Mundo Afora

Homem perde pendrive com dados de moradores no Japão

Homem perde pendrive com dados de moradores no Japão
0

Um trabalhador do Japão pode estar tratando uma ressaca prolongada após perder um pendrive durante uma noitada com os colegas. O motivo é que o objeto guardava dados pessoais de quase meio milhão de pessoas.

O homem, que não teve sua identidade revelada, colocou o pendrive na bolsa dele antes de uma noite de bebedeira na cidade de Amagasaki, a noroeste de Osaka. De acordo com a imprensa local, ele bebeu durante várias horas em um restaurante antes de desmaiar na rua. Quando o japonês acordou, notou que não estava com a bolsa nem com o pendrive.

A emissora japonesa NHK informou que o homem, que teria cerca de 40 anos, era funcionário de uma empresa encarregada de fornecer benefícios a famílias isentas de impostos. O japonês teria transferido as informações pessoais de todos os moradores da cidade para o dispositivo na noite de terça-feira (21), antes de se encontrar com colegas.

As autoridades do Japão informaram que o pendrive incluía os nomes, datas de nascimento e endereços de todos os moradores. O dispositivo também guardava informações mais confidenciais, incluindo detalhes fiscais, números de contas bancárias e informações sobre as famílias que recebem seguro social.

Ainda segundo as autoridades da cidade, os dados contidos no aparelho são criptografados e bloqueados com uma senha. Eles acrescentaram que não houve nenhum sinal de que alguém tenha tentado acessar as informações.

Pedido de desculpas

Apesar de o incidente não ter provocado grandes perdas de dados do Japão, o prefeito da cidade e outras autoridades locais pediram desculpas à população.


“Lamentamos profundamente ter prejudicado gravemente a confiança do público na administração municipal”, disse um porta-voz da Prefeitura de Amagasaki em entrevista coletiva.

Fim do Internet Explorer gera problemas no Japão

Fim do Internet Explorer gera problemas no Japão

Foto: Costfoto/Future Publishing/Getty Images

Além da perda do pendrive, o Japão também teve outro problema envolvendo tecnologia: a “morte” do Internet Explorer.

No último dia 15 de junho, após 27 anos de funcionamento, a Microsoft divulgou que o navegador Internet Explorer seria aposentado para a empresa se dedicar ao Microsoft Edge. No entanto, apesar de em muitas regiões o fim do browser ter passado despercebido, no Japão, a sensação foi de pânico.

Mesmo que o país seja considerado uma potência tecnológica, várias empresas usam sistemas e trabalham com meios mais tradicionais. Muitos negócios, e principalmente agências governamentais, instituições financeiras e companhias de manufatura e logística utilizavam sites compatíveis apenas com o Explorer.

Uma pesquisa de março, feita o Keyman’s Net, provedor de recursos de tecnologia da informação, descobriu que grande parte das organizações do Japão confiava no navegador, com 49% dos entrevistados afirmando usarem o Explorer para o trabalho.

De acordo com eles, o Explorer era utilizado para gerenciar o atendimento de funcionários, liquidar despesas e ferramentas intranets.

Além disso, alguns entrevistados afirmaram que não tiveram opção a não ser utilizar o navegador, já que os sistemas utilizados pelos clientes para lidar com pedidos o exigiam.

Entre os participantes da pesquisa, mais de 20% não sabiam ou não haviam descoberto como fazer a transição para outros navegadores depois do fim do Explorer.

Japão estabelece novo recorde na velocidade de transmissão de dados

Foto: Gorodenkoff/ Shutterstock

No entanto, não é só desespero que os japoneses andam lidando no setor da tecnologia. Recentemente, a equipe do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicações (NICT) no Japão conquistou um novo recorde na transmissão de dados por meio de uma velocidade de 1,02 petabits por segundo. O grupo transmitiu mais de 51,7 Km ou 32 milhas.

O recorde representa um milhão de gigabits em uma linha a cada segundo, cerca de mais de 10 milhões de feeds de vídeo de 8K simultaneamente

Além do recorde na velocidade na transmissão de dados, o Japão apresentou outra novidade: tudo foi feito através de uma rede de fibra óptica, bastante semelhante às que são utilizadas na internet banda larga. Isso representa uma grande expectativa em relação às futuras atualizações na velocidade da internet na web.

Fonte: G1, Yahoo, Olhar Digital

Jovem é aprovado em 28 universidades por habilidades em Fortnite

Matéria anterior

Itália oferece 2 mil euros para noivos se casarem na região de Roma

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos