Curiosidades

8 propagandas super pesadas que foram rejeitadas e proibidas

0

As propagandas além de exibirem o produto, serviço ou marca desejada sempre tiveram que apresentar “algo a mais”. Muitas das vezes o conteúdo mostrado servia de atrativo para os clientes e representavam o estilo de vida desejado por aquele público, a famosa “família margarina” que rondou o mercado e os meios de comunicação por muito tempo. Por mais que esse modelo padronizado já não seja bem visto pela sociedade brasileira atual, a ideia central permanece a mesma, divulgar algo que seja atraente para o seu público alvo.

Porem, ao tentarem cumprir esse objetivo muitas gafes são cometidas. Algumas tem uma repercussão tão negativa que chegam a sair do ar, por ter um conteúdo impróprio ou ofensivo. A internet proporcionou um meio de comunicação mais acessível e bilateral. As informações chegam ao seu receptor e logo tem um retorno, uma resposta e opinião sobre aquilo que foi exposto. Essa reciprocidade proporcionada pela internet faz com que a rigidez sobre os conteúdos exibidos pelas propagandas só aumentem. Afinal, se o público rejeita o conteúdo ele cai junto com a marca.

O preconceito, a exclusão e a intolerância não são mais aceitos nas propagandas. Gerando uma resposta negativa sobre a marca e, consequentemente, criando uma imagem negativa sobre ela e diminuindo seu público.

As propagandas a seguir apresentam conteúdos considerados impróprios e inadequados de alguma forma e todas foram vetadas no Brasil.

1 – Segurança negro

A empresa Gallo lançou uma propaganda divulgando o novo vidro escuro do produto, que proporcionaria uma maior durabilidade do conteúdo. A questão polêmica que fez com que o anúncio fosse retirado foi por colocar o “negro” na posição de um segurança. Ao dizer “O vidro escuro é o segurança”. A frase gerou muita repercussão pelo passado histórico do país e não foi aceita pelo público que logo fez com que ela fosse retirada. Mudanças gramaticais como “O vidro escuro é a segurança” foram algumas das sugestões propostas por internautas já que assim estariam remetendo a segurança do produto e não ao serviço de segurança.

2 – Sexualização infantil

O anúncio feito pela Couro Fino gerou muita discussão por colocar a criança em uma situação “sexualizada”. Além da cor vermelha já ser atribuída ao termo Sexy estar bem presente na propaganda a criança ainda usa outros acessórios da mãe e faz bico para a câmera na primeira imagem. A propaganda era direcionada para o dia das crianças porem as características colocadas sobre a menina não eram infantis. Outro fator utilizado para a proibição do anúncio foi pela ausência de roupa na criança que além de sexualizada utilizava apenas uma calcinha.

3 – Cerveja piriguete

Sendo um adjetivo usado para classificar e degradar as mulheres “Piriguete” foi usado na propaganda da Skol para dizer que o produto estava “valendo pouco”. Por ser uma palavra constantemente utilizada para as mulheres e por ter usado de forma comparativa para indicar o baixo valor da cerveja o anúncio foi considerado ofensivo e portanto deixou de ser veiculado após da exigência do público.

4 – Limões falantes

Uma propaganda de grande repercussão no país foi feita pela Pepsi Twist e usava limões falantes como protagonistas. No vídeo os limões faziam varias citações e referências aleatórias e já chegaram a falar até dos animais. O problema era que eles tratavam do assunto de forma meio “polêmica” o que fez com que vários internautas exigissem que ela fosse retirada do ar. Apesar de ter saído de veiculação a maioria deve lembrar dessa propaganda. Anos depois da polêmica  a empresa voltou com os personagens fazendo referência ao ocorrido e dizendo que o mundo está muito “sensível” e falando das difamações colocadas sobre eles, os próprios limões, com frases como “Se a vida te der um limão faça uma limonada”.

5 – Disfarçando com a Itaipava

O anúncio da Itaipava mostrava uma situação inadequada na qual o homem se excita com a presença de uma mulher no mar. O ocorrido é seguido por uma “dica” de como se livrar dessa situação e disfarçar para que a sua namorada não veja. A propaganda colocava o namoro do homem do anúncio em questão onde a única coisa que importava era sair livre daquela situação e disfarçar o que aconteceu. O principal motivo para sair do ar foi por ser considerada muito sexualizada.

6 – Blá Blá Blá do Ifood

A propaganda do Ifood foi considerada ofensiva por colocar três homens ignorando a mulher. Ela indaga os homens por não terem comprado comida para ela e após a apresentação do produto todos os homens na sala fazem o famoso gesto de “BlaBlaBla” com a mão para a mulher até que ela saia da sala. De acordo com um dos homens ele poderia fazer seu pedido com uma mão enquanto discutia com a outra. Apesar de levantar esse ponto a campanha foi parar no CONAR por plágio.

7 – Intervenção de campanha e reviravolta

Mais uma vez a campanha da Skol ganha visibilidade devida a sua repercussão negativa nas redes sociais. Depois de veicular uma peça que incitava o “ataque” as mulheres que negam alguma relação com os homens no carnaval ao dizer “Esqueci o “não” em casa” a marca foi atacada pelo publico e até sofreu alterações nas ruas. A intervenção nas placas que continham o anúncio continuavam a frase com “e trouxe o nunca” como uma forma de se opor ao posicionamento da marca. Após perceber a negatividade que rondava a propaganda a empresa refez o anúncio usando a mesma estética mas com frases voltadas para o respeito é para a “aceitação” do não. Uma das frases criadas para isso foi “Não deu jogo? Tire o time de campo” acompanhada de “Neste carnaval, Respeite”.

8 – Comportamento inadequado

A ganância é um ato que a maioria tenta afastar das crianças. Porém, o anúncio incita um comportamento de exibição de bens, feito pelo menino. No vídeo a criança faz com que seu pai pare em um local específico para que seus colegas possam ver o carro que seu pai tem e para que ele possa se exibir. Esse comportamento não deve ser incitado para uma criança e a exposição dele foi reprovada pelos internautas. A propaganda foi barrada por estimular a ostentação e comportamentos reprováveis pela sociedade.

Você acha que esses anúncios tem um conteúdo inadequado e deveriam mesmo ser proibidos? Qual outra propaganda você acha que deveria entrar na lista?

21 vezes em que avós provaram ser muito mais ‘vida loka’ que os netos

Matéria anterior

Até que altura os pássaros e insetos podem voar?

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos