• MAIS LIDAS
  • QUIZ
  • VÍDEOS
  • ANUNCIE

5 truques que os políticos mais usam para te enganar e conseguir seu voto

POR Pietro Bottura    EM Curiosidades      06/10/14 às 00h45

Antes de mais nada, se você não sabe, é tudo mentira. TUDO. Do sorriso ao discurso, passando pela roupa imaculada e a postura perfeita. Inclusive, se você acha que a imagem não faz diferença, talvez se surpreenda ao saber que, em pesquisa realizada pela Universidade de Tufts, nos EUA, a primeira impressão é a que fica.

Analisados por um grupo de voluntários, diversos vídeos com 2 segundos (apenas) foram mostrados, contendo professores dando aulas. Baseados naquele micro instante, os voluntário precisavam dizer quais pareciam ser melhores ou piores. E surpresa (ou não): depois de um semestre, os que haviam recebido a melhor avaliação eram os preferidos de suas turmas, o que mostra que postura, vestimentas e aparência na verdade são sim diretamente proporcionais ao carisma - já que o conteúdo das aulas, que provaria a qualidade ou não de seus cursos, não foi sequer mencionado na pesquisa.

Outro efeito é o uso das cores: na sua campanha, Barack Obama alternou entre gravatas vermelhas e azuis, que passam a imagem de agressividade e calma, respectivamente. Outro detalhes são o aumento das pupilas em imagens de políticos, o que passa uma ideia de envolvimento emocional e vivacidade. Se quer saber de alguns outros truques do marketing político, confira nossa lista:

1) Aperto de mãos

Batman-and-Robin-60s-handshake

Segundo especialistas, o número exato é 6 balançadas, um tanto mais longo que o comum, justamente para passar uma ideia de que há apreço pela pessoa. Santa falsidade, Batman!

2) A infestação na mente do eleitor

find-and-shut-up-those-annoying-music-video-playing-tabs-your-browser.w654

Os jingles são uma criação do capiroto, e por isso servem tão bem aos políticos, associados do tinhoso. Isso porque o que as músicas fazem burla nossa própria lógica: quando decoramos uma música, decoramos sem querer o número de um candidato, que, para a maioria das pessoas sem escolha definida, lá na hora da urna pode acabar virando um voto - e geralmente vira.

3) Debates: você acredita neles?

Os debates são altamente manipulados, e um dos mais longínquos exemplos é do duelo entre os presidenciáveis estadunidenses Richard Nixon e John Kennedy. O primeiro suava facilmente, e por isso pediu a um de seus assessores que aumentasse os níveis do ar condicionado. Ja o assessor de Kennedy, esperto, mandou que o aparelho fosse desligado quando Kennedy confrontava Nixon, o que o fez suar e passou uma imagem de insegurança para os milhões de telespectadores acompanhando a cena. Kennedy ganhou, e a margem de votos contou com apenas 100 mil a mais. Será que se ele não tivesse suado o resultado teria sido diferente?

4) Ataques pessoais e seus limites

stink

Apesar das rivalidades entre políticos serem algo comum, até chegando ao nível de ofensas, isso tudo serve apenas para gerar atenção. Afinal, quando a briga vai longe demais, acaba dando errado. Foi o caso do republicano estadunidense Carl Paladino, que, em 2010, mandou cartas a 200 mil eleitores com fotos dos outros candidatos, aromatizadas com lixo (?!), com os dizeres "há algo fedendo aqui". Os eleitores não gostaram da brincadeira estranha, e Paladino perdeu a eleição.

5) Humildade conta votos

Seja pra parecer alguém que conquistou a vida para os ricos, ou um pobre que teve sorte, mostrar candidatos como humildes e "do povão" é talvez a forma de marketing mais banal que existe, chegando ao ridículo de políticos irem para comunidades carentes apenas para serem fotografos segurando bebês e dando as mãos para desconhecidos.

Jânio Quadros plantava caspa falsa em suas roupas. FHC comeu buchada de bode e andou de jegue. Não vou nem tocar no nome "Marina Silva". Mas quem ganha a disputa é o estadunidense (de novo) Neel Kashkari, do partido republicano da Califórnia, que se sujeitou a viver como um mendigo por uma semana, procurando empregos, lavando pratos e o chão, mas continuando desempregado. Nada demais, se ele não fosse um milionário na vida real - que, como todo milionário, não conseguiria viver de serviços gerais no mundo real! Infelizmente, no caso dele, isso acabou afetando negativamente a campanha, apesar de ainda não haver resultado de vitória ou derrota.

Próxima Matéria
Pietro Bottura
EQUIPE FATOS DESCONHECIDOS, BRASIL
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, Clique aqui.


Matérias selecionadas especialmente para você


Fatos + Deezer (Podcast)

Curta Fatos Desconhecidos no Facebook
Confira nosso canal no Youtube
Siga-nos no
Instagram
Siga Fatos Desconhecidos no Google+