É claro que ninguém nunca viu um dragão. Até porque esses monstros não existem. Mas isso não impede que todos nós saibamos exatamente como eles são fisicamente. Muito antes de produções de Hollywood, esses animais já faziam parte do nosso imaginário. Seja por meio de histórias e lendas, que foram passadas de geração a geração, ilustrações ou pinturas de livros. Tudo isso foi o suficiente, para fazer dos dragões uma lenda viva mais do que real.

Eles foram retratados em várias histórias das mais variadas formas. Em algumas, eles são pensados como animais úteis e protetores. Enquanto outros são perigosos e intimidadores. Seja como for a personalidade deles, o tempo passa e eles continuam cativando a imaginação de todos.

Esses répteis alados evocam um passado misterioso e lendário, e estão tão enraizados, em nosso imaginário, que, às vezes, é como se eles fossem reais. E não restam dúvidas de que os dragões chamam muito mais a atenção do que muitos animais incríveis, que realmente existem. Por isso, querer vê-los de verdade é como um sonho se tornando realidade.

Animal

Publicidade
continue a leitura

Uma quase realidade é o lagarto-tatu adulto, habitante de regiões desérticas do sul da África. O animal mede entre 15 e 20 centímetros de comprimento. Ele é tão pequeno que sua fofura aumenta. Além disso, ele se parece com um filhote de dragão.

Além de tudo isso, a característica que chama mais atenção no lagarto-tatu é o seu mecanismo de defesa. Quando esse pequeno animal sente que está ameaçado ele morde a ponta da sua própria cauda e se enrola todo no formato de bolinha de escamas pontiagudas.

Publicidade
continue a leitura

Quando esse lagarto está em sua posição de proteção, ele protege sua barriga que, ao contrário do seu corpo, é macia porque não  tem escamas. Esse animal é capaz de ficar na posição de proteção por até uma hora. Ele fica assim até que o perigo desapareça.

A dieta do lagarto-tatu é basicamente feita de insetos, principalmente, cupins e pequenos invertebrados. E ele é uma das poucas espécie de répteis que não bota ovos.

Comportamentos

Publicidade
continue a leitura

A fêmea dessa espécie dá à luz apenas a um ou dois filhotes por ano. E o tempo de gestação dela é de seis a oito meses. E ao contrário da maior parte dos grandes répteis, o lagarto-tatu cuida de seus filhotes e pode ficar até um ano os alimentando.

Esses não são os únicos comportamentos interessantes e incomuns do lagarto-tatu. Outra coisa incomum deles é a formação de comunidades. Essa espécie é considerada uma criatura social e raramente é vista sozinha na natureza.

Publicado em: 23/10/20 15h14