Cientistas encontram "escudo invisível" a milhares de quilômetros da Terra

POR Rafael Miranda    EM Sem categoria      17/12/14 às 18h46

O trabalho de uma equipe de pesquisadores da Universidade do Colorado em Boulder, nos EUA, se deparou com a descoberta de um escudo invisível. Situado a 12 mil quilômetros da Terra, ele a protege dos chamados "elétrons assassinos", ou seja, as partículas que circundam o nosso planeta a uma velocidade próxima a da luz e que representam uma verdadeira ameaça para astronautas, satélites e sistemas espaciais durante as tempestades solares.

"Sinceramente, quando vimos esta "barreira" persistente que atuava contra os elétrons altamente energéticos na magnetosfera da Terra, ficamos totalmente perplexos e desconcertados. Era como se as rajadas de elétrons se chocassem contra uma parede de cristal no espaço", afirma o professor Daniel Baker, responsável pelo estudo.

Esse escudo, no melhor estilo Star Trek, está localizado no interior dos cinturões de Van Allen, um par de anéis de elétrons e prótons de altíssima energia, descobertos pelo professor James Van Allen em 1958. Sobre isso, Baker explica que os cinturões reagem às mudanças de energia procedentes do Sol. Enquanto os especialistas tentam explicar as origens do escudo, uma das hipóteses mais prováveis diz que sua origem é influenciada pela plasmasfera, a gigantesca nuvem de gás frio que se estende por milhares de quilômetros ao longo do cinturão de Van Allen.

Cientistas procuram explicação

33

 

Até agora, os cientistas achavam que esses elétrons de alta energia, que circulam em torno do nosso planeta a mais de 160 mil quilômetros por segundo — ou mais da metade da velocidade da luz —, fossem lentamente atraídos em direção às camadas mais altas da atmosfera da Terra, onde então seriam gradualmente absorvidos pelas moléculas do ar. Mas a barreira aparentemente impenetrável detectada pelas sondas impede até que eles cheguem tão perto.

Diante disso, os pesquisadores analisaram uma série de cenários que poderiam explicar como este escudo foi criado e se mantém. O primeiro suspeito foi o próprio campo magnético da Terra, cujas linhas de força aprisionam os elétrons e prótons capturados do vento solar e de outros processos astrofísicos nos Cinturões de Van Allen, fazendo com que eles "quiquem" de um polo ao outro.

Essa explicação, porém, foi descartada diante do fato de que, mesmo sobre a chamada Anomalia do Atlântico Sul — um "buraco" no campo magnético perto da costa oriental da América do Sul onde ele é cerca de 30 vezes mais fraco do que em qualquer outra região de nosso planeta e poderia servir como passagem para que os elétrons de alta energia atingissem a atmosfera —, essas partículas mantiveram a respeitosa distância limite de cerca de 11 mil quilômetros.

Já outra explicação envolveria a ação de transmissões de rádio de longo alcance e baixa frequência feitas pela própria Humanidade e que alguns cientistas propuseram serem capazes de "expulsar" grande parte dos elétrons de alta energia das proximidades do nosso planeta. Mas, embora essas transmissões tenham se mostrado realmente capazes de "vazar" até alta atmosfera, os dados das sondas da Nasa revelaram que as ondas de rádio só afetam elétrons com energias moderadas, e não os que viajam a velocidades mais próximas à da luz.

Assim, os pesquisadores se voltaram para a chamada plasmasfera, a gigantesca e tênue nuvem de gases frios e ionizados que se espalha em torno da Terra a partir de uma altitude de cerca de mil quilômetros até algumas dezenas de milhares, para além do Cinturão de Van Allen externo. Segundo os cientistas, ondas magnéticas de baixa frequência produzidas pela plasmasfera, tal como o "chiado" em uma transmissão de rádio, seriam as responsáveis por desviar os elétrons de alta energia, "erguendo" o escudo.

 

Rafael Miranda
Jornalista viciado em memes e amante da cultura pop.

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+