Fatos NerdSéries e Sagas

7 razões para maratonar The End of The F**king World hoje mesmo

0

Quando a Netflix anuncia a temporada de uma série, é sinônimo de que a produção tem ótima audiência. Apenas alguns dias depois do lançamento, The End of The F**king World já tem a 2ª temporada confirmada. Se você já se deparou com um pôster da produção correndo pela Internet, deve estar se perguntando o porquê uma série adolescente conseguiu rapidamente tantos elogios.

Seguindo a história de James (Alex Lawther) e da novata do seu colégio, Alyssa (Jessica Barden), a dupla mostra a complexidade da vida adolescente. A série é intercalada com monólogos internos, onde James e Alyssa explicam seus verdadeiros medos e como eles percebem o mundo exterior – uma visão fascinante do espaço confuso da mente adolescente. Agora, mais interessante, misture isso com um assassinato no início do crime, e uma união de afeto verdadeiro de maneira humoristicamente escura.

Se você ainda não se convenceu, veja 7 razões para maratonar The End of The F**king World hoje mesmo:

1 – A história

https://www.youtube.com/watch?v=vbiiik_T3Bo

A adolescência é uma fase complicada da vida – mas isso é normal. E é exatamente essa mensagem que The End of F**king World tenta passar. James só aceita o convite de viajar com a sua amiga revoltada e insatisfeita, porque seu plano era matar a garota. No final, depois de criar um vínculo com esses dois personagens, percebemos que eles são apenas adolescentes tentando entender a vida.

2 – Cenário

Independente e alternativo podem descrever o cenário da série. Os próprios personagens caricatos como adolescentes alternativos e a história com o visual meio antigo, criam um cenário sério. E, não há lugar mais perfeito do que a Grã-Bretanha como paisagem para essa aventura.

3 – A trilha sonora

https://www.youtube.com/watch?v=p1CWrwjIt5E

E não é apenas imagens bonitas que compõem um cenário perfeito para uma série. A trilha sonora indie junto com a imensidão vazia da Grã-Bretanha, é a combinação perfeita de um cenário incrível sobre o universo rebelde dos protagonistas.

4 – Duração

Você ama maratonar as séries, mas está sem tempo e não quer assistir mais uma comédia? The End of The F**king World tem apenas 8 episódios com cerca de 20 minutos cada. Esta produção da Netflix não tem enrolação, e mesmo assim te instiga a continuar assistindo os próximos episódios.

5 – Os protagonistas

Os personagens são extremamente complexos, então não adiantaria um cenário impecável se os atores não fossem excelentes. Isso não foi um problema. Os protagonistas têm um histórico bastante convincente. Alex Lawther, o James, ficou conhecido no filme O Jogo da Imitação, interpretando Alan Turing. Ainda não lembrou dele? Alex também é um rostinho conhecido pelos assinantes da Netflix, por ter interpretado Kenny no episódio Shut Up and Dance da terceira temporada de Black Mirror. O segundo membro da dupla, Jessica Barden, que interpreta a Alyssa, tem nada mais nada menos que 33 produções no seu currículo.

6 – É baseada em um quadrinho

Não é por acaso que The End of the F**ing World apresenta diálogos sintéticos e dinâmicos. Assim como a famosa The Walking Dead, a série da Netflix também é baseada em uma história em quadrinhos de 2013, pelo quadrinista Charles Forsman.

7 – As críticas

Se nenhum dos itens acima te convenceu e você é o tipo de pessoa que confia nas críticas especializadas, saiba que The End of The F**king World está carregada de avaliações positivas. A revista estadunidense Variety escreveu: “The End of the F**ing World fica sob a pele do espectador com intensidade forte e sangrenta“. Outro crítico da TV Insider afirmou que a série é “uma compulsão feita no inferno adolescente“. E, por fim, o The Guardian descreveu a produção como “fabulosa” e “divertida, além de ser convincente“.

Deixe nos comentários se você já assistiu a série e compartilhe a matéria.

7 dúvidas sobre desenhos animados clássicos que jamais foram respondidas

Matéria anterior

Você consegue se lembrar do nome de todos estes personagens de Bleach? [Quiz]

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos