Localizado ao sul da Islândia, Heimaey é a maior das Ilhas Westman. Assim, o local que é habitado sobretudo por papagaios-do-mar é considerado um dos locais que mais venta na Europa. E claro, esse vento é acompanhado de temperaturas baixíssimas. Dessa forma, nos questionamos, nessas condições, como um ser humano pode sobreviver ao frio extremo?

Em 12 de março de 1984,  Guðlaugur Friðþórsson, de 23 anos, foi resgatado do sul de Heimaey. Ao ser encontrado, o jovem estava descalço e com os pés sangrando e com cortes. Suas roupas, estavam ensopadas de água do mar e congeladas a seu corpo. De fato, Friðþórsson deveria ter morrido, mas isso não aconteceu. Por quê?

Ele estava quase congelando

Publicidade
continue a leitura

Na noite, a temperatura era de -2?°C, mas por conta dos ventos fortes, a sensação térmica era de ainda mais frio. Com isso, Friðþórsson fez uma pausa em sua aventura, pegou um pouco de gelo e o quebrou, bebendo-o como se fosse água. Realmente, pode parecer estranho beber água gelada em uma situação como essas, mas, isso foi uma das coisas que salvou Friðþórsson.

Sem dúvida, a desidratação é uma das maiores preocupações que devemos ter em ambientes frios. Isso acontece porque, uma vez que o estamos em temperaturas baixas, naturalmente, estamos em um local extremamente seco. É por isso que, quando estamos no frio, sai uma fumaça de nossa boca. Na verdade, aquilo é vapor condensado e um fluido vital para os pulmões.

Publicidade
continue a leitura

No frio, também temos a sensação de que estamos hidratados, mas isso não é verdade. Com o tempo, a respiração se torna mais pesada e podemos também adquirir desidratação. "Você costuma ver muitos problemas no frio agravados pela desidratação", afirma Mike Tipton, professor de fisiologia da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido. Contudo, como a desidratação de  Friðþórsson não foi das maiores, o foco do problema estava em outros locais. Com o risco de hipotermia, sua temperatura corporal já estavam em menos de 35%.

Como burlar o frio?

Publicidade
continue a leitura

Ao se exercitar com os movimentos da trilha, Friðþórsson conseguia regular a temperatura interna de seu corpo. Entretanto, como ele parou para beber água, seu corpo parou de queimar calorias. "Um homem no frio não é necessariamente um homem com frio", afirma Tipton. "Se você continuar se movendo e estiver minimamente isolado, produzirá calor suficiente para se aquecer. E quando você se exercita com intensidade razoavelmente alta, pode fazer isso de bermuda e camiseta no frio", completa o pesquisador.

Em altitudes mais altas, realizar esse tipo movimentação é mais difícil. Portanto, muitos alpinistas recomendam dar apenas um passo de cada vez. Além disso, é sempre complicado analisar esse tipo de situação, ainda mais quando existe uma situação de emergência. Desse modo, ao não sabemos ao certo o real impacto desse tipo condição nos seres humanos. Mas, o que sabemos é que, no futuro, poderemos ter mais certeza do que, de fato, nos faz sobreviver ao frio extremo. De toda maneira, não vá se arriscar por aí sem saber o que está fazendo. Podemos sobreviver a esse tipo de condição extrema, mas nem sempre isso é possível.

Publicado em: 21/09/20 00h14