Para muitos, a imperatriz viúva Cixi entrou para História como uma déspota. Por quê? Em suma, Cixi deu um golpe para assumir o maior cargo de seu país e foi a responsável pelo massacre dos boxers, no começo do século XX.

Mesmo cometendo alguns atos hediondos, Cixi foi a responsável por promover uma era de modernização no país. A atitude da imperatriz viúva contrariava totalmente a vontade de seu falecido marido. Além disso, a modernização, a qual promoveu, sempre foi creditada aos homens que a rodeavam, mas não a ela.

Mesmo que tenha contado com a consultoria de nomes ilustres, como Lord Salisbury, primeiro-ministro da Grã-Bretanha, as decisões, que modernizaram a China, foram tomadas única e exclusivamente pela imperatriz.

História

Cixi nasceu em 1835, no clã Yehenara. Seu pai era administrador. Os Yehenara, clã governante da dinastia Qing, eram etnicamente manchu, o que lhes dava status especial. Ainda que não possuísse uma educação formal, aos 16 anos, Cixi impressionou o imperador Xianfeng, durante a seleção para consortes.

Publicidade
continue a leitura

Em suma, tal seleção definia quem seriam as concubinas do imperador. Para ser selecionada, a candidata precisava desfilar para o imperador. Dessa maneira, ele escolheria as que mais lhe agradavam.

Ser selecionada mudou a vida de Cixi para sempre. Afinal, ser concubina era prestígio. Era também a maneira mais viável de tornar-se imperatriz.

Mesmo sendo sinônimo de status, havia, entre as concubinas, uma hierarquia. Cixi estava entre as mais baixas, possivelmente entre a sexta à oitava posição.

Posição de poder

Foi somente em 1856, depois de dar à luz a seu único filho e herdeiro, é que Cixi garantiu influência na corte do imperador. Logo, ela tornou-se segunda mulher mais alta do ranking no palácio. No entanto, seu próprio filho pertencia oficialmente à sua superiora, a imperatriz Zhen, também conhecida como imperatriz oficial.

Publicidade
continue a leitura

Em 1861, o imperador Xianfeng morreu. Sua morte deixou o império em uma posição precária. Como a morte do imperador Xianfeng tornava o filho de Cixi o sucessor natural ao trono, Cixi recebeu o título de imperatriz viúva. Foi exatamente nesse contexto, que Cixi iniciou sua consolidação no poder.

Entretanto, como o menino ainda não tinha idade suficiente para assumir o trono, oito regentes foram nomeados para governar em nome dele. Para tirar de cena os oito regentes, Cixi, juntamente com Zhen, a imperatriz oficial, articulou um plano.

Ambas uniram forças e acusaram os regentes de as terem maltratado, assim como ao imperador menino. Para justificarem a denúncia, ambas disseram que os regentes haviam entrado no palácio sem autorização.

De acordo com a lei, na época, os regentes, por serem do sexo masculino, não podiam ter acesso ao local onde as imperatrizes viviam. Por isso, Cixi ordenou a prisão dos regentes. Sem os regentes, a imperatriz tinha todo o poder em suas mãos.

Obviamente, Cixi não governou de maneira oficial. Decretos eram emitidos em nome de seu filho, mas era ela quem tomava todas as decisões.

Publicidade
continue a leitura

Modernidade

Já no poder, uma das primeiras realizações de Cixi foi a remodelação das alfândegas do país, conhecidas por sua ineficiência e corrupção. Logo que “subiu” ao trono, a imperatriz viúva percebeu o potencial do comércio internacional, que tinha como principal centro Shanghai.

Devido a sua decisão, os países ocidentais agora podiam estabelecer enclaves ao longo da costa da China. Cixi também incentivou a adoção de tecnologia e orientação militar estrangeira.

Além disso, a imperatriz também promoveu mudanças na educação. As escolas ensinavam idiomas e ciências internacionais. Cixi também foi a favor da industrialização, embora se opusesse às ferrovias, dizendo que o barulho perturbava os mortos.

O período em que a imperatriz esteve no trono, direta ou indiretamente, foi repleto de momentos dignos de um dramalhão e que acabaram mudando os rumos da China.defendendo uma monarquia limitada.

Publicado em: 16/10/19 20h28