• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE


7 coisas diabólicas escondidas no vaticano

POR Isabela Ferreira    EM Mistérios & Horror      18/06/18 às 17h56

A Cidade do Vaticano é conhecida no mundo todo por ser considerado um local sagrado e sede da Igreja Católica. É o menor estado soberano do mundo, ficando sob a responsabilidade da Itália, enquanto que o Papa tem proteção da Guarda Suíça. Pode ser que você não conheça, mas a cidade possui o que chamam de Arquivos Secretos do Vaticano, que foi fundado em 1611 pelo Papa Paulo V.

Consiste em um repositório considerado extremamente seguro, onde são armazenados os documentos mais valiosos e antigos de toda a Igreja. O acesso é restrito, sendo que apenas funcionários autorizados do vaticano podem entrar, ainda assim, precisam de uma carta de recomendação. Como se não bastasse, ainda precisam mencionar o que exatamente precisam buscar ali dentro, mesmo sem saber ao certo o que podem encontrar.

Fato é que, tudo aquilo que é guardado sob todo esse sigilo, acaba levantando inúmeras suspeitas. Existe muito material oculto guardado ali dentro, o que leva muita gente a acreditar que conteúdo diabólico é escondido. Pensando nisso, nós aqui da Fatos Desconhecidos separamos abaixo 7 coisas diabólicas que podem estar escondidas no vaticano. Confere aí!

1 - Detalhes sobre a linhagem de Jesus

Embora a ideia de que Jesus tenha tido família e filhos não seja aceita pela comunidade cristã, vale considerar que pouco se sabe sobre o que aconteceu em sua vida desde a infância até seus 30 anos, pouco antes de ser crucificado. Dessa forma, pode ser que ele realmente tenha iniciado uma família, o que chega a levantar questões sobre sua linhagem.

Alguns teóricos alegam que o vaticano guarda a sete chaves arquivos que revelam tais informações. Afinal, se existisse alguém vivo que fosse descendente direto de Jesus, o Papa não teria função nenhuma como intermediador entre Deus e humanidade, uma vez que aquele também seria descendente da divindade. Isso traria enormes complicações para a igreja.

Mas também não seria tão simples assim. Considerando o período em que Jesus provavelmente viveu, estima-se que cerca de 600 mil a 1 milhão de pessoas poderiam ser seus descendentes, carregando algum traço biológico. De qualquer forma, a igreja se envolveria em um grande escândalo caso algo do tipo viesse à tona.

2 - O terceiro segredo de Fátima

Foi no ano de 1917, que três crianças tiveram a visão da Virgem Maria. Ficaram conhecidos então como "os pastorinhos de Fátima". Receberam três visões proféticas, onde a primeira e a segunda falavam sobre "A visão do Inferno" e "O imaculado coração de Maria", que descreviam sobre a destruição de almas pecadoras, em uma súplica para que a Rússia se convertesse aos ensinamentos da virgem. Caso contrariassem, trariam guerras e perseguições ao mundo. Bem, parece que foi certeiro. Ambos foram publicados no ano de 1941, mas o terceiro segredo ainda permaneceu em sigilo até o ano 2000.

Foi o Papa João Paulo II que decidiu revelá-la. Chamada de "Atentado ao Papa", a terceira profecia dizia que haveria uma batalha apocalíptica entre o bem e o mal, tendo o Papa como alvo principal. Apesar disso, muitos acreditam que essa não é a verdade sobre o mistério. O próprio Papa Bento XVI chegou a sugerir em 2010, que o verdadeiro segredo não havia sido revelado... Apesar de o vaticano o contradizer.

3 -  Artefatos extraterrestres

Pode parecer estranho, mas o vaticano está muito aberto à possibilidade da existência de vida extraterrestre. O Observatório do Vaticano, por exemplo, é utilizado para encontrar outros planetas parecidos com a Terra. E tudo indica que tal prática não é recente. Muito antes do Caso Roswell, ocorrido em 1947, o vaticano já colecionava artefatos extraterrestres e documentos técnicos que garantem  a engenharia de armas alienígenas.

Apesar de não existirem evidências físicas que comprovem a afirmação, os Arquivos do Vaticano tem exatamente o propósito de esconder informações para o qual o mundo ainda não está preparado. Um exemplo é o terceiro segredo de Fátima, que ficou escondido durante tanto tempo.

4 - O cronovisor

Declarações do Padre Ernetti, que morreu em 1992, chocaram o mundo. Ele afirmou ter visto os discursos de Napoleão, e até mesmo Jesus na Última Ceia, até o momento de sua crucificação. Mas como isso poderia ser possível, sendo que tais eventos aconteceram há tanto tempo? Bem, segundo seu relato, tudo foi possível graças a um dispositivo chamado cronovisor... Uma espécie de TV em que qualquer evento do passado poderia ser transmitido.

