E quem de vocês ousaria afirmar que Einstein estava errado em alguma de suas teorias? Bom, no mês de dezembro de 1936, Einstein resolvei escrever para a revista Science para poder publicar alguns pequenos cálculos que tinha feito a pedido de um astrônomo. Tal astrônomo se chamada Rudi Mandl, e ele fez uma visita a Einstein para contar sobre a sua teoria de dizia que as estrelas atuam como lupas que concentra a luz de outras, e que o excesso de radiação poderia ter causado a extinção dos dinossauros. Einstein olhou a sua teoria no papel e descreveu o fundamento físico por trás do fenômeno.

Segundo a teoria da relatividade, a massa de uma estrela curca o espaço e o tempo a sua volta, e sendo assim, os fótons de outra estrela, alinhado exatamente atrás, desviam e se concentram para formar um círculo de luz em torno da estrela, e segundo Einstein, era impossível observar esse fenômeno. Já leu a nossa matéria com as 7 lições de vida que todo mundo deveria aprender com Albert Einstein?

Mas é aí que Einstein se engana, pois essa semana foi publicado um estudo de um grupo de astrônomos que trabalha com o efeito óptico, mais conhecido como lente gravitacional, e conseguiram medir pela primeira vez a massa de uma estrela. No caso, trata-se de uma anã branca que também era objeto de outra polêmica ente astrofísicos, que falava sobre a relação entre raio e a massa das estrelas. A descoberta valei o prêmio Nobel de Física ao indiano Subrahmanyan Chandrasekhar, ainda em 1983.

Publicidade
continue a leitura

Mas vamos voltar ao que importa. O estudo que foi divulgado recentemente descreve uma lente gravitacional assimétrica que ocorre quando duas estrelas não estão alinhadas, e isso nunca havia sido observado fora do Sistema Solar. Einstein previu que a estrela do fundo iria desviar de sua localização original por causa da deformação do espaço e do tempo causada pela estrela da frente.

E foi com essas informações que a equipe de Kailash Sahu, no centro de operações científicas do telescópio espacial Hubble, conseguiu achar entre 5 mil estrelas dois astros desalinhados. Três anos atrás, a estrela anã Stein 2051 B ficou na posição ideal, e com referência no fenômeno descrito por Einstein, a equipe conseguiu medir a massa dessa estrela. O resultado? A massa é dois terços da massa do sol.

Publicidade
continue a leitura

Mas a sua massa não importa, o que realmente tem destaque é que a equipe conseguiu fazer isso sem analisar o incremento de luminosidade decorrente dos dois astros ao se alinharem, algo que é indetectável para o Hubble. O home que discutiu com Einstein morrem em Los Angeles, em 1948, depois de passar muitos anos lavando pratos e tentando ser um grande inventor, porém, suas lentes gravitacionais são usadas constantemente em astronomia para medir massas e outras coisas, como matéria obscura, por exemplo.

Publicidade
continue a leitura

Mas e você, já tinha imaginado que até o gênio Einstein poderia errar? Comente!

Publicado em: 14/06/17 18h56