Curiosidades

Pela primeira vez em 10 anos, vacina contra o HIV chega na fase final de testes

0

No mundo, cerca de 37 milhões de pessoas convivem com o vírus da Imunodeficiência Humana, o HIV. Muitos países oferecem tratamento para a prevenção e para as pessoas que já convivem com vírus. Entretanto, não existe nenhuma vacina para isso.

O vírus do HIV é extremamente ágil no que tange a sua mutação, podendo se alterar a ponto de se tornar irreconhecível. E por isso, muitos dos esforços para se produzir uma vacina acabaram sendo limitados.

Felizmente, pela primeira vez em 10 anos, um protótipo de vacina contra o HIV chegou a sua última etapa dos ensaios clínicos, conhecida como fase 3. Depois disso é que deve ser determinado se ela realmente protege contra a transmissão do vírus, que quando não tratado causa a AIDS.

Vacina

A vacina foi desenvolvida pela Janssen e usa a mesma tecnologia que a farmacêutica usou para o sua vacina contra o COVID-19. Que é um adenovírus modificado  para transportar o DNA de suas proteínas mais representativas até o interior das células das pessoas. Isso faz com que o organismo crie anticorpos contra elas.

Na realidade, são duas vacinas. Uma codificada com três proteínas, e uma outra com quatro. Essas duas vacinas superaram os estudos de segurança. E foi visto que elas criam anticorpos. Agora, o que falta saber é se elas funcionarão em condições reais.

Segundo Antonio Fernández, pesquisador da Janssen, esse ensaio clínico da fase 3 irá durar entre 24 e 36 meses. Nesse tempo, será verificada a permanência e intensidade de proteção.

A tentativa anterior a essa, para uma vacina contra o HIV, acabou em 2009. O fim aconteceu depois que foi visto que ela só evitava 30% das infecções.

Um dos médicos que vão participar do teste, e começou a recrutar voluntários, é José Moltó, da Fundação de Luta Contra a AIDS (FLSida, na sigla em espanhol), com sede em Barcelona. Ele diz que essa demora para o  desenvolvimento de uma vacina contra o HIV é por conta de ele ter uma variabilidade enorme.

“Ao ser pressionado pelas células do sistema imunológico, ele muda de aparência externa e escapa”, explicou.

Futuro

 

Essa nova vacina se dirige a diferentes variantes das proteínas. Isso faz com que  fique mais difícil que ela fuja da ação dos anticorpos criados. Isso é uma coisa parecida, mas em outro nível, como o que aconteceu com os tratamentos antivirais há 25 anos. Eles começaram a ser eficazes quando vários deles foram combinados e conseguindo interromper o ciclo de replicação do vírus em diferentes pontos.

Os tratamentos atuais são bem sucedidos. E fazem com que, com apenas um comprimido por dia, o vírus seja mantido sob controle. E que ele fique tão reduzido, que a pessoa infectada não possa transmiti-lo para outra. Por melhor que eles sejam, eles também desaceleraram as pesquisas recentes para uma vacina.

Segundo Ramón Espacio, presidente da Coordenadoria Estatal de HIV e AIDS da Espanha (Cesida), se se conseguir que a vacina funcione com uma ou duas doses e que imunizem para a vida toda ou por um período de cinco anos “será mais confortável e mais aplicável para a população dos países pobres”.

“Pode-se conseguir um custo menor que o dos tratamentos. E pode ser mais fácil de administrar do que confiar que pessoas em lugares onde falta até água potável tomem um comprimido diário”, concluiu Fernández.

10 perfis divertidos e diferentes para seguir no Instagram

Matéria anterior

Aranhas no espaço mostram coisas estranhas que acontecem com as teias em microgravidade

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.