A pena de morte é sempre um tema polêmico e um tanto quanto assustador. No Brasil, esse tipo de sentença não é mais permitida, mas países como os EUA, Japão, Cingapura e Taiwan ainda cumprem sentenças do tipo. Por não termos muita proximidade com o assunto, não sabemos profundamente sobre.

No entanto, há muito mais por trás de uma sentença de pena de morte do que a sentença em si. Todos os trâmites custam muito caro e há também problemas durante as execuções.

Confira agora alguns fatos tenebrosos sobre o corredor da morte.

1 - Draco

Você já ouviu falar do termo "draconiano"? Geralmente, ele é utilizado para falar sobre algo que é extremamente brutal ou injusto. A explicação para a utilização do termo é bem fundamentada. Draco foi um legislador da Grécia antiga e criou leis extremistas, que punia com a morte desde crimes pequenos até os maiores. E quando falamos pequenos, não estamos brincando. Roubar repolho da horta do vizinho, por exemplo, já poderia te encrencar a ponto de que isso lhe custasse a vida.

2 - Leis britânicas para as colônias

Publicidade
continue a leitura

As leis britânicas eram aplicadas nas colônias ao redor do mundo. Ao todo, 222 crimes eram punidos com a morte e como a história acima, até os crimes pequenos eram punidos. Matar um coelho já era o suficiente para ser condenado à pena de morte.

3 - Tipos de condenação

A pena de morte em si já é uma condenação, mas há formas de fazê-la se cumprir. Em alguns locais, os condenados podem escolher como morrer. Injeção letal, pelotão de fuzilamento, câmara de gás, eletrocussão e forca são os métodos ainda utilizados.

4 - Condenação por matar brancos?

Publicidade
continue a leitura

Um estudo realizado sobre o assunto, chegou a conclusão de que é muito mais provável que você seja condenado a pena de morte por ter assassinado uma pessoa branca. Se você matou uma pessoa negra, bom, talvez não receba a condenação máxima.

5 - Menores de idade condenados

Por muito tempo, as penas de morte foram aplicadas também aos menores de idade. A última sentença desse tipo que foi executada, ocorreu em 2005, pouco antes de a prática ser banida.

6 - Falha nas execuções

Publicidade
continue a leitura

Durante os anos de 1810 e 2010 cerca de 8776 execuções não foram bem sucedidas. Isso quer dizer que o método utilizado não levou à morte de fato. Por isso, algumas pessoas condenadas à cadeira elétrica na verdade tiveram o corpo incendiado. Outros condenados ao enforcamento, foram decapitados. Além de falhas também na aplicação das injeções letais que levaram à convulsões e desconfortos.

7 - Pena de morte adiada

Romell Broom foi condenado pelo assassinato, sequestro e estupro de uma adolescente de 14 anos. A condenação foi de pena de morte por injeção letal. O problema veio no momento de executar a sentença, já que para que a injeção seja aplicada é crucial que se encontre uma veia para aplicar as drogas. Durante duas horas, os funcionários da prisão fizeram 18 tentativas, inclusive com o auxílio de Broom, no entanto, nenhuma delas deu certo. Isso acontece com frequência com pessoas obesas e usuários de drogas intravenosas. O resultado foi que a execução foi adiada e até hoje Romell Broom está no corredor da morte.

Publicado em: 20/11/18 13h26