Há muito tempo, se fala sobre o racismo no Brasil. Aliás, muito se fala sobre ele não existir, já que a maioria da população é negra. Essa falsa ingenuidade é conhecida também como o mito da democracia racial, quando todos acreditam que o racismo não existe. No entanto, várias pesquisas e dados apontam o contrário. Os negros são maioria nas prisões, são minoria no mercado de trabalho e em cargos de liderança e são também os que recebem menos.

Mesmo assim, muitos insistem em dizer que o racismo não existe, mas sim, ele existe e há várias formas de provar isso. O que é conhecido como racismo velado, trata-se daquele preconceito que todos carregamos, mas que fingimos não ver. É o que te faz pensar que por ser negro ou negra uma pessoa não é tão qualificada quanto uma pessoa branca. Mas isso é o que as pessoas pensam, não dizem e por isso, é conhecido como velado, porque não é admitido.

Para acabar com esse pensamento de que o racismo não é real e com a intenção de combatê-lo, várias campanhas e estudos têm sido realizados. Com esses estudos, é possível perceber o quanto o racismo está enraizado em nossa sociedade e também em nossa educação.

Teste de Imagem

Publicidade
continue a leitura

O Governo do Paraná, junto da Assessoria Especial da Juventude e do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial, decidiu discutir o racismo. Não apenas discutir, mas mostrar que ele é real e presente em nossa sociedade. Para isso, eles convidaram profissionais reais da área de RH. Eles foram divididos em dois grupos para analisar imagens. Eles deviam descrever o que estavam vendo. As mesmas imagens foram apresentadas para os dois grupos de profissionais. A única diferença é que um grupo viu pessoas brancas e o outro viu pessoas negras, realizando as mesmas ações.

O que aconteceu em seguida foi uma clara demonstração de como o racismo é presente em nossa sociedade. Mesmo sendo a mesma ação em ambas as imagens, sendo que o único diferencial era a cor das pessoas, o julgamento foi completamente contrário. O homem branco correndo, está com pressa, já o negro parece estar fugindo, e "é ladrão". Enquanto que uma mulher branca está limpando sua casa, a negra está trabalhando como empregada doméstica.

Publicidade
continue a leitura

Isso acontece porque desde cedo os negros são estigmatizados. Os cargos considerados inferiores ou aqueles que não requerem tanto conhecimento, são logo ligados às pessoas negras. Assim como as atitudes erradas, que também estão sempre vinculadas às pessoas negras. Quem nunca viu uma manchete que dizia sobre um jovem ter sido preso com drogas, quando se travava de uma pessoa branca e outra falando sobre um bandido ter sido preso, pelo mesmo motivo, mas este era negro? Repare bem no estigma de que bandido é sempre o negro.

Racismo institucional

Publicidade
continue a leitura

Como a própria campanha mostra ao fim, isso é o que chamamos de racismo institucional. Mas afinal, o que é isso? O racismo institucional é qualquer tipo de desigualdade que se baseia unicamente na raça de um indivíduo. É isso que faz com que muitos pressuponham que um menino negro na rua seja um meliante e que o branco só está faltando aula ou passeando.

A verdade é que o racismo existe e precisa ser debatido e combatido. Campanhas como esta são a prova mais clara de que o racismo é uma realidade e que afeta a vida da maioria da população do nosso país, que é negra. Uma maioria que é apenas numericamente reconhecida. Caso a campanha não seja convincente, os dados e números provam o intuito da proposta.

Publicado em: 20/02/19 18h19