Nosso planeta já tem seu longo período de existência e já passou por várias mudanças. Uma delas, que os pesquisadores consideram uma das mais drásticas, é a mudança climática.

Isso vem afetando o mundo de várias maneiras diferentes. E talvez, caminhe para um ponto onde se torne cada vez mais difícil a nossa existência.

E o aquecimento global está fazendo com que os oceanos fiquem mais estáveis. Isso, segundo uma pesquisa publicada por cientistas do clima, aumenta as temperaturas da sua superfície e diminui o carbono que eles conseguem absorver. Em suma, eles alertam que isso tem implicações profundas e preocupantes.

As mudanças climáticas aumentaram as temperaturas da superfície no mundo todo. Então, isso levou a uma instabilidade atmosférica. Além disso, amplificou os eventos climáticos extremos, como por exemplo as tempestades.

Oceanos

Publicidade
continue a leitura

Entretanto, nos oceanos, essa temperatura mais alta tem um efeito diferente. Ela desacelera a mistura entre a superfície que está em aquecimento com as águas mais frias e ricas em oxigênio que estão embaixo.

Isso significa que menos águas profundas estão subindo na direção da superfície levando oxigênio e nutrientes. E nisso, a água da superfície absorve menos dióxido de carbono atmosférico.

No relatório, publicado na revista "Nature Climate Change", a equipe internacional de cientistas disse que a estratificação global aumentou 5,3%. Em síntese, resultado entre 1960 e 2018. E a maior parte dessa estabilização aconteceu na direção da superfície. E o maior culpado foi o aumento de temperatura.

 

Temperatura

Publicidade
continue a leitura

Além da temperatura, os cientistas disseram que o derretimento do gelo marinho também é um dos culpados. Já que isso significa que mais água doce, que é mais leve que a salgada, se acumula na superfície dos oceanos.

De acordo com Michael Mann, professor de ciências climáticas da Pennsylvania State University e coautor do estudo, a "descoberta aparentemente técnica tem implicações profundas e preocupantes". Dentre elas, estão a condução de furacões bem destrutivos e intensos à medida que a superfície do oceano esquenta.

Outro fator que Mann ressaltou foi a diminuição na quantidade de CO2 absorvida. Isso pode significar que a poluição de carbono se acumula mais rápido do que é esperado na atmosfera.

Ele disse que os modelos climáticos tem a mania de subestimar com frequência essa estratificação dos oceanos. E eles também podem subestimar o impacto que ela tem para o mundo como um todo.

Publicidade
continue a leitura

 

Impacto

Com as águas da superfície mais quentes e com menos oxigênio, a vida marinha também sofre. Absorvendo um quarto do CO2 produzido pelos seres humanos e mais de 90% do calor gerado pelos gases do efeito estufa, os oceanos mantém sua população viva mas com um custo terrível.

Os oceanos estão cada vez mais ácidos. Basicamente, isso diminui ainda mais a sua capacidade de absorver CO2. As ondas marinhas de calor estão destruindo recifes de coral e acelerando o derretimento das geleiras e mantos de gelo. Por conta disso, tudo isso faz com que o nível do mar aumente.

Posteriormente, em 2019, uma pesquisa foi publicada no periódico "Proceedings of the National Academy of Sciences dos EUA" tinha calculado que a mudança climática esvaziaria o oceano de quase um quinto de todas as suas criaturas vivas até o fim do século.

Publicado em: 05/10/20 17h26