Notícias

Polícia apreende máscara de palhaço e canivete com aluno de 12 anos

0

Na quarta-feira (5/4), a Guarda Civil Metropolitana (GCM) apreendeu uma máscara e um canivete com um jovem de 12 anos na Escola Municipal de Ensino Fundamental Primo Pascoli Melare, localizada em Brasilândia, zona norte de São Paulo.

O adolescente estava em posse da faca, de tamanho médio, e uma fantasia de palhaço. Ele foi flagrado por uma professora por volta das 15h.

Via Metrópoles

A diretoria do colégio havia solicitado a presença da GCM após o jovem se envolver em uma briga e ameaçar uma professora na semana anterior.

A GCM confirmou que o jovem estava portando os objetos e os responsáveis pelo aluno foram até a escola, com a mãe recebendo aviso posteriormente.

O jovem seguiu para o 72º Distrito Policial da Vila Penteado, onde prestou depoimento e teve liberação.

Ataques recentes

Desde o dia 27 do mês passado, quando um jovem de 13 anos assassinou a professora Elisabeth Tenreiro a facadas na Escola Estadual Thomazia Montoro, localizada na Vila Sônia, zona sul de São Paulo, o número de ocorrências envolvendo violência entre estudantes tem aumentado consideravelmente.

Via Estado de Minas

No dia de hoje (5), um homem invadiu uma creche em Blumenau (SC) e tirou a vida de, pelo menos, quatro crianças.

O ataque aconteceu no Centro de Educação Infantil Cantinho Bom Pastor, situado na Rua dos Caçadores, no bairro Velha.

Embora não haja aparentes ligações entre os casos, é possível notar um aumento significativo de episódios de violência envolvendo estudantes.

As autoridades e os especialistas apontam que a violência nas escolas não é um evento isolado.

Além disso, fatores como a falta de recursos para a educação e a dificuldade de acesso a serviços de saúde mental podem contribuir para a escalada da violência entre jovens.

É fundamental que sejam tomadas medidas para prevenir e combater a violência nas escolas, como o fortalecimento das políticas públicas de educação e a criação de programas de apoio psicológico e social para alunos e professores. Somente assim poderemos garantir um ambiente educacional seguro e saudável para todos.

Internet debate apreensão de máscara e canivete

A apreensão da máscara e do canivete com o aluno de 12 anos pode ter evitado uma tragédia maior, mas a internet debate sobre o que isso significa.

A exposição de crianças e jovens a cada vez mais episódios como esse está criando uma atmosfera tóxica que influencia as pessoas com inclinações sensacionalistas ou que enfrentam problemas no cenário.

Além disso, nos últimos anos, tem-se intensificado a ascensão de grupos neonazistas na internet, especialmente em redes sociais e fóruns de discussão.

Via Freepik

Esses grupos espalham mensagens de ódio, exaltam criminosos e promovem a violência como forma de resolver conflitos.

Uma das maiores preocupações é o fato de essas mensagens atingirem cada vez mais crianças e adolescentes, que recebem influência de discursos discriminatórios e extremistas. É o exemplo da criança com máscara e canivete.

Alguns desses grupos utilizam imagens e memes para tornar suas ideias mais atraentes para esse público mais jovem. Assim, acabam difundindo ideias perigosas que vão contra os valores fundamentais de respeito, tolerância e igualdade.

Os grupos neonazistas na internet são uma ameaça real e devem ser combatidos com firmeza pelas autoridades e pela sociedade em geral.

É importante que as escolas e os pais fiquem atentos ao comportamento das crianças e dos adolescentes nas redes sociais. Também devem orientar sobre a importância de respeitar as diferenças e não se deixar levar por discursos de ódio.

Além disso, é necessário que haja um trabalho conjunto entre as autoridades e as plataformas digitais para coibir a disseminação de conteúdo extremista e proteger os usuários da internet, especialmente os mais vulneráveis.

A liberdade de expressão é um direito fundamental, mas deve ser exercida de forma responsável e respeitando os direitos humanos e os valores democráticos.

 

Fonte: Metrópoles

imagens: Metrópoles, Estado de Minas, Freepik

WhatsApp abre canal de denúncia de violência contra as mulheres pelo aplicativo

Previous article

Essa praia das Maldivas brilha no escuro

Next article

Comments

Comments are closed.