Saúde

Cabeça de Ozempic: quais são os efeitos colaterais oficiais e relatados nas redes?

0

O termo ‘cabeça de Ozempic’ viralizou nas redes sociais essa semana, e não à toa. Afinal, vários famosos e celebridades apresentaram sintomas físicos curiosos referentes ao uso desse remédio para emagrecer.

Entre outros sintomas, esse efeito adverso vem do uso da semaglutida, o princípio ativo presente no medicamento amplamente empregado para perda de peso.

Usuários da internet observaram que algumas pessoas estariam apresentando um aumento desproporcional do tamanho da cabeça em relação ao restante do corpo após um emagrecimento rápido, supostamente induzido pelo uso do medicamento.

No entanto, além da curiosidade, vale questionar também quais são os efeitos colaterais oficialmente reconhecidos do Ozempic.

Esse remédio possui prescrição original para tratamento do diabetes tipo 2. só que seus efeitos colaterais o fizeram ser procurado para perda de peso rápido, com aplicação não convencional.

Além disso, é importante considerar os possíveis efeitos adversos de outros medicamentos similares, como o Mounjaro, o Saxenda e o Wegovy.

Como o Ozempic atua?

Todos esses medicamentos possuem uma ação similar no organismo, que consiste em imitar um hormônio natural chamado GLP-1.

Essa substância, ao atuar no cérebro, promove a sensação de saciedade, enquanto no estômago, retarda o processo de digestão dos alimentos. Em conjunto, esses mecanismos reduzem o apetite e auxiliam na perda de peso.

Contudo, devido à sua ação no sistema digestivo e à interferência na alimentação, os principais efeitos colaterais observados nos estudos desses medicamentos estão relacionados ao trato gastrointestinal, tais como náuseas, vômitos, diarreia, dores abdominais e constipação.

Via Flickr

Efeitos colaterais

Na bula do Ozempic, produzido pela Novo Nordisk, existem vários alertas sobre os possíveis efeitos colaterais.

No total, a lista dos ‘muito comuns’, ou seja, que ocorrem em mais de 1 em cada 10 pacientes, conforme descrito na bula do Ozempic, incluem náuseas e diarreia.

Enquanto isso, os efeitos comuns, que podem afetar até 1 em cada 10 pacientes, abrangem:

  • Vômito;
  • Baixa glicemia;
  • Indigestão;
  • Inflamação do estômago (“gastrite”);
  • sensação de enjoo (náusea);
  • Refluxo ou azia – também conhecido como “doença do refluxo gastroesofágico” (DRGE);
  • Dor abdominal;
  • Constipação;
  • Arrotos;
  • Cálculo biliar;
  • Sensação de tontura;
  • Sensação de cansaço;
  • Perda de peso;
  • Perda de apetite;
  • Gases (flatulência);
  • Aumento de enzimas pancreáticas (como lipase e amilase).

Além disso, a bula indica que efeitos incomuns, ou seja, que podem afetar até 1 em cada 100 pacientes, são:

  • Alteração no paladar de alimentos ou bebidas;
  • Pulso rápido;
  • Reações de pele, como hematoma, dor ou irritação na aplicação.

Existem também riscos associados a efeitos adversos graves. É fundamental recordar que todo medicamento possui uma relação entre riscos e benefícios, e que tanto o Ozempic quanto o Mounjaro, o Wegovy e o Saxenda foram aprovados por agências reguladoras, como a FDA nos Estados Unidos e a Anvisa no Brasil, após uma análise cuidadosa dessa relação.

Entre essas reações adversas graves, destacam-se complicações relacionadas à doença ocular diabética (retinopatia).

Além disso, observaram também inflamações do pâncreas (pancreatite aguda), que podem ocasionar dor intensa no estômago e nas costas, bem como reações alérgicas graves, com risco de anafilaxia.

Outros efeitos

Outros efeitos têm sido observados após a comercialização, porém, ainda não foram incluídos na lista oficial de possíveis reações adversas desses medicamentos.

No ano passado, um extenso estudo, recentemente publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA), analisou essa classe de medicamentos e os comparou com outra droga utilizada para perda de peso, a bupropiona-naltrexona.

Os resultados revelaram um risco quatro vezes maior de paralisia gástrica, um risco nove vezes maior de pancreatite (inflamação do pâncreas) e um risco quatro vezes maior de obstrução intestinal.

Mohit Sodhi, o principal autor do estudo e pesquisador de medicina da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, afirmou em um comunicado que o amplo uso desses medicamentos gera mais observações de efeitos raros.

Via Metrópoles

Cabeça de Ozempic

Além disso, existem os efeitos mais visíveis que são relatados nas redes sociais, incluindo a rápida perda de peso que resulta na chamada cabeça de Ozempic.

Isso ocorre por conta da flacidez vivenciada pelas pessoas que estão usando o remédio para o propósito de emagrecer.

A cabeça de Ozempic, além de ‘rosto de Ozempic’, ganhou grande repercussão, e se refere à aparência “chupada” e, por vezes, envelhecida, que alguns pacientes podem apresentar no rosto devido à rápida perda de gordura nessa região.

No entanto, em relação a esses aspectos, a Novo Nordisk esclarece em comunicado que eles “não são considerados efeitos adversos”.

Isso porque eles não estão diretamente ligados ao medicamento, mas sim ao processo de emagrecimento, sendo uma consequência natural da perda de peso. No caso, isso ocorre em qualquer tipo de tratamento, inclusive na cirurgia bariátrica.

No entanto, internautas ainda se assustam com a proporcionalidade, e o efeito ‘cabeça de Ozempic’ está entre os mais visíveis até agora.

 

Fonte: Globo

Imagens: Flickr, Metrópoles

Cáries, perda de dentes e dores: como era a saúde bucal de Dom Pedro I

Artigo anterior

Noctúria: por que algumas pessoas precisam levantar à noite para urinar?

Próximo artigo