História

MISTÉRIO milenar: artefato anglo-saxão de 1200 anos intriga cientistas e historiadores

0

A comunidade de caçadores de tesouros no condado de Norfolk, leste da Inglaterra, surpreendeu historiadores e curiosos ao descobrir um artefato de prata dourada, com apenas 19,4 mm de diâmetro, que seria do final do século VIII ou início do século IX.

Apesar de suas dimensões reduzidas, o objeto, descrito como “completamente único” em comparação com outros achados regionais, tornou-se um enigma fascinante para especialistas.

A historiadora Helen Geake, oficial de ligação do Esquema de Antiguidades Portáteis, expressou perplexidade diante da singularidade desse artefato, ressaltando que, embora objetos semelhantes tenham sido previamente descobertos, o verdadeiro propósito e a identidade específica deste artefato continuam envoltos em mistério.

Geake enfatizou a meticulosidade do trabalho envolvido na sua criação, comparando-o ao processo de elaboração de uma bíblia ou joia.

Via Multiverso Notícias

O mistério do objeto

O objeto estava nas proximidades da vila de Langham por um pequeno grupo de caçadores de tesouros. Esse artefato peculiar é parecido com um pequeno boné amassado, mas sua riqueza está nos detalhes.

Adornado com padrões táteis e a representação de um animal semelhante a um cavalo, o objeto revela a destreza de um artesão verdadeiramente “multitalentoso”, conforme expresso por Geake.

O animal, delicadamente pintado e contornado em ouro marrom escuro, exibe características complexas, como um olho visível, indicando maestria na aplicação de mercúrio espanhol e ouro em pó.

Semelhanças

Geake estabelece uma comparação entre o padrão do artefato e as tintas empregadas em iluminuras. Isso porque elas eram características de livros manuscritos ricamente decorados na mesma época.

A semelhança aponta para uma possível conexão entre o objeto misterioso e as práticas artísticas contemporâneas.

Devido aos materiais nobres e à evidente habilidade artesanal, o artefato levanta especulações sobre seu propósito original.

Geake sugere que poderia ter sido um pequeno tesouro com significado pessoal ou religioso. Possivelmente era parte decorativa na extremidade do bastão de uma autoridade.

O colunista Craig Simpson, do ‘The Telegraph’, destaca a singularidade do artefato, referindo-se a ele como um “pequeno tesouro”.

A notoriedade do artefato chegou ao Museu do Castelo de Norwich, na mesma região, que demonstrou interesse em adquiri-lo dos caçadores de tesouros.

Em um condado conhecido por suas descobertas de relíquias, esse artefato específico continua a desafiar explicações convencionais, mantendo seu status como um mistério anglo-saxão de 1200 anos.

Contexto histórico

Via World History

Os anglo-saxões eram um povo germânico que habitava as regiões que hoje compreendem a Inglaterra e o sul da Escócia durante os períodos que vão do século V ao século XI.

Eles desempenharam um papel significativo na formação da Inglaterra como uma entidade política e cultural distinta. Durante o período anglo-saxão, que abrange aproximadamente do século V ao século XI, a sociedade se dividia em reinos independentes, cada um governado por um rei.

Além da presença política, eles também tinham uma relação próxima com metais preciosos. Isso porque o ouro desempenhava um papel crucial em suas práticas culturais e sociais.

Ainda, os anglo-saxões eram famosos por criar objetos ricos, joias e itens de valor, com ouro e outros materiais preciosos na composição.

Esses artefatos incluíam broches, fivelas de cinto, colares e outros adornos que refletiam a riqueza e o status social.

Além disso, muitas das relíquias e objetos que ficaram com figuras importantes, como reis e nobres, em seus túmulos eram de ouro e prata.

Esses túmulos e sepulturas reais proporcionam valiosas fontes de informações arqueológicas sobre a sociedade e a cultura anglo-saxã.

O ouro, por sua raridade e beleza, tinha valor como um símbolo de riqueza. Além disso, também desempenhava um papel ritual e religioso em algumas práticas culturais anglo-saxãs.

A descoberta de artefatos de ouro, como esse misterioso objeto ornamentado, traz insights valiosos sobre a arte, a tecnologia e a vida cotidiana dessa civilização antiga.

 

Fonte: Multiverso Notícias

Imagens: Multiverso Notícias, World History Encyclopedia

Millennials x Gen Z: hábitos que diferenciam as gerações na internet

Previous article

É possível respirar o ar de Marte?

Next article

Comments

Comments are closed.