• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE

A síndrome da cabeça explosiva e sua relação com "fenômenos paranormais'

POR Isabela Ferreira    EM Mistérios & Horror      25/06/18 às 14h55

Você seria capaz de dizer até onde vai sua fé? Costuma acreditar em eventos paranormais? É do tipo de pessoa que insiste em dizer que vê espíritos de vez em quando? Ou pelo menos, escuta alguns barulhos que acontecem do nada, como se fosse uma manifestação sobrenatural? Bem, independente de suas respostas, existe algo que pode explicar ações do tipo, principalmente neste último caso.

Já ouviu falar sobre a síndrome da cabeça explosiva? É um tipo de distúrbio noturno que ocorre principalmente depois que as luzes já estão apagadas e você se deita em sua cama, acreditando que terá boas horas de descanso. Sim, a síndrome "escolhe" o pior momento possível para se manifestar. Dessa forma, é possível escutar repentinas explosões assim que o sono começa a chegar.

O barulho é tão forte que você simplesmente acorda, com o coração palpitando e eventuais faltas de ar. No entanto, não há fogos de artifício, nem armas de fogo disparando e muito menos bombas explodindo. De fato, é tudo coisa da sua cabeça.

A síndrome

Bem, já deu pra perceber que o nome da síndrome não é exatamente o que imaginamos logo de cara. Não há cabeças entrando em colapso e explodindo em uma chuva de sangue e ossos quebrados. Felizmente, esta é apenas uma desordem de sono que, embora seja bastante incômoda, não chega nem aos pés disso. Os afetados estão propícios a escutar barulhos imaginários súbitos, originados no interior da própria cabeça. Apesar disso, não existem relatos de que os indivíduos que sofrem do distúrbio sintam dores, mas despertam bastante assustados e confusos.

O episódio pode acontecer por diversas noites seguidas, ou até várias vezes na mesma noite. Em contrapartida, também pode ocorrer apenas eventualmente, fazendo com que a pessoa nem mesmo desconfie de que sofre do problema. Os fatores que afetam a frequência dos casos ainda são desconhecidos, uma vez que não existem muitas pesquisas sobre a doença que é considerada inofensiva. O primeiro a identificar o distúrbio foi o médico chamado Silas Weir Mitchell, no ano de 1876. Após analisar os sintomas, descreveu tudo como "choques sensoriais".

Relação da síndrome com fenômenos paranormais

Assim que adormecemos, há uma parte de nosso cérebro que está diretamente envolvida na consciência, chamada formação reticular do tronco cerebral, que começa a inibir nossas capacidades de visão, audição e movimento. Dessa forma, assim que a pessoa com o distúrbio escuta uma explosão, pode indicar um atraso nesse processo.

Ao invés de a formação reticular desligar os neurônios auditivos, eles podem acabar sendo disparados de uma só vez, provocando os intensos barulhos. Para aqueles que não possuem muitas incidências e que não tem conhecimento da doença, tais acontecimentos podem soar como fenômenos paranormais. É por isso que as vezes você pode ter a impressão de que escutou alguém quebrando algo na cozinha, por exemplo, e quando foi verificar estava tudo normal. Assim, além do susto ao acordar, ainda surge o medo de que uma entidade maligna possa estar por perto.

Portanto, se você passa por esse tipo de situação de vez em quando, o mais provável é que você sofra da síndrome da cabeça explosiva. Apesar de parecer preocupante, não há tratamento específico. Normalmente, os médicos apenas sugerem que o paciente deve regular melhor suas noites de sono.

Especificar um horário para ir deitar e outro para levantar pode ser a melhor solução, desde que você o mantenha em sua rotina. Também tente se livrar de tudo aquilo que te estressa e acima de tudo, desenvolva o hábito de praticar exercícios físicos. Assim, pode ser que dentro de pouco tempo você pare de "presenciar coisas sobrenaturais".

E então pessoal, o que acharam? Compartilhem suas ideias com a gente aí pelos comentários!




Matérias selecionadas especialmente para você

Isabela Ferreira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.
Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+