• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


7 países europeus que não existem mais

POR Bruno Dias    EM Curiosidades      18/06/19 às 17h06

Ao longo da nossa história, várias coisas já aconteceram. Continentes se separaram, países foram formados, guerras foram travadas. E os séculos XIX e XX foram grandes períodos de mudanças sem precedentes em nossa história. Como por exemplo, em 1807, as guerras napoleônicas estavam em seu auge e, em 2007, os smartphones começavam a aparecer.

E um lugar onde essas mudanças foram bastante rápidas foi na Europa. Com a evolução da tecnologia, as fronteiras das nações mudaram e vários Estados sumiram. No século XX, aconteceu a quebra de reinos antigos e o nascimento de vários Estados novos, mas nem todos eles conseguiram chegar à modernidade. Mostramos aqui alguns desses países que colapsaram e não chegaram a existir na atualidade.

1 - Áustria-Hungria

Os monarcas Habsburgo governavam a Áustria e a Hungria desde o século XVI. Eles compartilhavam o mesmo soberano, mas eram independentes um do outro, com seus próprios parlamentos e leis. Mas, na queda do sacro império romano, em 1806, os habsburgos se juntaram aos países do Império Austríaco. E a Hungria, mesmo que nominalmente independente e com seu próprio parlamento, agora fazia parte de um Estado maior.

Ao longo do século XIX, o império se expandiu, controlou dezenas de grupos étnicos diferentes, como por exemplo os sérvios no sul e checos no norte. E com o crescente nacionalismo, o governo lutou para manter o império unido. No auge do Império Austríaco, eles tinham a quarta indústria mais desenvolvida do mundo.

Depois da guerra austro-prussiana, os habsburgos reformaram o país e o renomearam Áustria-Hungria, dando mais poderes à Hungria para apaziguar os separatistas. Com a Primeira Guerra Mundial, o arquiduque Franz Ferdinand fez um plano de reformar o país nos Estados Unidos da Grande Áustria, no qual o país seria dividido em 13 estados semiautônomos. Mas o arquiduque foi assassinado antes dos seus planos se concretizassem. Depois da Primeira Guerra Mundial, a Áustria-Hungria foi desfeita pelos aliados e dividida em vários estados sucessores menores.

2 - Checoslováquia

Por várias maneiras, a Checoslováquia foi um país que nasceu por necessidade. O arquiduque da Áustria recebeu a coroa da Boêmia em 1526, e a partir daí, as terras checas foram um reino cliente da monarquia austríaca. Já a Eslováquia, tinha sido conquistada pelos húngaros por volta do ano 1000, e se tornou parte do reino da Hungria. E com a formação da Áustria-Hungria, eles se juntaram em um só país.

As terras checas tinham mais da metade do desenvolvimento industrial de toda Áustria-Hungria. E junto com a forçada marginalização dos eslovacos, os cidadãos dos dois lados se agitaram pela independência. E no fim da Primeira Guerra Mundial, em 1918, esses esforços foram bem sucedidos. Os aliados reconheceram a independência e a Checoslováquia nasceu. Em seu auge, o país foi o décimo mais industrializado do planeta.

Depois de vários conflitos, tensões nacionalistas dos dois lados causaram uma cisão no governo. Muitas eslovacos achavam que o país era dominado pelos checos. E por outro lado, os checos achavam que Eslováquia era a região mais pobre e drenava os recursos do país. Em 1992, os primeiros-ministros dos dois países concordaram com a divisão pacífica dos territórios.

3 - Estados Papais

Nos anos 700 e por mais mil anos, o papa tinha uma função secular e religiosa sobre os povos da Europa e principalmente a Itália. As pessoas que vivam nos Estados Pontifícios, mesmo que tivessem outras religiões, o papa era o seu senhor secular. Mas a verdade era que a influência do Papa era pequena e quem estava no controle em grande parte eram os príncipes independentes em seus territórios. Os Estados Papais existiam como uma maneira de proteger o Papa.

Os Estados papais começaram a crescer durante a Renascença. E em 1800, eles se tornaram uma nação cada vez mais antiquada, retrógrada e se recusaram a concordar com várias reformas liberais e sociais. Em 1870, os Estados Papais eram o único país da Europa que ainda praticava a castração de meninos antes da puberdade, para que eles conservassem sua voz para o canto.

