdios da humanidade.

A adivinhação na antiguidade era frequentemente feita usando ossos e entranhas. Esse parece ter sido apenas o começo de inúmeras técnicas de previsão do futuro que os povos antigos iriam usar. Desde livros, galinhas e até queijos já foram usados como métodos para tentar um vislumbre de eventos futuros. Claro, tudo isso relacionado aos chamados “videntes” ou “profetas”. Algumas dessas formas de adivinhação histórica ainda podem ser usadas nos dias atuais, mas ainda assim, são bem peculiares. Confira a seguir 7 estranhas formas que os povos antigos buscavam para prever o futuro.

1 – Adivinhação por entranhas de animais

Teve início na Mesopotâmia e depois se expandiu para a Grécia, e assim, para outros lugares. Por muito tempo, os animais foram sacrificados em rituais divinatórios e seus órgãos internos, principalmente fígado, coração e tripas, eram inspecionados em busca de presságios. Tirando os oráculos, a hieromancia, como é chamada a adivinhação por entranhas de animais, era o principal método de adivinhação do mundo antigo. Os detalhes de como funcionavam exatamente essas adivinhações são escassos, mas acredita-se que um fígado saudável, por exemplo, era um sinal positivo. Já um órgão defeituoso e com falta de sangue, era visto como um indicativo ruim.

2 – Adivinhação usando pássaros

Publicidade
continue a leitura

Já pensou usar o comportamento das aves para prever o futuro? Pois é, essa foi uma das formas mais antigas de adivinhação na Grécia antiga. Como descrito no livro de Aristófanes, The Birds, o líder de um coro de pássaros explica como funcionava a prática. "Antes de empreender qualquer coisa, seja uma transação comercial, um casamento ou a compra de comida, você consulta as aves lendo os presságios”. Em Roma principalmente, a ornitomancia como é chamada, era muito praticada por sacerdotes públicos. Estes eram conhecidos como augúrios. O número de pássaros, o seu voo e os cantos eram averiguados, tudo poderia ser sinais interpretáveis. Além do comportamento dos pássaros, eles também observavam outros sinais naturais, como trovões e relâmpagos, a fim de interpretar a vontade dos deuses.

3 – Oráculos Ósseos

Na China antiga, os povos da dinastia Shang usavam ossos de animais para prever o futuro. Durante o período neolítico, os povos “escolhidos” inscreveriam perguntas em omoplatas de animais, na maioria das vezes, de gado ou em conchas de tartaruga. Depois disso, eles inseriam pontos aquecidos nos oráculos. As rachaduras feitas pelos pontos aquecidos eram interpretadas como respostas às perguntas inscritas. Os presságios poderiam ser positivos ou negativos, e em outros casos, com significados mais específicos. Esses ossos oraculares ficaram esquecidos na história até a sua redescoberta, no começo do século 20, quando grandes esconderijos foram encontrados.

4 – Bibliomancia

Publicidade
continue a leitura

A Bibliomancia é a prática de fazer uma perguntar, enquanto se abre um livro aleatoriamente e interpretar a primeira passagem que avistar. Essa prática de interpretação do futuro já foi muito difundida entre os gregos e romanos no passado. Entre os livros mais usados, estavam a Bíblia, o Livro dos Salmos, o Alcorão e as obras do poeta romano Virgílio.

5 – Adivinhação usando galinhas

Isso mesmo, as galinhas, além de serem uma fonte de comida útil no mundo antigo, também eram usadas para prever o futuro. As galinhas podiam escolher um grão em uma localização ou direção específica. Isso era interpretado como a resposta correspondente a determinado assunto. Isso poderia ser o caminho a se seguir em uma batalha ou a direção pela qual um futuro marido chegaria, e coisas do gênero. Galinhas foram usadas até para escolherem sucessores de cargos importantes daquelas sociedades.

6 – Adivinhação usando queijo

Publicidade
continue a leitura

Quem diria que um simples queijo também poderia determinar o futuro, não é mesmo? Embora os detalhes não sejam bem específicos, durante a Idade Média, o queijo foi muito usado como ferramenta de adivinhação. Dizem que as formas dos buracos nos queijos tinham significados. Tais como a forma de coração, que poderia indicar amor. E certos buracos poderiam ser interpretados como iniciais de nomes de futuros pretendentes.

7 – Ceromancia

A Ceromancia é uma forma de adivinhação que usa cera derretida. Na Europa medieval, essa ferramenta foi muito usada. O método comum consistia em derreter a cera em um recipiente de lata, e depois, despejar a cera liquefeita em um recipiente com água fria. Daí, um adivinho ou vidente interpretaria as formas flutuando na água.

E você, o que achou desses métodos de previsão do futuro? Conta para a gente nos comentários e compartilhe com os seus amigos.

Publicado em: 25/06/19 17h15