Natureza

Tsunami de 100 metros pode varrer cidade da Noruega do mapa

0

A rachadura de Åkernes, situada na Noruega, está se alargando a uma taxa de até três centímetros e meio anualmente. Com uma profundidade de 230 metros, ela já se configura como uma das falhas rochosas mais ameaçadoras globalmente.

No entanto, as impressões estão piorando. Especialistas afirmam que um deslocamento de rochas é iminente, e alertam para a possibilidade de desencadear um dos maiores tsunamis registrados na história.

Segundo as projeções alarmantes, caso ocorra um deslizamento de rochas na rachadura de Åkernes, as ondas resultantes poderiam atingir uma assustadora altura de mais de 100 metros.

Essa catástrofe ameaçaria engolir não apenas paisagens, mas também escolas, hospitais e residências localizadas em uma área designada como Patrimônio Mundial da UNESCO.

O desafio para os cientistas é a imprecisão temporal desse evento iminente. A ruptura do penhasco pode ocorrer em alguns meses, mas também pode se estender ao longo de décadas, deixando a população local em um estado de tensão constante.

Via National Geographic

Medidas preventivas

Diante dessas ameaças, medidas preventivas foram adotadas. Um sistema de alerta foi cuidadosamente implementado para possibilitar a evacuação segura da área em caso de emergência.

Além disso, empregaram uma tecnologia de drenagem de última geração na esperança de estabilizar o penhasco e mitigar os riscos associados.

Essas informações foram divulgadas pela National Geographic, destacando a urgência e complexidade da situação que envolve a rachadura de Åkernes. Agora, especialistas correm contra o tempo para conseguir proteger a região.

Sistema de estabilidade

O foco das autoridades nesse momento está em estabelecer um sistema de estabilização para prevenir uma potencial tragédia.

Em todo o mundo, os penhascos rochosos estão se tornando reservatórios de água devido ao aumento das chuvas e ao derretimento das geleiras, fenômenos impulsionados pelas mudanças climáticas.

Esse cenário eleva significativamente o risco de tsunamis desencadeados por deslizamentos de rochas.

Enquanto isso, a ausência de estruturas que segurem as rochas quebradas e escorregadias as coloca em um inevitável curso de queda.

Nos estreitos fiordes do oeste da Noruega, onde penhascos alcançam quase 800 metros de altura, o deslocamento das rochas ao longo de suas paredes poderia resultar em impactos significativos, desencadeando um tsunami de proporções consideráveis.

Riscos

De acordo com as autoridades, aproximadamente dez mil pessoas estão em risco nesta situação específica na Noruega.

Além da vigilância constante da rachadura de Åkernes, o governo norueguês está empenhado em explorar maneiras de prevenir um potencial tsunami fatal.

Em outras palavras, está trabalhando no desenvolvimento de um sistema de estabilização que redirecionaria a água da chuva para fora da montanha.

Os especialistas estão em alerta desde uma tragédia que aconteceu há algumas décadas. O exemplo trágico é de 1963, quando uma rocha se desprendeu do Monte Toc, na Itália, resultando na destruição de uma das barragens mais altas do mundo e na perda de duas mil vidas.

Essa tragédia levou à implementação do primeiro sistema bem-sucedido de drenagem de água de deslizamento de terra no Canadá, seguido por iniciativas semelhantes na Nova Zelândia e nos Alpes Suíços.

A ideia por trás desses sistemas é realizar uma drenagem contínua e constante das águas pluviais na montanha, gerando atrito suficiente entre as fraturas de rocha para estabilizar temporariamente a face rochosa.

No entanto, mesmo as autoridades norueguesas reconhecem a incerteza quanto ao tempo disponível para desenvolver e implementar efetivamente esse sistema crucial.

Via Wikipedia

Rachadura de Åkernes é imprevisível

Um dos pontos levantados pelos cientistas é a imprevisibilidade da rachadura de Åkernes. Isso porque não se sabe quando ela poderá engolir a montanha e causar ondas de proporções épicas.

Com tsunamis de mais de 100 metros de altura, não seria possível sobrar casas, fazendas e prédios, demolindo tudo na região.

Sem uma data, os preparativos precisam acontecer o quanto antes, e pesquisadores já se mobilizam para adquirir mais informações desse evento catastrófico natural.

No entanto, não é possível saber mais no momento, e, enquanto isso, o mundo se posiciona para minimizar possíveis danos se a montanha desabar.

 

Fonte: Olhar Digital

Imagens: Wikipedia, National Geographic

TOP 10: Fatos curiosos sobre a nova Tesla Cybertruck, picape elétrica de Elon Musk

Artigo anterior

Vulcão entra em erupção e mata 11 alpinistas na Indonésia

Próximo artigo