Ciência e Tecnologia

Saiba mais sobre o Natrium, novo reator nuclear desenvolvido por Bill Gates

0

Bill Gates apresentou, recentemente, seu novo modelo de reator nuclear Natrium, tido como uma revolução no ponto de inflexão para o setor de energia.

Desenvolvido pela TerraPower, fundada por Bill Gates há 15 anos, e pela PacifiCorp de Warren Buffet, o projeto piloto é parte do objetivo de Gates de impulsionar as energias renováveis e o combate às mudanças climáticas.

O Natrium é um pequeno reator avançado que utiliza combustíveis diferentes dos tradicionais. Sua percepção, para alguns setores, é ser uma tecnologia-chave livre de emissões de gases de efeito estufa, complementando o fornecimento de eletricidade em situações de baixa produção de energia eólica e solar.

As primeiras versões terão construção em uma usina de carvão desativada em Wyoming, uma cidade dos Estados Unidos. Esse é o estado com a maior produção de carvão do país, e é descrito pela TerraPower como competitivo e flexível.

Como funciona o reator Natrium

Via USP

A TerraPower, empresa responsável, publicou sobre a iniciativa em seu site, explicando como funcionaria o armazenamento de energia. Na prática, ele une um reator rápido de sódio com um sistema de estoque de sais com fundição que produzem 345 megawatts.

Segundo a empresa, o sistema de armazenamento terá a capacidade de aumentar a produção de energia para 500 megawatts por mais de cinco horas e meia quando necessário. Isso é o suficiente para fornecer energia a cerca de 400 mil residências.

De acordo com o Fórum da Indústria Nuclear Espanhola, que é vinculado à GE Hitachi Nuclear Energy, o Natrium é uma nova tecnologia que busca simplificar os tipos de reatores já existentes.

O reator nuclear do tipo ondas viajantes (TWR) usará urânio empobrecido ou urânio natural como combustível.

Todos os equipamentos que não forem nucleares serão mantidos em prédios separados, a fim de reduzir a complexidade da instalação e o seu custo.

Essa tecnologia representa um avanço significativo na geração e no armazenamento de energia limpa.

Além disso, o Natrium é uma opção promissora para a complementação do fornecimento de eletricidade em situações de baixa produção de energia eólica e solar.

A iniciativa alinha-se aos objetivos de Bill Gates em impulsionar as energias renováveis e combater as mudanças climáticas.

Projeto de longo prazo

A construção da planta-piloto do Natrium, desenvolvida pela TerraPower em parceria com a PacifiCorp, deve levar cerca de sete anos. É o que afirma o presidente da TerraPower, Chris Levesque.

Ele ressaltou a importância de introduzir esse tipo de energia limpa no sistema nos anos de 2030.

O Natrium se tornou um lançamento também do Programa de Demonstração de Reatores Avançados do Departamento de Energia dos Estados Unidos. Por isso, conseguiu um financiamento inicial surpreendente de US$ 80 milhões do Departamento de Energia para seguir com o projeto.

O setor também se comprometeu a conceder financiamento adicional nos próximos anos.

Durante a apresentação do Natrium, o governador de Wyoming, Mark Gordon, destacou que esse é o “caminho mais rápido e claro” para o estado alcançar uma “pegada negativa de carbono”.

Segundo o representante, esse projeto conseguirá produzir energia sob demanda. Dessa forma, diminui as emissões de CO2 desnecessárias. Também conseguirá criar milhares de empregos com boa remuneração, por meio da construção e operação da unidade.

Via G1

Preocupações da comunidade

Apesar dos planos de construção de uma usina de energia nuclear avançada como o Natrium, alguns setores permanecem céticos sobre a tecnologia.

A Union of Concerned Scientists (União de Cientistas Preocupados, em tradução livre) se manifestou sobre o caso. Esse grupo de defesa da ciência sem fins lucrativos dos Estados Unidos alertou que reatores avançados como o Natrium podem representar um risco maior do que os convencionais.

Além disso, Edwin Lyman, diretor da UCS, declarou à Reuters que alguns casos trazem pioras em termos de segurança. Afinal, existem chances de acidentes nucleares graves, como já vistos na História.

No relatório “Avançado nem sempre é melhor”, da UCS, o grupo alerta que o combustível para muitos reatores avançados precisaria de enriquecimento superior ao combustível tradicional.

Isso significa, para os pesquisadores, que o combustível e seu abastecimento são atrativos para terroristas. Isso porque muitos buscam criar uma arma nuclear rudimentar, por exemplo.

O relatório detalha que a energia nuclear deve ser segura e barata para ter um papel significativo nas ações de mudanças climáticas. Caso contrário, as energias atuais continuariam sendo melhores.

Apesar das preocupações, o presidente da TerraPower, Chris Levesque, defendeu que as usinas com esses reatores reduzem os riscos de proliferação nuclear porque diminuem o lixo nuclear de forma generalizada.

Dessa forma, resta aguardar a construção do Natrium nos próximos anos, e acompanhar as atividades da companhia.

 

Fonte: Época

Imagens: G1, USP

Entenda tudo sobre os rumores do PS5 PRO, novo console da Sony

Previous article

Qual o motivo de os pneus terem pelinhos de borracha?

Next article

Comments

Comments are closed.