Curiosidades

Esse funcionário da Amazon foi demitido depois de lutar por melhor proteção contra a Covid-19

0
Amazon.com Inc. employees load boxes with orders at the company's fulfillment center ahead of Cyber Monday in Tracy, California, U.S., on Sunday, Nov. 30, 2014. In 2005, retailers coined the term "Cyber Monday" to describe a surge in web purchases on the first work day after Thanksgiving by people who had spent the weekend browsing in stores. Photographer: David Paul Morris/Bloomberg via Getty Images

Recentemente, um funcionário da Amazon foi demitido depois de lutar por melhor proteção contra a Covid-19. Depois da notícia vir a tona, foi revelado que a empresa teria demitido mais alguns funcionários do seu centro de fornecimento e estoque de produtos para atacado (fulfillment centers) em Staten Island, no estado de Nova York.

Isso teria acontecido após estes funcionários se organizarem em um protesto contra a companhia. Dessa forma, eles exigiam que ela lhes fornecesse melhores condições e equipamentos de proteção contra a Covid-19, a doença que deriva do novo coronavírus.

Tudo foi relatado por um dos funcionários da empresa

Em uma entrevista à Bloomberg, Chris Smalls, um dos funcionários demitidos, explicou a situação. Chris atuava na empresa como gerente assistente do centro e afirmou que os empregados do local não receberam equipamentos próprios de proteção necessária. Esses equipamentos são extremamente necessários para evitar o contágio do vírus SARS-CoV-2. Além disso, no protesto, o funcionário pedia que a empresa desligasse as atividades do centro temporariamente para a realização de limpeza. No entanto, a resposta da empresa foi demitir ele, junto com outros 60 colegas de trabalho.

Smalls também afirmou que “algumas” pessoas no centro estavam, de forma confirmada, acometidas pela Covid-19. Essa mesma razão foi, de acordo com o posicionamento da Amazon, o motivo de sua demissão. Contudo, um porta-voz da empresa afirmou que Smalls teve seu contrato terminado por conta de uma “violação de normas de segurança”. Isso porque, ele supostamente teria sido exposta à pessoa infectada pela doença e se recusou a se isolar dos demais colegas.

Por meio de um pronunciamento, a Amazon explicou o que teria acontecido. “O Sr. Smalls recebeu diversos avisos de violação dos parâmetros de distanciamento social. E por colocar a segurança de outros em risco”, disse a Amazon. Assim, ele “recebeu o pedido de que permanecesse em casa por 14 dias, com remuneração, o que é uma medida que tomamos em nossas estruturas ao redor do mundo. Apesar dessa instrução de manter-se em casa com pagamentos, ele veio ao centro hoje, 30 de março, colocando as equipes em ainda maior risco”.

Afinal, quem está certo na história?

No comunicado, a Amazon também afirmou que o número de participantes foi exagerado. Dessa forma, os protestos teriam contado com um número de 15 pessoas. No entanto, segundo Smalls, a posição da empresa é “ridícula”. Em seguida, ele ressaltou que seguirá com suas reclamações. “Porque eu tentei lutar pela coisa certa, a empresa decidiu retalhar contra mim. Eu ainda vou batalhar por aqueles pessoas dentro do prédio”.

Depois do ocorrido, a promotora do estado de Nova York, Letitia James, emitiu um comunicado culpabilizando a Amazon pela situação. “É uma desgraça que a Amazon tenha demitido um empregado que corajosamente lutou para proteger a si mesmo e aos seus colegas. No alto de uma pandemia globalizada, Chris Smalls e seus colegas protestaram de forma pública contra a falta de precauções que a Amazon apresentou para defendê-los da Covid-19″. Ela ainda pediu que as entidades laborais e sindicatos intervissem no caso. Em seguida, ela chamou a ação da Amazon de “imoral” e “desumana”. Além disso, ainda ressaltou que o direito de protesto é garantido pela lei norte-americana. Finalmente, Letitia Jones disse que a promotoria estuda tomar ações legais contra a Amazon.

Matt Reeves fala sobre outros filmes do Batman e os compara com o seu

Matéria anterior

O caso da Paciente 31, entenda como uma pessoa pode mudar o rumo de uma pandemia

Próxima matéria

Mais em Curiosidades

Você pode gostar