Há séculos, um mistérios cerca o propósito da construção dos monólitos famosos, e muito enigmáticos da Rapa Nui. No entanto, será que, depois de tanto tempo, esse mistério teria chegado ao fim? Se essa teoria estiver correta, a resposta é positiva.

Recentemente, novas pesquisas podem sugerir que as enormes estátuas foram construídas, para incentivar a fertilização do solo, em tempos difíceis. Por isso, com a chegada da seca, essas más condições do solo tornavam a produção agrícola um tanto quanto desafiadora.

A Ilha da Páscoa já foi um local de produção agrícola

Publicidade
continue a leitura

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, situados no Instituto Cotsen de Arqueologia e Projeto da Estátua da Ilha da Páscoa (EISP), concentraram seu trabalho para esse estudo. Com isso, eles trabalharam juntos, em um local de escavação em Rano Raraku, um pedreira, no lado leste da Ilha da Polinésia. Para se ter uma ideia, apenas nessa região, estão cerca de 95% das estátuas de Moai. Dos 21 Moai descobertos em posição vertical, apenas dois foram escolhidos para serem analisados. Isso porque sua localização significava que eles foram cuidadosamente escolhidos para, mesmo após a pesquisa, permanecerem na pedreira.

Após o estudo, as gravuras existentes, nas costas dessas duas estátuas, reforçaram ainda mais a teoria. Dessa forma, uma análise química do solo mostrou evidências de restos de banana, batata-doce, entre outros vegetais. Assim, tudo isso poderia levar os cientistas a continuarem acreditando que a pedreira pode ter sido um local ideal, para o cultivo agrícola.

Publicidade
continue a leitura

"Quando recuperamos os resultados, eu continuei dando uma nova olhada", disse Sarah Sherwood, uma especialista em geoarqueologia e solos. De fato, "havia realmente altos níveis de coisas que nunca imaginaria que existissem, como cálcio e fósforo. A química do solo mostrou altos níveis de elementos essenciais para o crescimento das plantas e essenciais para altos rendimentos".

O lugar ideal para o cultivo

Esses solos não apenas eram os mais ricos da ilha, mas também por conta de sua localização, a pedreira abrigava um lago, alimentado pela água da chuva. Dessa forma, a água e o solo transformariam o local, na área ideal para o cultivo do solo. Enquanto isso, outras regiões estavam sofrendo, por conta da falta de nutrientes do solo. Mas aqui, as populações indígenas pareciam plantar várias culturas, na mesma área, como uma forma de diversificar a produção, e ainda, preservar a fertilidade do solo.

Publicidade
continue a leitura

De acordo com o estudo, "em outros lugares da ilha, o solo estava rapidamente se desgastando, corroendo e sendo drenado de elementos que alimentavam as plantas. Mas na pedreira, com seu influxo novo, de pequenos fragmentos da rocha gerada pelo processo de extração, existe um perfeito sistema de retorno de água, tudo utilizando fertilizantes naturais e nutrientes", acrescentou Sherwood.

Rapa Nui, também conhecida como Ilha da Páscoa, tem seus mistérios ainda em aberto. Contudo, esse estudo altera totalmente a ideia que se tinha da estátuas. Antes, acreditava-se que as estátuas estavam de pé, apenas para aguardar o transporte para fora da pedreira. Assim, esses "totens" eram mantidos no local, como uma forma de garantir a natureza sagrada da própria pedreira. Mas agora, com o que sabemos, tudo pode ser mudado.

Publicado em: 23/12/19 01h58