Você é do tipo que aceita desculpas? Ou, ao invés disso, fica remoendo coisas pequenas? Realmente, muitas coisas merecem perdão, mas outras, são bastante difíceis de perdoar. Recentemente, o assassino de John Lennon, mais uma vez, pediu desculpas pelo crime cometido há 40 anos. Dessa forma, as desculpas eram destinadas à viúva do ex-beatle, Yoko Ono. E aí, você aceitaria?

Em 8 de dezembro de 1980, Mark David Chapman atirou em Lennon quatro vezes perto do apartamento do compositor, em Manhattan, Nova York. Segundo Chapman, o homem que assassinou John Lennon, ele fez tudo "pela glória pessoal". Assim, o pedido de desculpas acontecendo durante uma audiência em que o condenado pedia a Justiça dos Estados Unidos liberdade condicional. No entanto, pela 11ª vez, o pedido foi negado.

O homem que atirou em John Lennon diz que pensa no fez todos os dias de sua vida

Publicidade
continue a leitura

Ainda segundo Chapman, esse "ato desprezível" o irá assombrar a todo tempo pelo resto de sua vida. Por isso, ele já aceitou que pode passar o resto de seus dias na prisão. Em todo caso, as desculpas não buscam melhorar sua situação, apenas mostrar que ele se arrepende. "Só quero reiterar que eu lamento meu crime", afirma Chapman à junta judicial que decide sobre liberdade condicional no Centro Correcional de Wende, em Nova York. "Não tem desculpa. Fiz isso foi pela glória pessoal. Acho que é o pior crime que pode acontecer contra alguém inocente", completa.

Chapman também deu mais detalhes de sua motivação na época. Lennon "era extremamente famoso. Eu não o matei por causa de sua personalidade ou do tipo de homem que ele era. Ele era um homem de família. Era um ícone, alguém que falava sobre coisas sobre as quais podemos falar agora, e isso é ótimo", afirma. Em suas próprias palavras, Chapman afirma que o matou "porque ele era muito, muito, muito famoso", continua. "Eu estava muito, muito, muito em busca de glória pessoal, algo muito egoísta", completa.

Publicidade
continue a leitura

Yoko Ono não aceita as desculpas de Chapman

Em 2015, Yoko Ono falou sobre o caso. Com isso, ela contestou todas as tentativas de liberdade condicional de Chapman. Para ela, Chapman representa um risco para a sociedade e, inclusive, um risco para ela mesma. "Uma coisa que eu acho é que ele poderia fazer isso de novo, matar outra pessoa. Pode ser eu, pode ser o Sean, pode ser qualquer um, então existe essa preocupação", afirma a artista japonesa. Junto com John Lennon, Yoko teve um filho, Sean Lennon, que está com 44 anos e também é músico.

Publicidade
continue a leitura

Ao final da audiência, Chapman pediu desculpas mais uma vez a Yoko. "Quero acrescentar e enfatizar que foi um ato extremamente egoísta. Lamento a dor que causei a ela. Penso nisso o tempo todo", acrescenta. De toda forma, Justiça americana continua negando a liberdade de Chapman sob o argumento de que isso "seria incompatível com o bem-estar da sociedade", segundo informações da agência Press Association.

Na época do crime, Chapman tinha 25 anos. Hoje, ele tem 65 e é casado com uma mulher que mora próximo à prisão. Além disso, Chapaman se define como um homem profundamente religioso e um "cristão devoto". Para sua própria segurança, Chapman vive em uma área restrita do presídio, do qual já está há oito anos. Dessa forma, ele ainda trabalha como porteiro nessa parte da prisão.

Publicado em: 16/10/20 12h52