Terror e Sobrenatural

Quais são os tipos de mortes mais e menos dolorosas?

0

Para morrer, basta estar vivo. A morte é um fenômeno que chega para todos. Desde o nascimento, a única certeza que temos durante a vida é que invariavelmente todos, sem exceção, vão morrer, de uma maneira ou de outra. A diferença está justamente aí: no “como”. Alguns sonham em morrer confortavelmente durante o sono. Essa seria uma morte indolor e a pessoa nem perceberia que está deixando a vida para trás. Mas pouquíssimos tem essa sorte e há mil e uma maneiras disso acontecer.

Umas são piores e você sentirá mais dor, e outras são “melhores” e pelo menos, o sofrimento será menor. O fato é que não dá para escapar desse abraço fatal.

Por isso é bom estar preparado para qualquer eventualidade. Então aqui vai algumas maneiras de morrer,  menos e mais dolorosas, que podem acontecer com você:

1 – Esfolamento

Mais doloroso. 

Essa é uma técnica antiga de tortura e execução. Era bastante praticada pelos Assírios e a Dinastia Ming ( ).

Consiste no mesmo método de esfolar um animal, só que se trata de um ser humano.

A pele é retirada completamente e nesse processo acontece um choque circulatório, há perdas críticas de sangue e outros fluídos do corpo. Sem contar às infecções e a hipotermia que podem acontecer, uma vez que a pele é que mantem a temperatura corporal.

Isso quando os torturadores não dão um espelho para a vítima se ver. Completamente despido de pele, somente carne, sangue e ossos. É para levar qualquer um à loucura completa antes da morte.

O problema é que uma pessoa esfolada pode demorar horas e até mesmo dias para vir à óbito. Por isso com toda a certeza a dor dessa morte é monstruosa. E esta é uma das piores maneiras de morrer.

2 – Guilhotina

Menos doloroso.

A morte pela guilhotina é um dos métodos menos dolorosos para morrer, isso se não for completamente indolor, devido a velocidade com que a pessoa vem à óbito.

Os nervos que ligam a espinha dorsal ao cérebro são imediatamente rompidos. O corte limpo e fugaz paralisa a vértebra imediatamente, portanto os receptores de dor não são mais capazes de enviar sinais, e o corpo deixa de funcionar completamente.

Tudo acontece rápido demais, não há chance nem para sentir dor.

3 – Empalamento

Mais doloroso.

Se for possível escolher, escolha qualquer outro método, menos este. Talvez o mais doloroso, sádico e cruel de todos.

Foi utilizado durante o Império Neo-Assírio, Grego e também Romano.

Essa morte consiste em introduzir um bastão pontiagudo pelos lados do corpo, pelo reto, vagina ou boca do condenado. Depende de quanto se quer torturar uma pessoa e por quantos dias se pretende manter a vítima viva.

Geralmente o empalado também é suspenso no ar e deixado assim, para morrer. O problema é que o bastão impede a saída do sangue, mantendo a pessoa viva por dias nesse processo lento, humilhante e extremamente sofrível.

4 – Acidente áereo

Menos doloroso.

Essa morte é rara. Segundo o jornal El País a probabilidade de se morrer em um acidente aéreo é de uma entre 9.737. E sendo assim é mais “fácil” morrer de um acidente de carro, bicicleta ou atropelado.

Mas acontece. E quando chega a esse ponto geralmente o pânico se instala e as pessoas tem consciência de que é a morte está logo adiante.

Mas desespero não chega a ser dor e portanto, esse sentimento não pode ser enquadrado nessa lista.

É que uma queda de avião acontece em questão de minutos e durante esse tempo é bastante provável que a falta de oxigênio faça com que todos desmaiem antes mesmo da aeronave tocar no solo. E portanto, essas pessoas nem chegariam a sentir a dor. Quanto mais rápido, menos doloroso.

5 – Carbonização

Mais doloroso. 

Morrer queimado é exatamente como todo mundo imagina: horrível.

O contato do fogo com a pele queima primeiro os pelos do corpo, os cabelos e as sobrancelhas. Quando o calor atinge a pele, o sistema nervoso começa a responder imediatamente à dor, uma vez que as células estão sendo destruídas e a carne está literalmente sendo cozinhada por dentro.

Algumas pessoas, cerca de 75% delas, tem a “sorte” de morrerem intoxicadas pela fumaça.

Outras não tem o mesmo destino e quando o fogo atingir os nervos, a dor será insuportável, e a pessoa estará consciente o suficiente para sentir o cheiro da sua própria carne queimando.

Conforme a pele é destruída a dor diminuirá aos poucos, gradualmente.

 

6 – Fome

Menos doloroso.

“A fome dói”. É o que as pessoas que passaram por esse tipo de sofrimento dizem. Sim, ela dói, mas isso quando a fome ataca o indivíduo com pouca regularidade. O organismo está preparado para passar por ajustes e nesse caso de fome, o nosso próprio corpo suprirá as suas necessidades até a próxima alimentação.

Morrer de fome é diferente.

Primeiro é que essa não é uma morte simples, ela não acontece com facilidade. É preciso uma intensa privação para que a morte chegue nesse nível e quando ela chega, ela é rápida.

Quando o corpo não tem mais reservas de gordura para serem queimadas, ele passa para os músculos, até ficar sem opções de onde tirar a energia.

