Ciência e TecnologiaHistória

Biochips, a próxima evolução

0

Se maravilhas como o Google Glass já representam um salto tecnológico assustador, imagine só os micro e nano chips. Implantados no corpo, os atuais têm o tamanho de um grão de arroz, e são apenas fios e placas contidos numa cápsula de vidro cirúrgico.

Com aberturas quase microscópicas, conseguem sugar ou liberar líquidos em seu interior, emitir ondas de comunicação (como rádio) e armazenar informações, como um pendrive. Em simbiose com seus humanos portadores, sua nomenclatura passa a ser biochips, uma palavra vinda da ficção científica e que faz com que a ideia de cyborgs (palavra que significa “organismo vivo e cibernético”) não pareça tão surreal.

1402424933730792

Um exemplo prático é um projeto de alunos do MIT, que desenharam uma versão capaz de liberar hormônios – substituindo o anticoncepcional – para ser introduzido no abdômen de mulheres, que dura por até 16 anos. A liberação é automática e pode ser interrompida através do uso de um controle remoto, caso a mulher decida engravidar.

Outros exemplos são funções, ainda não desenvolvidas completamente, de filtragem do sangue, por exemplo. Seria possível medir o nível de insulina e liberá-la, se necessário (para os diabéticos), bem como a glicemia, colesterol, oxigênio e até mesmo células brancas e regenerativas, o que faria possível um diagnóstico preciso para o câncer, entre outras diversas doenças. A Veriteq Corp, dos EUA, por exemplo, tem 3 patentes atuais no mercado. Uma delas é para medir o nível de radiação nos pacientes, o que é usado para evitar a morte em tratamentos de radiologia e pode ter uso em caso de acidentes nucleares.

Existe também o transplante e criação de órgãos, como o coclear, que serve para devolver a audição à pessoas surdas. Liberando impulsos elétricos, estimula-se o nervo auditivo, simulando o processo natural da audição, ainda que de forma precária – não é fácil distinguir vozes, mas é possível falar no telefone e assistir aulas, por exemplo. E não é uma coisa do futuro, apenas: mais de 300 mil pessoas já usam esse tipo de dispositivo ao redor do mundo.

microchip-closeup

Fora isso, é possível que a maioria das pessoas tenha um desses implantado por razões médicas ou governamentais: com aparelhos como smartphones, é possível analisar ondas de rádio, emitidas pelos chips, que contém dados sobre o indivíduo e/ou paciente, o que viria a substituir identidades e “facilitar” a burocracia de preencher fichas e cadastros eternamente.

O uso desses será banalizado e amplo; Amal Graafstra, técnico de informática estadunidense, implantou um biochip em sua mão. Sua função? Abrir os portões da garagem de casa e do carro. Não contente, Graafstra atualizou o dispositivo para comunicação NFC, a existente em gadgets, como smartphones.

Agora tudo que ele precisa fazer para entregar seu cartão de visitas é aproximar a mão do celular de alguém. Se você gostou, saiba que Graafstra tem uma loja virtual, a Dangerous Things, com kits de implante que custam meros 100 dólares e que ele define como “Biohacking, um precursor num novo tipo de evolução”. No Brasil já existem clientes e profissionais da tatuagem que realizam implantes, que custam em torno de mil reais (fora o chip).

maxresdefault

Se por um lado essa tecnologia representa um avanço infinito – imagine ter um gerador de energia, sinal WiFi, controle remoto e medidor de saúde em tempo-real dentro de você-, representa também um perigo, pois a capacidade de rastreamento, controle e poder serão definitivas num contexto de guerra. Mas, como disse Graafstra, esse é apenas o começo de uma nova evolução, e esperemos que tudo corra bem.

 

Profissões agonizantes

Matéria anterior

Veja como ficaram os atores do filme “Ghost, do outro lado da vida”

Próxima matéria

Você pode gostar

Comentários

Comentários não permitidos.