Fatos Nerd

Schwarzenegger estreia em série e mostra que ainda é o rei da ação

0

Arnold Schwarzenegger volta para as telas com Fubar, a nova série da Netflix, e prova que continua sendo um fenômeno de Hollywood, especialmente no segmento de ação.

Com seu carisma e presença física, o ator se destaca na produção, que estreou na última semana. A estrela do mundo dos filmes agora se arrisca nas séries, e parece complementar o enredo da produção.

Nela, Schwarzenegger faz o que faz de melhor, com tiroteios, explosões e piadas fora de contexto. Mesmo assim, os fãs gostaram de ver o desenvolvimento do astro nas telas.

E a série não apenas captura sua essência, principalmente, mas também faz com que o ator se mescle ao enredo, contando a história com sua própria cara.

Fubar parece acertar nos pontos positivos, equilibrando humor e ação em um protagonista de peso. Além disso, é irreverente, e ri de si mesma, mostrando que Schwarzenegger ainda está no auge.

Rindo de si mesmo

O grande mérito do ator em toda sua carreira televisiva foi nunca se levar a sério. Schwarzenegger sempre interpretou papéis icônicos, como Conan ou Exterminador, mas também foi Um Tira no Jardim de Infância, e a série Fubar soube equilibrar esses dois lados.

A série acompanha o agente da CIA Luke Brunner, um veterano que deseja se aposentar e viver em paz.

No entanto, antes de sair de cena, ele precisa embarcar em uma última missão: resgatar alguém infiltrado no grupo de um perigoso terrorista.

O que ele não esperava era que essa agente fosse sua filha Emma (Monica Barbaro), da qual ele não tinha ideia de que também era uma espiã.

Agora, sua relação passará por testes e conflitos, enquanto tentam manter a operação em sigilo.

Esse é apenas o ponto de partida da trama. Enquanto tentam seguir os passos do criminoso, Luke e Emma precisam aprender a trabalhar juntos, ao mesmo tempo em que surgem conflitos entre os outros membros da equipe.

Aqui, Schwarzenegger se destaca pelo carisma, brincando com suas várias facetas, de grande ator de ação, e também um homem que não tem medo de brincar com a própria idade ou limitações.

Esse tom mais leve funciona muito bem, pois ajuda a disfarçar os erros da série, sem um estilo rígido que busca-se reforçar nas telas. Não é uma superprodução digna de Oscar, mas é um conteúdo interessante e descontraído de ver.

Via CanalTech

Um quê de sitcom

Outro acerto de Fubar é o formato adotado. Quando acompanhamos os dois agentes tentando resolver os obstáculos de família, lembramos de um tipo de trama dos anos 90. O terrorista internacional e as ações exageradas adicionam um elemento novo, sem compromisso.

Ao transformar essa premissa simples em uma série, a produção tem mais tempo para desenvolver não apenas a relação conturbada entre pai e filha, mas também a dinâmica de toda a equipe.

Isso proporciona a Fubar um clima inesperado de sitcom, que permite um melhor desenvolvimento dos personagens e temas, ao mesmo tempo em que utiliza tudo isso para fazer piadas sobre si mesma.

Dessa forma, embora a trama principal seja sempre a perseguição a esse criminoso internacional, cada episódio funciona como uma missão isolada que contribui para o plano geral da CIA.

É a mesma lógica que encontrávamos em séries policiais, mas de uma forma muito mais coesa.

Isso permite que o roteiro explore o quanto Luke e Emma são parecidos, mesmo que relutem em admitir, ao mesmo tempo em que desenvolve suas vidas fora da agência.

Essa faceta civil e familiar é algo que aproxima ainda mais a série das comédias de sitcom, com eventos até bobinhos, como a tensão no noivado dos agentes jovens, ou o grande veterano correndo atrás de sua ex-esposa.

É claro que há partes que funcionam melhor do que outras. A tensão romântica entre membros da equipe é explorada em excesso e não se encaixa tão bem em nenhum dos casos, muitas vezes servindo apenas para impulsionar a história.

No entanto, isso ajuda a dar mais profundidade aos personagens que poderiam ter sido apenas caricaturas de agentes.

Fubar é equilibrado e divertido

Via CanalTech

Mesmo assim, não se pode negar o quão divertido é Fubar. Conhecendo o poder de seu astro, a série utiliza bem a presença de Schwarzenegger para produzir uma comédia de ação inusitada.

Isso é algo que nunca conseguiram replicar igualmente, apesar das tentativas de outros brucutus ao longo dos anos.

Mesmo não sendo um ator de grandes interpretações, é impossível não ficar feliz em ver o velho Schwarzza de volta às telas, envolvido nesse tipo de história mais leve e sempre disposto a rir de si mesmo.

A estrutura de sitcom da trama principal de espionagem funciona muito bem, proporcionando ritmo à narrativa e oportunidades para explorar e aprofundar os personagens. Apesar de alguns tropeços, o resultado é mais do que positivo.

Simples, mas eficiente, Fubar é uma surpresa e um acerto da Netflix. Schwarzenegger continua em excelente forma, o que nos deixa ainda mais empolgados para os próximos capítulos de sua relação com o streaming.

 

Fonte: CanalTech

Imagens: CanalTech, CanalTech

10 filmes em que a vilã é a inteligência artificial

Artigo anterior

Recorde de maior camiseta do mundo feita de recicláveis é dos romenos

Próximo artigo