Nesse ponto, o ser humano vai enfrentar um período curto de extrema apatia e cansaço. É bem provável que uma pessoa nessa situação venha à óbito de uma parada cardíaca. É como se o corpo estivesse literalmente metabolizando a última reserva que possui, o coração.

Você já passou tanto tempo sem comer que até a perdeu a fome? É basicamente isso que acontecerá. Na fase terminal da inanição (morrer de fome) a pessoa nem sentirá fome. Apenas uma grande fadiga e a inércia do corpo que não tem ânimo nem para pensar na dor.

7 – Escafismo

Mais doloroso.

Esse era um método de execução praticado na Pérsia Antiga. Ainda bem, porque essa maneira de morrer chega a ser sádica de tão dolorosa.

Morrer por escafismo consiste em deitar uma pessoa completamente nua em um bote. Por cima é ajustado uma outra embarcação que se acopla perfeitamente a outra, deixando do lado de fora apenas as pernas, braços e a cabeça.

A pessoa então era obrigada a tomar leite com mel e a mistura também era jogada sobre os membros expostos. Depois disso, o bote era lançado sobre a água parada, para ficar exposto ao sol até a morte da vítima.

O problema é que esse processo de morte podia durar dias, mais de duas semanas até.

Nesse meio tempo, o leite e o mel causavam diarreia, o cheiro do açúcar na pele atraía moscas que iam devorando a carne exposta do torturado. Os vermes que surgiam dos excrementos também ajudavam nesse processo gangrenoso.

Para que a vítima não morresse de fome, a ingestão de leite e mel era repetida ao longo dos dias. E assim os insetos continuavam a devorar a pessoa por dentro e por fora.

 

8 – Frio

Menos doloroso.

Para o corpo funcionar em sua plena capacidade ele precisa manter uma temperatura média de 36 ºC, isso dependendo de cada organismo.

Como os seres humanos são mamíferos, todos somos seres endotérmicos, e o corpo consegue estabilizar a temperatura, independente das alterações do meio ao nosso redor.

Isso quando não estamos diante de um frio paralisante. Nesse caso, o corpo fica enrijecido, as capacidades motoras são comprometidas e a coordenação será praticamente inexistente.

O frio quando é pouco, dói. Quando é mortal, a pessoa não terá tempo para sofrer tanto assim. O indivíduo nem consegue raciocinar direito numa situação dessas, porque as funções cerebrais também estarão prejudicadas. Até o ponto em que a pessoa perderá a consciência completa e virá à óbito.

9 – Cadeira Elétrica

Mais doloroso.

Esse é realmente um modo horrível de morrer. E até hoje é utilizado em alguns países, principalmente em alguns estados americanos que ainda aplicam à pena de morte.

Em entrevista à revista Vice, a professora  de Direito da Universidade Fordham, Debora W. Denno, especialista em métodos de execuções, explica que nesse caso “basicamente, o prisioneiro é mutilado”.

A morte é causada por uma combinação de asfixia, parada cardíaca e paralisação do sistema nervoso em geral. O sangue ferve, literalmente! devido ao calor das correntes que atravessam o corpo. É por isso que a fumaça e o vapor sobem. A temperatura pode ficar tão alta que a pele pode desgrudar da carne e cair no chão.

Às vezes os prisioneiros defecam de tanta dor, e os olhos podem saltar para fora do crânio ou sangrar por todos os orifícios, devido a pressão exercida no tecido expandido.

Isso quando o condenado não morre. “Quando isso acontece, (…) a eletricidade pode ser extremamente dolorosa, mas não forte o suficiente para matar a pessoa. O condenado pode queimar até a morte, consciente do que está acontecendo e incapaz de gritar,” explica Debora.

 

Ou seja, incapaz de falar, de se movimentar, completamente consciente da dor, e ainda assim vivo. Essa é uma morte verdadeiramente terrível.

10 – Afogamento

Menos doloroso.

A ideia parece angustiante. Mas você já ouviu relatos de pessoas que passaram por essa experiência e sobreviveram? A maioria delas relatam que após o desespero, uma grande paz as envolveu nos últimos segundos, antes de serem resgatados.

De fato, o indivíduo luta tentando se salvar quando vê que está em perigo. Mas essa luta dura apenas de 20 a 60 segundos.

Após esse período, a pessoa ainda terá uma uma sensação de queimação pelo corpo, até uma calma completa envolver a pessoa, e é nesse momento que ela perde a consciência completamente. Não há tempo para dor. O indivíduo desmaiará antes disso devido à privação de oxigênio no cérebro.

Ninguém deseja passar por isso, com toda a certeza, mas dentre outras mortes, ela não parece tão terrível quando comparada a outros métodos.

Morrer nunca é fácil. Mas é inevitável, infelizmente, e temos que estar preparados para isso. Quanto mais conscientes estivermos sobre ela, menor será o sofrimento, porque parecerá um processo natural, assim como nascer. Pelo menos é o que dizem os budistas.

Mas e você? Está preparado para o grande dia? Não adianta evitar o assunto, falar sobre isso não vai atrair a morte antes do tempo, e ela vai acontecer de qualquer maneira. Por isso estejamos abertos ao diálogo, você já pensou sobre a morte? Já imaginou como vai acontecer? Não esqueça de deixar o seu comentário sobre isso.

Herói na vida real! Daniel Radcliffe ajuda homem vítima de assalto

Matéria anterior

Troian Bellisario se junta ao elenco de Where’d You Go, Bernadette

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos

Você também pode gostar