7 histórias sobre o futuro ditas por espelhos mágicos e bolas de cristal

POR Mateus Graff    EM Terror & Sobrenatural      20/11/17 às 12h24

Quem de vocês não gostaria de prever o futuro? Pois bem, não é de hoje que as pessoas tem um fascínio por esse tipo de coisa. Desde a antiguidade já existiam os videntes. Vários deles foram mortos por serem acusados de bruxaria ou algo do tipo. Nós vemos em muitos filmes coisas envolvendo espelhos mágicos e bolas de cristal, mas vocês já ouviram histórias reais sobre esses itens?

Bom, nós separamos algumas histórias, algumas mal contadas, outras distorcidas, e ainda aquelas que ninguém sabe se aconteceu ou não (como mostra o item 5). Então, caros amigos, confiram agora a nossa matéria com as 7 histórias sobre o futuro ditas por espelhos mágicos e bolas de cristal:

1 - O espelho fantasma

Johann Georg Faust era um alquimista alemão que escreveu alguns livros de feitiço. De acordo com instruções desse livro, se alguém quiser ver o futuro em um espelho, eles devem comprar o primeiro espelho que verem em uma sexta-feira. Na noite de lua nova, o dono do espelho deve encontrar um túmulo de uma pessoa que morreu recentemente, cavar e enterrar o espelho virado para baixo, em cima do cadáver. Nove semanas depois, a pessoa tem de desenterrar o espelho. Depois disso, o nome de três espíritos devem ser ditos em voz alta para convocá-los. Os nomes dos espíritos mudam, dependendo do tipo de coisas que a pessoa procura.

2 - "Miss X"

Um antropólogo chamado Northcote W. Thomas escreveu alguns livros durante toda a sua vida. Um deles foi chamado de Crystal Gazing, e foi publicado ainda em 1905. Durante uma viagem a Londres, uma mulher hospedou Thomas e seus amigos. Todos eles tiveram a chance de tentar ter visões em uma bola de cristal mas não viram nada. Porém a mulher, que era chamada de "Miss X", descreveu ver um desenho diferente. Depois disso, um livro chegou para Thomas, e tinha acabado de ser publicado por um de seus amigos acadêmicos. A capa do livro tinha o mesmo desenho descrito pela mulher.

Thomas decidiu levar a tal bola de cristal a todo lugar, perguntando as pessoas o que elas viam. Uma mulher afirmou ter visto Thomas na sala de estar de alguém com um gato persa branco. A cena foi explicada com muitos detalhes, falando sobre os móveis, as cortinas e até as roupas que as pessoas estavam vestindo. No mesmo dia, Thomas fez alguns amigos e entrou em uma casa. Toda a cena que a mulher descreveu, de fato, se tornou realidade. Esses dois acontecimentos foram suficientes para fazer Thomas acreditar nessas coisas e escrever o livro que citamos anteriormente.

3 - Um portal para o submundo

Nos anos 1200, o Fr. Bacon estava praticando um método científico e experimentando coisas que deixavam as pessoas incomodadas. Ele olhava para um espelho e aparentemente conversava com pessoas que estavam longe. Ele tentava convencer as pessoas de que elas podiam ver seus entes queridos desaparecidos, mas só se elas parecessem suficientemente fortes. Todos ficaram assustados e, para falar a verdade, provavelmente ele tinha algum problema mental. Porém, no século 13, várias pessoas assumiram que ele tinha envolvimento com o Diabo. Quando alguém morria no campo de batalha, por exemplo, a culpa era do Fr. bacon.

Ele se tornou uma espécie de lenda. Houve até uma peça escrita por Robert Greene sobre o Frei nos anos 1500. Na história, ele tinha poderes mágicos e tinha visões. Nessa peça, ele era chamado de "O Mago do Imperador.

4 - A lenda da Torre Mágica

Um faraó egípcio estava em sua torre. Ele tinha um espelho mágico que permitia ver todo o seu reino. Se um inimigo se aproximava, o faraó tinha visões desses homens no espelho. Isso dava tempo suficiente para reunir um exército e se defender. A torre ainda tinha o poder de usar seus espelhos para iluminar a cidade para informar os civis que deviam evacuar o local. O espelho ainda tinha a habilidade de incendiar navios inimigos.

