História

A verdadeira relação de Einstein com a criação da bomba atômica

0

‘Einstein e a Bomba’ é o título do novo documentário programado para lançamento na Netflix em 16 de fevereiro. Este filme não só explora a vida pessoal de Albert Einstein, reconhecido como um dos maiores gênios da história, mas também analisa seu relacionamento complexo com a Alemanha Nazista e com a bomba atômica. Sob a direção de Anthony Philipson, o renomado ator irlandês Aidan McArdle traz à vida o físico alemão.

Através da seleção de momentos-chave da vida de Einstein, combinados com imagens de arquivo e dramatizações, o documentário busca oferecer uma compreensão objetiva de como o trabalho de Einstein “alterou irrevogavelmente o curso da história”.

Embora muitos associem diretamente Einstein à criação da bomba atômica, uma das invenções mais mortais e destrutivas da humanidade, é importante notar que o físico teórico americano Julius Robert Oppenheimer é amplamente considerado o “pai” dessa arma.

A verdadeira relação de Einstein com essa invenção é uma questão complexa que o documentário se propõe a esclarecer.

Via Hypeness

A equação de Einstein

Em 1905, Einstein publicou dois artigos fundamentais sobre a Teoria Especial da Relatividade, introduzindo propriedades até então inéditas da luz e do tempo.

Em contraste com o entendimento estabelecido pela comunidade científica, Einstein propôs que massa e energia eram manifestações diferentes de uma mesma entidade, dando origem à famosa equação E = mc².

Essa proposição, de forma simplificada, abriu caminho para a exploração de novas formas de energia. Em dezembro de 1938, os físicos alemães Otto Hahn e Fritz Strassman identificaram um processo conhecido como fissão nuclear, no qual o núcleo de um átomo é fragmentado, liberando uma quantidade imensa de energia.

Esta descoberta foi o ponto de partida para as investigações que levariam à criação da bomba atômica.

Projeto Manhattan

Nos meses subsequentes à descoberta de Hahn e Strassman, a Alemanha mergulhou em um período histórico e político turbulento, marcado pela ascensão de Adolf Hitler e o estabelecimento do Terceiro Reich, que desencadeou a eclosão da Segunda Guerra Mundial.

Neste contexto, a tecnologia de fissão nuclear e a potencial utilização de bombas pelos alemães representavam uma ameaça não apenas para a Europa, mas para o mundo inteiro.

É relevante observar que Einstein, juntamente com vários outros cientistas europeus, fugiu da Alemanha em direção aos Estados Unidos durante o regime nazista.

Em agosto de 1939, percebendo o perigo representado pela fissão nuclear nas mãos dos alemães, ele escreveu uma carta ao então presidente norte-americano Franklin Delano Roosevelt, alertando sobre as pesquisas de Hahn e Strassman e apontando a possibilidade de a Alemanha utilizar essa tecnologia para criar armas devastadoras.

Neste contexto, o físico alemão incentivou o governo dos Estados Unidos a iniciar sua própria investigação sobre armas nucleares. Ele destacou a importância de se manter à frente dos nazistas nesse campo em nome da segurança nacional.

Como resposta, Roosevelt estabeleceu um comitê composto por representantes civis e militares para estudar o urânio. Foi isso que eles usaram no processo de fissão nuclear, em 1939, marcando o primeiro passo em direção à criação do Projeto Manhattan.

A guerra, entretanto, eclodiria pouco depois da carta de Einstein, em setembro daquele mesmo ano.

Via PICRYL

Einstein e a bomba atônica

Inicialmente, o cientista alertou o governo dos Estados Unidos sobre as pesquisas dos alemães e incentivou o início das investigações por parte dos americanos. No entanto, o documentário Einstein e a Bomba mostra que ele também via uma potencial ameaça à segurança nacional.

Isso não apenas por sua origem alemã, mas também devido às suas opiniões políticas de inclinação à esquerda, conforme destacado pelo Business Standard.

Em julho de 1940, sua solicitação de autorização de segurança foi negada pelo Escritório de Inteligência do Exército dos EUA, e os cientistas envolvidos no Projeto Manhattan foram proibidos de consultá-lo.

É importante ressaltar que não se sabe ao certo se Einstein estava interessado em participar do projeto ou não. Além disso, quando questionado mais tarde sobre seu papel nas pesquisas norte-americanas, ele afirmou: “Se eu soubesse que os alemães não conseguiriam desenvolver uma bomba atômica, não teria feito nada”, conforme destacado pelo Museu Americano de História Natural.

Via G1

A bomba

A conclusão da narrativa sobre o desenvolvimento da bomba atômica é amplamente famosa.

Mesmo após a morte de Hitler em 30 de abril de 1945, a guerra prosseguiu, com os japoneses aliados ao Eixo junto com a Alemanha e a Itália. Enquanto isso, os Aliados se formaram, sendo Inglaterra, França, Estados Unidos e URSS.

No entanto, o conflito chegou oficialmente ao fim em setembro de 1945, após os devastadores bombardeios nas cidades de Hiroshima e Nagasaki em agosto.

Posteriormente, conforme ilustra o documentário Einstein e a Bomba, o cientista criou o Comitê de Emergência de Cientistas Atômicos (ECAS) em 1946, junto de Leó Szilárd. O objetivo era alertar sobre os perigos das armas nucleares e promover exclusivamente o uso pacífico da energia nuclear.

 

Fonte: Aventuras na História

Imagens: PICRYL, Hypeness, G1

O filme que foi visto como uma ‘aula de comunismo’ pela ditadura brasileira

Previous article

Artefato de 37 mil anos atrás pode não ser só uma obra de arte, sugere estudo

Next article

Comments

Comments are closed.