Sendo considerado um dos maiores traficantes de drogas do Rio de Janeiro, Elias Maluco, ou Elias Pereira da Silva, foi encontrado morto hoje (22/09). Ele estava na Penitenciária Federal em Catanduvas, na região oeste do Paraná. Pelo que sabemos, o corpo foi encontrado com sinais de enforcamento. Entretanto, ainda é muito cedo para confirmar a causa da morte e, em breve, teremos mais informações oficiais.

Sua morte foi confirmada pelo Depen (Departamento Penitenciário Nacional). Ainda segundo o órgão, o local da morte de Elis irá passar por uma perícia da Polícia Federal e, após a perícia, seu corpo será levado para o  Instituto Médico-Legal (IML) de Cascavel, na região oeste do estado. Em vida, Elias Maluco ficou conhecido por seus métodos bárbaros com que matava pessoas. Dessa forma, desde que foi preso, em 2002, Elias ficou em presídios federais de segurança máxima.

Ele havia sido condenado pela morte do jornalista Tim Lopes

Publicidade
continue a leitura

Em junho de 2002, o Comando Vermelho, a facção comandada por Elias Maluco sequestrou o jornalista Tim Lopes, o torturou e o matou. Tudo porque, ele estava realizando uma reportagem sobre abusos sexuais de menores de idade e também, sobre o tráfico de drogas nos bailes funk da Vila Cruzeiro, na Penha, zona norte do Rio de Janeiro. E claro, isso não agradou Elias e outros traficantes da região. Assim, o corpo de Tim Lopes foi carbonizado em uma fogueira de pneus. Desse modo, o corpo somente foi reconhecido após exame de DNA.

Com a morte do jornalista, a polícia fluminense realizou uma operação de mais de 50 horas e, após três meses do assassinato, Elias foi encontrado. Ele estava detido na favela da Grota, no Complexo do Alemão. Ao chegar no local, a polícia encontrou o traficante em uma casa de idosos e, sem troca de tiros, Elias foi detido em setembro de 2002.

Publicidade
continue a leitura

No mesmo ano, Elias foi condenado por tráfico de drogas e associação com o tráfico. Mas, somente em 2005, Elias foi sentenciado pelos crimes de homicídio, formação de quadrilha e ocultação de cadáver no caso Tim Topes, dos quais lhes renderam 28 anos e seis meses de prisão. Alguns anos depois, em 2013, ele foi condenado novamente. Dessa vez, por lavagem de dinheiro, recebendo mais 10 anos, sete meses e 15 dias de prisão.

É possível que ele tenha sido assassinado ou cometido suicídio

Publicidade
continue a leitura

Segundo investigações do MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) e da Polícia Civil, Elias Maluco era dono do tráfico de todas as favelas comandadas pelo Comando Vermelho na Baixada Fluminense. No entanto, dentro da facção, ele estaria abaixo apenas de Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP. Atualmente, Marcinho está preso na Penitenciária Federal de Catanduvas, mesma unidade de Elias. Além disso, semanas atrás, Marcinho havia tomado a liderança que antes era de Elias Maluco. Logo, isso pode levantar mais questões sobre o caso.

Ainda segundo as investigações, somente na Baixada Fluminense, o faturamento com o tráfico de drogas era de R$ 7,2 milhões. Dessa forma, cerca de 20% do lucro era destinado às lideranças da facção. Para assistentes sociais, Elias Maluco cometeu suicídio. Entretanto, com todas as reviravoltas do caso, isso ainda é incerto e somente o inquérito poderá afirmar o que, de fato, aconteceu.

Publicado em: 22/09/20 21h25