Essa lenda foi traduzida para outras línguas e alterada para se adequar a diferentes culturas. Quem lia tal história achava que isso era tão mágico que em algumas histórias até mudaram de espelhos para uma bola de ouro, que daria ao rei visões do futuro.

Tempos depois, pessoas notaram que essa lenda era verdadeira, mas era bem diferente da original. Na verdade, era a história de um farol. Em Alexandria, o faraó Ptolemy I Sóter encomendou um enorme farol. Os espelhos, de fato, tinham uma visão de 50 quilômetros. Experimentos modernos provaram que, com a ajuda de um metal curvado, os espelhos poderia fazer alguns estragos nas velas dos navios inimigos com o reflexo do Sol. Na época, os faróis não existiam em várias partes do mundo, talvez por isso a ideia de que era algo mágico.

5 - O Mago da Rainha

Durante o século 16, o Dr. John Dee era um estudioso conhecido por seus estudos em uma variedade de assuntos, inclusive de matemática, alquimia e astronomia. Ele também era conhecido por falar em magia, usando uma bola de cristal para fazer previsões do futuro. Durante o reinado da rainha Maria I, o catolicismo tornou-se a religião nacional da Inglaterra. Sendo assim, era ilegal praticar magia. Apesar das leis, a irmã de Maria, Elizabeth, pediu a John Dee para fazer seu horóscopo. Ele previu, que dentro de três anos, Maria iria morrer e Elizabeth seria coroada como rainha. Elizabeth tentou alertar a sua irmã, mas Maria estava furiosa e colocou John Dee na prisão.

Três anos depois, a previsão de John se tornou realidade. Maria morreu e Elizabeth se tornou rainha. Uma das primeiras coisas que ela fez foi libertá-lo. Ele se tornou seu conselheiro e recebeu uma propriedade, onde foi autorizado a realizar os experimentos que ele quisesse. Ela fez um decreto de que qualquer coisa que John Dee fizesse era considerada magia branca e que ele tinha um presente de Deus. Dee começou a mergulhar profundamente no oculto. Ele mesmo afirmou que conseguia falar com anjos e demônios. A mesa onde ele fazia os seus trabalhos era repleta de símbolos, dos quais ele alegava serem cartas de anjos. Os cristais e artefatos de Dee foram preservados e podem ser vistos em um Museu Britânico, em Londres.

6 - Os magos

Algumas das primeiras histórias envolvendo bolas de cristal veio da Pérsia. Os videntes que usavam o reflexo da água para ver o futuro eram chamados de Magi, derivado da palava "mágica". Um poeta persa chamado Firdausi escreveu um poema no século X que dizia: "Ele pegou o cálice e olhou. Ele viu os sete carrilhões refletidos lá, e todos os atos do presságio no alto céu. Naquela taça, o rei mago costumava ver o futuro."

Muitos antigos espelhos persas tinham pinturas nas costas e eram personalizadas por seus donos. A ideia de ver o futuro em espelhos aparentemente já existia em várias outras culturas. Uma das pinturas mostra a cena de um casal fazendo amor enquanto outra mulher nua observa. Do outro lado da pintura mostra uma mulher vestida, triste e olhando para um espelho. Não há uma explicação escrita sobre a cena, exceto os nomes dos amantes: Mexio e Fasia. É possível que a mulher vestida possa ter "visto" a infidelidade do marido no espelho.

7 - O Alto Conde

Um homem italiano que era chamado de "Conde Alessandro di Cagliostro" era um alquimista, mágico e maçom. Ele afirmou ser capaz de ver o futuro através de uma bola de cristal. Ele entreteria a nobreza real no tribunal italiano no final do século XVIII. Ele previu várias coisas que, aparentemente, se tornariam realidade. Uma delas incluia a morte de uma jovem. Ele também revelou segredos escandalosos que algumas pessoas estavam tentando esconder da sociedade.

Di Cagliostro afirmava que seus poderes vinham de um "rito egípcio". Ele também usou DMT para ter visões. Seu nome real era Giuseppe Balsamo, e tempos depois ele foi preso por heresia.

E aí, já conheciam todas essas histórias envolvendo mágicas? Comentem!

Mateus Graff
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+