Por que a fêmea do louva-a-deus come seus companheiros? - Fatos Desconhecidos

Por que a fêmea do louva-a-deus come seus companheiros?

Curiosidades | Mundo Animal | 21 de fevereiro de 2017 por Magno Oliver

O mundo animal é todo cheio de mistérios. Você sabe por que os abutres não comem presas vivas, por exemplo? Aqui no site da Fatos Desconhecidos, nós já exibimos para você o motivo de eles não comerem suas presas.

Segundo um estudo feito por pesquisadores do Reino Unido e da Alemanha, publicado no G1, demonstrou que “os mamíferos machos tentam impressionar as fêmeas seguindo as regras que elas próprias estipulam para selecionar seus companheiros. Os machos tentam seguir sistematicamente as ordens de suas companheiras. Eles seriam até mesmo capazes de abandonar seus clãs, se acharam que, com isto, podem agradar as fêmeas e conseguir se reproduzir.

A regra entre as fêmeas mamíferas é evitar os machos que eram membros de seu grupo quando elas nasceram, e dar preferência aos que imigraram ao seu clã ou nasceram nele depois delas”.

E algo muito semelhante acontece na relação entre os louva-a-deus. Você sabe por que a fêmea come os seus companheiros?

Existe um motivo que explica o fato de as fêmeas praticarem canibalismo com os machos. De acordo com artigo científico do mentalfloss, “um estudo de 2016, publicado nos Proceedings da Royal Society B., pode ter uma explicação: ser comido poderia realmente aumentar a chance do macho de transmitir seus genes.

Cerca de 25% dos encontros sexuais incluem canibalismo, em que a fêmea literalmente arranca a cabeça do companheiro fora. Ele está, em essência, oferecendo seu corpo como um presente. Esta dádiva sexual não é incomum em insetos.

De uma perspectiva evolutiva, faz muito sentido: as fêmeas podem compartilhar o aumento de nutrientes com seus ovos fertilizados, o que dá aos filhotes uma melhor chance de sobreviver.

O co-autor do estudo, o cientista da Universidade do Estado de Nova York em Fredonia, Wiliam Brown, afirma que “O canibalismo sexual aumenta o investimento do macho nos descendentes.”

De acordo com o portal uol, “pesquisadores incorporaram aminoácidos radioativos rastreáveis em grilos, que então serviam de alimento para uma população de louva-a-deus machos. Cada um desses machos era, depois, colocado em par com uma fêmea.

Metade deles foi resgatado das amantes antes do canibalismo acontecer, enquanto a outra metade… bem, você sabe o que aconteceu. Os pesquisadores definiram a tarefa de estudar o sucesso reprodutivo de cada fêmea envolvida.

Ao seguir o fluxo das proteínas radioativas através dos corpos das fêmeas, os cientistas conseguiram rastrear a contribuição feita pelos machos recém-devorados. Os machos que foram comidos passaram adiante cerca de 90% dos aminoácidos observados, enquanto os que sobreviveram transmitiram 25% deles – todos foram entregues via ejaculação.

Uma parte significativa dos aminoácidos foi passada para os bebês, o que indica que não foi totalmente metabolizada pelas fêmeas. Isso significa que, além da ejaculação do macho, seu tecido corporal também estava sendo usado na produção de ovos. O macho – através da sua morte – está fornecendo alimentos para a sua prole.

As fêmeas que comeram seus parceiros produziram mais ovos do que as que não comeram. Em média, as fêmeas canibais produziam cerca de 88 ovos, enquanto as outras produziam cerca de 37. É uma diferença bem grande, uma que dá aos machos canibalizados uma vantagem reprodutiva distinta.”

Você já viu algum macho ou fêmea de louva-a-deus? O que achou dessa relação de canibalismo sexual? Mande aí seu comentário para gente!

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Comentários