Curiosidades

Por que rimos? Rir pode ser uma estratégia de sobrevivência!

0

Todos nós já ouvimos quer rir é o melhor remédio. E essa máxima pode não estar totalmente errada, visto que vários pesquisadores já fizeram vários estudos na tentativa de responder o que estaria por trás do riso. Recentemente, um estudo analisou mais de cem artigos e apresentou uma hipótese bastante interessante. Segundo ele, rir pode ter sido uma ferramenta que ajudou os humanos a sobreviver.

O estudo foi feito por Carlo Bellieni, professor da Universidade de Siena. Ele condensou o ato de rir em três etapas principais que ele mesmo descreve como “perplexidade, resolução e um sinal de esclarecimento”.

Na visão do professor, rir não vem somente de uma percepção de que as coisas estão fora do eixo. Na realidade, é sobre encontrar uma situação que subverte as expectativas de normalidade das pessoas, como por exemplo, um desenho em que o personagem só cai do penhasco quando olha para baixo, ou deixa a cabeça do seu rival no formato de panela ao acertá-lo com uma.

Rir

Aventuras na história

Então, primeiro, as pessoas precisam de uma situação que pareça estranha, que provoque nelas um sentimento de inadequação. Depois, a preocupação que essa situação causou deve ser resolvida e superada. Para que então venha a risada como um sinal que avisa aos outros que não existe nada o que temer. Rir nesse caso funciona como uma forma de alívio.

“O riso pode muito bem ser um sinal que as pessoas usam há milênios para mostrar aos outros que a ameaça percebida passou. É por isso que rir é muitas vezes contagioso: nos une, nos torna mais sociáveis, sinaliza o fim do medo ou da preocupação”, escreveu Bellieni.

Por exemplo, podemos perceber em alguma situação de perrengue que a pessoa tenha passado há um tempo e pode ter dado medo nela, mas que contando atualmente ela acha engraçado porque a situação já foi resolvida e não existe mais motivo para temê-la.

Importância

Sonho astral

Outro importância que o riso pode ter é para a fisiologia. Da mesma forma que chorar, rir é um mecanismo de liberação para o corpo. Até porque, os centros cerebrais que regulam o riso também controlam as emoções, medos e ansiedade. Por isso, ele é capaz de conter o estresse ou a tensão de alguma situação e deixar o corpo mais aliviado.

Justamente por essa razão que o humor é usado em vários ambientes, como por exemplo, em hospitais, para ajudar os pacientes, melhorando sua pressão arterial e as defesas imunológicas, além de ajudar no controle de depressão e ansiedade.

Além disso, o humor também é usado para enfatizar conteúdos ensinados, como por exemplo, quando um professor de física faz uma piada com a fórmula ao invés de somente falá-la, ele além de chamar atenção dos alunos, faz com que o aprendizado fique mais relaxado e eficiente. Em sala de aula, usar o humor diminui a ansiedade, aumenta a participação e a motivação.

Apaixonar-se por quem te faz rir

Sedução secreta

Além da máxima de que rir é o melhor remédio, sempre escutamos que as pessoas gostam de quem as faz rir. Mas por que isso acontece? De acordo com Bellieni, isso é uma coisa mais complexa do que simplesmente ser engraçado.

O riso que vem por conta das piadas ajuda as pessoas a superar os anseios de uma situação estranha ou desconhecida, e também inspira as pessoas a superarem seus medos e faz com que elas se sintam mais atraídas. “Se o riso de outra pessoa provoca o nosso, então essa pessoa está sinalizando que podemos relaxar, estamos seguros, e isso cria confiança”, afirmou ele.

Por conta disso tudo, talvez o riso tenha sido mantido na seleção natural para ajudar os humanos a sobreviver. Na visão evolutiva, rir talvez fosse essencial para construir a consciência de perigo e autopreservação, ajudando grupos a se comunicarem nos momentos de tensão e segurança.

Fonte: Superinteressante

Imagens: Aventuras na história, Sonho astral, Sedução secreta

Por que apêndice não é tão inútil como se imaginava?

Artigo anterior

Cão devolvido diversas vezes a abrigo caminha sobre tapete vermelho até nova tutora

Próximo artigo