Qual é a origem da pinga?

POR A redação    EM Mundo Afora      30/06/14 às 23h22

Nos anos da escravidão no Brasil, para se fazer melado, os escravos colocavam o caldo da cana-de-açúcar em um tacho e levavam ao fogão a lenha. Não podiam parar de mexer até que uma consistência cremosa surgisse. Então a história diz que, certa vez um grupo de escravos cansados de tanto mexer a mistura e com muitos outros serviços ainda sem fazer, simplesmente decidiram parar de mexer, e ai o melado desandou. Sem saber o que fazer para que o feitor não visse o que tinham feito eles decidiram guardar o melado. Já no outro dia, encontraram a mistura completamente azeda e fermentada.

Ainda com medo que o feitor pudesse reparar que a quantidade não estava certa, não pensaram duas vezes e misturaram o tal melado azedo com o novo e levaram os dois ao fogo. Na verdade o 'azedo' do melado antigo era álcool que aos poucos foi se evaporando e formando no teto do engenho algumas goteiras que pingavam constantemente. Era a cachaça já formada que pingava. Dai veio o nome 'PINGA'. Quando a pinga batia nas costas marcadas pelas chibatadas dos feitores ardia muito, por isso deram o nome de 'ÁGUA-ARDENTE'. Caindo em seus rostos e escorrendo até a boca, os escravos perceberam que, com a tal goteira, ficavam alegres e com vontade de dançar. E sempre que queriam ficar alegres repetiam o processo.

Inicialmente, a pinga aparecia descrita em alguns relatos do século XVI como uma espécie de "vinho de cana" somente consumida pelos escravos e nativos. Entretanto, na medida em que a popularização da bebida se dava, os colonizadores começaram a substituir as caras bebidas importadas da Europa pelo consumo da popular e acessível cachaça. Atualmente, essa bebida destilada é exportada para vários lugares do mundo.

A redação
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+