Há muito tempo, o mundo todo discute se a cannabis ou maconha, como é mais conhecida, deve ou não ser legalizada. E este é um assunto que sempre divide opiniões. Por mais que a maconha tenha sido usada durante muito tempo como uma erva medicinal, principalmente com função de analgésico, ela tem seu uso proibido em alguns países. Já que também é utilizada como instrumento de fumo por muitas pessoas. E isso é considerado algo nocivo para a saúde humana. Mesmo assim ela é e foi usada largamente por diversas figuras e culturas. Como Shakespeare, Joana d'Arc, os faraós egípcios, George Washington e até mesmo o explorador Colombo.

Mas, em alguns países, ela já foi descriminalizada e remédios à base da planta ou de seu extrato são comercializados. O canabidiol, por exemplo, é uma substância que é extraída da planta de maconha. Essa substância é usada no tratamento de doenças psiquiátricas ou neurodegenerativas, como por exemplo a esclerose múltipla, esquizofrenia, mal de Parkinson, epilepsia ou ansiedade.

Os componentes presentes na maconha também ajudam no tratamento da dor, alívio de náuseas e vômitos causados por quimioterapia, estimulam o apetite em pacientes com AIDS ou câncer. Eles também podem auxiliar no tratamento da obesidade, ansiedade e depressão. Além de diminuir a pressão intraocular, algo muito útil nos casos de glaucoma.

Com o passar do tempo, o uso da maconha do âmbito  medicinal tem ganhado mais espaço em vários lugares do mundo. E claro que para se ter o uso da planta, plantações tem que existir.

Na plantação de Colin Sullivan, em Fredericton, capital da província canadense de New Brunswick, ele encontrou algo estranho. O homem encontrou um rato totalmente doido no meio da sua plantação de maconha. Logo que encontrou o animal Sullivan o socorreu. E reabilitou o ratinho do seu “vício” em uma “clínica” que foi especialmente criada para o animal.

“Por dois dias seguidos eu peguei este pequeno maconheiro tirando folhas da minha planta, comendo até desmaiar. Ele está sem uma orelha, então pode ser automedicação para seu distúrbio estresse pós traumático. Mas eu ainda acho que é hora de uma intervenção. Vou deixá-lo dormir agora, mas quando ele acordar, ele está falando sério”, escreveu o homem em seu Facebook.

Publicidade
continue a leitura

Sullivan publicou as fotos do ratinho totalmente passado em sua página do Facebook, em setembro. Elas foram tiradas em momentos diferentes e mostram vários estados de torpor e alerta do rato enquanto ele se alimentava. Como é visto nas fotos abaixo.

Drogado

Comendo maconha

Novamente chapado

Publicidade
continue a leitura

Acordado e comendo a maconha mais uma vez

O homem resgatou o rato do seu vício e explicou em outro post a situação do animal.

“Portanto, foram alguns dias difíceis para nosso amiguinho doidão aqui. E, apesar de uma dor de barriga e um caso terrível de larica, acho que ele terá uma recuperação completa. A dose dele foi reduzida para uma folha média por dia e ele parece estar se adaptando bem. Um dia de cada vez, meu amigo, um dia de cada vez”, escreveu.

Publicidade
continue a leitura

Se recuperando em sua “clínica”

Recuperado

Depois de ter passado esses dias sob os cuidados de Sullivan, o homem fez seu último post a respeito do rato.

“No Roedor para Redenção!!! Depois de uma longa e desesperada batalha contra o vício, esse ratinho ralou na luta, pegou as sementes e os caules e está pronto para se mandar. Toda sua recuperação foi baseada em arrancar ervas e se recompor para dissipar a fumaça da vida de qualquer viciado. Ele fez seu melhor e foi premiado com sua primeira medalha do programa 12 Passos. Posso ter sido eu quem abriu sua gaiola, mas foi ele quem se libertou. Adeus meu amigo, até nos encontrarmos novamente”, finalizou.

Publicado em: 16/09/20 15h09