Com várias guerras, ao invés de se render, o papado se isolou dentro do Vaticano e os sucessivos líderes italianos se recusaram a conquistá-lo. Em 1929, o impasse finalmente foi resolvido no Tratado de Latrão, no qual os Estados Papais foram abolidos e a Itália reconheceu o Estado da cidade do Vaticano.

4 - Alemanha Oriental

Depois da Segunda Guerra Mundial, o Reino Unido, EUA e URSS concordaram em dividir a Alemanha e Berlim entre eles. Isso queria dizer que a Alemanha ficaria dividida em zonas soviéticas, americanas, britânicas e francesas. Mas as zonas britânicas e americanas se fundiram em 1947. E em 1949, os franceses concordaram que sua zona se unisse às outras duas e criaram a República Federal da Alemanha.

Depois de um tempo, os soviéticos deram o controle de sua zona para o partido comunista alemão, o SED. Então, nasceu a República Democrática da Alemanha, que também era conhecida no ocidente como Alemanha Oriental. O SED era um partido comunista e, às vezes, superando até o governo em Moscou. O SED manteve sua linha marxista ortodoxa até o fim.

A sociedade na Alemanha Oriental era bastante controlada. E com todas as restrições, várias pessoas fugiam para o lado oeste. E foi essa fuga de cérebros que foi um dos grande fatores para a construção do Muro de Berlim. Depois da primeira eleição livre, em 1990, o país se dissolveu e aderiu à República Federal da Alemanha um pouco depois e acabou com a Alemanha Oriental.

5 - Iugoslávia

O conceito de uma nação eslava do sul existiu desde, pelo menos, a década de 1600. Contudo, era pouco mais que um sonho no momento que foi criada subitamente depois da Primeira Guerra Mundial. Antes da guerra, as nações da Iugoslávia pertenciam a dois impérios antigos poderosos que eram a Áustria-Hungria e Império Otomano. Depois do Tratado de Versalhes, os impérios foram desfeitos e os eslavos do sul foram unidos em um único Estado.

Antes da Segunda Guerra Mundial, a Iugoslávia não encontrou aliados e foi invadida pela Alemanha. Os alemães dividiram o país e a realeza foi para o exílio. Depois da ocupação do país, quase duas milhões de pessoas foram mortas. Os nazistas foram expulsos pelos partidários comunistas que se alinharam a Moscou.

Depois, o país foi dominado por Tito e seus partidários. Em 1948, a Iugoslávia rompeu suas conexões com Moscou. Tito conseguiu manter o país unido, mas depois de sua morte, isso começou a se desintegrar. Vários fatores levaram à diferenças irreconciliáveis entre os governos da Iugoslávia. E o auge foi a queda da União Soviética.

6 - Império Otomano

Esse foi um dos impérios mais antigos da história. Ele foi formado primeiro por turcos seminômades, em 1300. Eles dominaram o Oriente Médio, norte da África e sudeste da Europa nos anos de 1600 e 1700. No começo do século XX, ele estava super estendido e lutava para controlar suas centenas de grupo étnicos.

O império lutava para acompanhar as grande potências do mundo desde os anos 1800. E confiava em suas poderosas alianças para manter sua posição. Mas, em 1900, o país estava diplomaticamente isolado e vulnerável.

O império lutava contra suas rebeliões e resistência na Arábia, e quis fazer uma limpeza étnica nas regiões armênia e grega para diminuir a resistência. Mas, em 1918, tudo já estava acabado.

7 - URSS

Em 1917, rebeldes estavam frustados com o estado da Rússia e com o ritmo lento das reformas. Eles eram chamados de bolcheviques. Depois de uma luta interna pelo poder, eles assumiram o controle da Rússia. A influência deles aumentou e, em 1922, a União Soviética nasceu. O objetivo do novo governo era implementar a verdadeira igualidade para todos.

O sonho começou a afundar logo depois do seu início, com a morte de seu primeiro líder. A interpretação externa de Stalin do marxismo levou ao nascimento de um Estado que poderia ser legitimamente considerado um dos mais influentes e controversos da história humana.

A época que se seguiu de Stalin foi a mais bem sucedida da URSS. Mas a União entrou em um período de estagnação nos anos depois da partida de Khrushchev, em 1964. Em 1991, a situação não estava melhorando e então seus membros foram um por um declarando independência.

Próxima Matéria
Via   Listverse  
Imagens Listverse
Bruno Dias
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+