Ciência e Tecnologia

NASA estuda como eliminar bactérias que prejudicam a ISS e astronautas

0

A presença de bactérias do espaço na Estação Espacial Internacional (ISS) pode representar um risco tão sério quanto na Terra. No entanto, existe um desafio significativo para combater esse problema, especialmente pela sua localização remota.

A NASA está tentando enfrentar esse problema através de um projeto complexo. A cientista guatemalteca Pamela Flores, pesquisadora da Universidade de Colorado, compartilhou em entrevista exclusiva com o Hipertextual algumas das iniciativas em colaboração com a NASA para resolver esse desafio.

Flores destaca que as bactérias do espaço, chamadas de biopelículas, já causaram problemas ao obstruir tubos e filtros usados na recuperação de água na nave.

Até agora, a solução foi enviar esses equipamentos para a Terra para limpeza, um processo caro devido aos altos custos de transporte para o espaço.

Via G1

Eliminar bactérias do espaço

Eliminar as bactérias tornou-se crucial para a NASA, e uma proposta dos cientistas é utilizar uma superfície impregnada com um lubrificante conhecido como LIS (Lubricant Impregnated Surface).

Flores explica que o LIS reduziu a quantidade de biopelículas na superfície em comparação com outros materiais, como o aço inoxidável.

Embora o mecanismo exato de inibição do crescimento bacteriano ainda não seja completamente compreendido, acredita-se que o LIS inibe a adesão das bactérias.

Além disso, também conduziram experimentos com fungos. Usando pequenas pontas semelhantes à grama, sem lubrificante, os pesquisadores observaram uma redução na formação de biopelículas tanto na Terra quanto no espaço, em condições de microgravidade.

Flores sugere que com mais pesquisa e compreensão dos mecanismos de inibição, estratégias mais simplificadas e generalizadas para inibir o crescimento de fungos e bactérias podem ser desenvolvidas no futuro.

O projeto liderado por Pamela Flores é vital para garantir a segurança e saúde dos astronautas na ISS, além de proteger os equipamentos cruciais a bordo da estação espacial. Os estudos recorrentes e os avanços na área são fundamentais para manter as atividades seguras na exploração espacial.

Perigo das bactérias

As bactérias podem ter diversos efeitos no corpo humano, tanto positivos quanto negativos.

Algumas são essenciais para funções fisiológicas normais, como aquelas que compõem a flora intestinal, ajudando na digestão e fortalecendo o sistema imunológico.

No entanto, outras bactérias patogênicas, como as do espaço, podem causar doenças.

As mais comuns são as infecções, onde elas invadem tecidos e causam infecções. Isso pode resultar em uma variedade de diagnósticos, como infecções respiratórias (pneumonia, bronquite), infecções urinárias, infecções de pele (como furúnculos e celulite) e infecções gastrointestinais.

Além disso, algumas bactérias podem contaminar alimentos e causar intoxicação alimentar, levando a sintomas como diarreia, vômitos, febre e desconforto abdominal.

Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) também surgem de bactérias, e mesmo não sabendo como as bactérias do espaço funcionam, os astronautas podem estar expostos a infecções que afetem seus órgãos e tragam complicações sistêmicas.

Via São Paulo Para Crianças

Toxinas desconhecidas

Ainda, vale reforçar que as bactérias do espaço são desconhecidas para os órgãos terrestres, e não se sabe quais tipos de toxinas e efeitos no corpo humano elas podem causar.

Dessa forma, carregar esses corpos para a atmosfera compromete a segurança global e pode desenvolver até mesmo condições de longo prazo, como doenças crônicas.

Por serem organismos que sobrevivem em condições atípicas, especialmente no espaço, também não se sabe se os remédios tradicionais funcionariam. Até descobrir novos remédios, os hospedeiros sofreriam.

Por esse motivo, é fundamental entender o que são as bactérias do espaço e saber como eliminá-las no momento em que os astronautas entram em contato com esses corpos estranhos.

 

Fonte: Olhar Digital

Imagens: G1, São Paulo Para Crianças

Infestação de percevejos preocupa população parisiense um ano antes das Olimpíadas

Previous article

Após ganharem Nobel, cientistas tendem a ser menos produtivos, diz estudo

Next article

Comments

Comments are closed.