De acordo com o padre, o aparelho foi desenvolvido pelos cientistas Enrico Fermi, criador do primeiro reator nuclear, e Wernher von Braun, envolvido na criação dos primeiros foguetes espaciais. Dessa forma, foi publicada uma misteriosa "foto de Cristo", no ano de 1972, na revista italiana La Domenica del Corriere. Mas é claro, as informações levantaram enorme dúvidas.

E a evidência de que o dispositivo realmente existe teria sido destruída, após o Papa Pio XII e Benito Mussolini entrarem em um acordo, alegando que aquilo seria uma ameaça à humanidade. Ernetti e os cientistas teriam encerrado o projeto do cronovisor. Mas, alguns religiosos acreditam que o vaticano ainda tenha posse do dispositivo original.

5 - O Diabo

Gabriele Amorth, que faleceu em 2016, foi o mais antigo e famoso exorcista do vaticano. Ele realmente sabia reconhecer um demônio e alegava já ter tido a oportunidade de estar cara a cara com o próprio diabo. Segundo suas palavras: "Satanás é puro espírito, embora às vezes pareça um animal furioso". Usando um ritual do ano 1614, do Papa Paulo V, Armoth afirma ter conduzido o Diabo sob circunstâncias assustadoras.

Em 2010 ele virou manchete, alegando que o Satanás estava no vaticano. E tudo indica que ele não falava no sentido figurativo. Em sua opinião, os escândalos e corrupção que assolaram a igreja nos últimos anos tiveram relação direta com o senhor do submundo, que estava aprisionado por ali. O Papa Paulo VI chegou a dizer algo parecido em 1972, alegando que "de algum lugar, a fumaça de Satanás entrou no templo de Deus".

6 - Prova de que Jesus não foi crucificado

A crucificação de Cristo é um dos símbolos mais preciosos para os cristãos. Sem ela, diversos outros fatos acontecidos na Bíblia simplesmente perderiam o sentido. No entanto, segundo Michael Baigent, nada disso aconteceu... Pelo menos, não do jeito que conta o livro sagrado. Ao contrário do que você pode estar pensando, ele não nega a existência de Jesus, pelo contrário. Apenas diz que sua crucificação foi um fraude.

Isso mesmo. Para o autor, Jesus teria feito um acordo com Pôncio Pilatos, uma vez que era do interesse de Roma mantê-lo vivo, apesar de toda a pressão que recebiam para matá-lo. Isso porque Jesus teria instruído seus seguidores a pagar os impostos. Dessa forma, o melhor que poderiam fazer seria fingir uma crucificação.

Teriam então simulado o ato, fazendo com que os inimigos de Jesus ficassem satisfeitos, ainda a tempo de salvá-lo da morte. Novamente, não existem provas para a alegação, e Baigent chegou a ser odiado por muitos cristãos que souberam de sua teoria. No entanto, ele afirmava que a prova disso estava escondida em um importante documento desenterrado pelo padre francês Berenger Saunière. Pouco tempo após a descoberta, o padre ficou muito rico, o que sugere que ele vendeu a informação para o vaticano, que escondeu o documento.

7 - Prova de que o Papa Pio XII ajudou Hitler

Pio XII ganhou o apelido de "Papa de Hitler", uma vez que nunca condenou abertamente os nazistas. Apesar disso, o vaticano acredita firmemente que o papa nunca foi a favor. Alegam que ele chegou a espalhar panfletos pela Alemanha Nazi, condenado o regime sob uma perspectiva cristã, chegando a salvar cerca de 800 mil judeus do extermínio na Europa Oriental. Os encontros que ele tinha com os líderes nazistas, portanto, não seria para apoiá-los mas sim para responsabilizá-los.

Considerando tudo isso, até parece que o Papa Pio XII foi apenas o alvo de difamações fantasiosas. A não ser que deixemos de lado dois pontos: primeiro, o vaticano até hoje se recusa a divulgar provas da atuação do papa durante o Holocausto; segundo, pessoas que viveram na época e tiveram contato com ele, definitivamente acreditam que Pio XII ajudou Hitler a conquistar poder.

Bem, de qualquer forma é questionável o que realmente aconteceu e quais eram suas intenções. Talvez ele apenas tenha permanecido neutro em uma tentativa de resguardar a igreja. No entanto, o papa era realmente a pessoa mais influente da Europa naquele período. Se alguém tinha o poder de parar a loucura do nazismo, era ele.

E então pessoal, o que acharam? Compartilhem suas ideias com a gente aí pelos comentários!

Próxima Matéria
Isabela Ferreira
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+