História

Será que Hitler realmente se matou? Para o FBI ele morreu de velhice na Argentina

0

Muitos acreditavam que Hitler ter sobrevivido ao ataque russo era apenas mais uma inusitada teoria da conspiração. Mas o FBI afirma que não. Segundo documentos divulgados pelo próprio órgão, o ditador nazista indicam que Hitler conseguiu escapar com ajuda dos serviços de inteligência aliados.

O deslocamento para a argentina não era nenhuma novidade, o tenente-coronel nazista  Adolf Eichmann também escapou da prisão e foi levado a Argentina para viver em tranquilidade com toda a família. O caso Eichmann ficou conhecido porque um comando do serviço secreto israelita, chamado Mosad, o descobriu e o levou contrabandeado para o Israel, onde ele seria julgado. O Mosad passou por cima de todas as leis de extradição do país latino.

hitler

Para o serviço secreto, a história de Adolf Eichmann se repetiu com Hitler, ou ao menos a primeira parte dela. De acordo com a história, quando os russos fecharam o cerco sobre o ditador, ele se negou a abandonar Berlim e se matou. O corpo de Hitler teria sido queimado no jardim da chancelaria, onde foi descoberto dias depois pelos soldados soviéticos que o levaram como troféu para Moscou.

O suicídio de Hitler não era questionado, até que em 2009 o arqueólogo Nicholas Bellatoni conseguiu uma autorização para realizar um teste de DNA nos fragmentos do crânio até então considerado do ditador, mas os resultados indicaram que o material genético do osso não pertencia a ele. Se aqueles não eram os restos mortais de Hitler, então o que aconteceu com ele?

Foi o que o FBI buscou selecionar. A rota de fuga do líder nazista foi reconstruída e o FBI notou que no dia 22 de abril, um dublê chegou no complexo em que Hitler vivia, ele, por sua vez, embarcou para a Áustria, de lá para a Espanha e do país teria ido de submarino até a Argentina.

Três meses após a guerra, dois submarinos alemães se renderam em Mar del Plata, na Argentina, eles provavelmente foram usados na fuga. Um informante, que teve a identidade mantida secreta nos documentos do FBI, afirma que foi o responsável por receber o ditador e a sua esposa Eva Braun assim que eles descessem do submarino e os levasse até uma residência nas proximidades de Bariloche.

submarino

A testemunha foi vital para dar andamento às investigações e forneceu vários detalhes sobre a fuga de Hitler. Além disso, o adjunto naval da embaixada norte-americana na capital da Argentina registrou em 1945 que o ditador nazista provavelmente escapou da Alemanha e foi viver na Argentina. Segundo informações, o governo de Perón teria montado uma logística para receber e acobertar nazistas com ajuda dos serviços secretos aliados.

Os aliados teriam recebido militares alemães em troca de informações sobre o exército vermelho, táticas de luta contra o comunismo e dados sobre o terreno da URSS, que seriam de alto valor em caso de conflito. Os militares nazista chegaram inclusive a ser recrutados para lutar contra o comunismo.

O informante do FBI teve as declarações consideradas verdadeiras, pois a pessoa teria grande crédito. Até o general Eisenhower, comandante supremo das tropas aliadas e, à época, um futuro presidente dos Estados Unidos, concordou que Hitler provavelmente estaria vivo e residindo na Argentina. A grande questão que paira no ar é: Se sabiam que Hitler estava vivo, por que não o prenderam?

Conheça 10 tecnologias que os Jetsons previram há 50 anos

Matéria anterior

Conheça os 10 melhores easter eggs do Google

Próxima matéria

Mais em História

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.