Curiosidades

A triste história por trás dessa famosa foto do abutre

0

Você, muito provavelmente, já viu essa imagem chocante ao menos uma vez na sua vida, certo? Essa é uma das fotos mais famosas do mundo, tanto que rendeu ao seu autor, o fotógrafo Kevin Carter, um prêmio Pullitzer, em 1994. Essa foto marcante é a prova real de que uma imagem vale mais do que mil palavras. E de fato, nem todas as palavras do mundo conseguem expressar a dor que essa imagem transmite. É o retrato terrível da fome, e da dura realidade das pessoas que vivem na miséria extrema. A imagem nos mostra um abutre, atrás de uma criança desnutrida, apenas esperando que ela morra, para se alimentar dela.

Mas o que nem todo mundo sabe é que, além do retrato da imagem, a história por trás dela também é muito triste. E de fato, o que aconteceu depois desse registro, também foi distorcido e acabou se criando uma história, que não é totalmente verdadeira. O premiado fotojornalista sul-africano, Kevin Carter, tirou a sua própria vida, um ano após viajar para a vila sudanesa de Ayod, para denunciar a fome no país. Isso devido à imagem que se criou dele depois de fazer a foto.

A foto

Kevin Carter foi um experiente fotojornalista, que já fez diversos trabalhos nesse tipo de contexto. No entanto, ele só veio a ganhar reconhecimento pelo seu trabalho depois de fotografar as revoltas de guerra em Soweto, perto de Joanesburgo, na década de 1980. Mas a fama e o sucesso só vieram mesmo, depois da viagem à pequena vila de Ayod, em 1993.

Naquela época, o Sudão estava em guerra e assolado pela fome, que diariamente ceifava a vida de centenas de pessoas. Principalmente crianças. Já no último dia de viagem, quando estava prestes a deixar a vila, o fotógrafo viu uma situação que lhe chamou a atenção. Tratava-se de uma criança, muito pequena e desnutrida, que havia saído para fazer suas necessidades. Logo atrás dela, estava um enorme abrute expectante. Ele tirou uma foto do momento e foi embora.

Aquela imagem acabou se tornando uma metáfora quase que brutal do que realmente significava aquela situação. Um símbolo assustador da catástrofe humanitária que o Sudão estava vivenciando.

Sabendo da importância daquela imagem, o fotógrafo então a enviou ao conceituado jornal The New York Times. E como esperado, dois dias depois, o impacto dela foi frenético.

No ano seguinte, Carter receberia o Pullitzer pela aclamada foto. Mas, como nem tudo são flores, junto ao reconhecimento, vieram também várias críticas, ataques e desprezo. Pessoas chegaram a dizer que ele era o segundo abutre daquela imagem. E que ele era um mostro sem alma, por ter fotografado a situação e não ter feito nada para ajudar a criança.

A história por trás da foto

E isso, de certa forma, foi confirmado pelo próprio fotógrafo durante o seu discurso de agradecimento do prêmio: “É a foto mais importante da minha carreira, mas não tenho orgulho disso, não quero ter. Eu nem a vejo, eu a odeioAinda me arrependo de não ter ajudado a garota”.

O impacto negativo sobre ele foi tamanho que, dois meses depois de receber o prêmio, Kevin Carter acabou tirando a sua própria vida. Ele tinha apenas 33 anos, quando sucumbiu à triste realidade e não aguentou a pressão ou as críticas.

Kevin colocou uma mangueira no tubo de escape do carro e a introduziu pela janela do carro e então foi dormir. Um sono tranquilo, do qual ele nunca mais acordou. E ainda deixou um recado para aqueles que, de alguma forma, quisessem entender o porquê de ele ter feito isso.

“Estou atormentado pelas lembranças vívidas dos assassinatos e dos cadáveres, pela raiva e pela dor. Ver as crianças morrerem de fome. Para aqueles loucos gatilhos fáceis, muitas vezes da polícia, dos assassinos e dos executores. Fui me juntar a Ken, se tiver sorte”.

A criança 

Por muito tempo, acreditou-se que a criança na foto se tratava de uma menina. Mas era um menino. Uma investigação posterior descobriu o que aconteceu com ele. Muitos pensando que ele teria morrido logo depois da foto ter sido tirada, o que não aconteceu.

O menino, chamado Kong Nyong, sofria de desnutrição severa, como dá para ver pela foto, mas ele sobreviveu a isso. No entanto, apenas por quatro anos, até que ele morreu de febre. O que também é muito comum nessas regiões, muito afetadas pela pobreza.

Enfim, e você? Já conhecia a história por trás dessa foto? Conta para a gente nos comentários e compartilhe com os seus amigos.

Justiceiro passa por transformação em nova HQ da Marvel

Matéria anterior

Veja as novidades que chegarão na Netflix em novembro de 2019

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos