História

A Europa também foi colonizada e a prova disso está no DNA

0

Quando falamos sobre colonização, é comum pensar que a Europa foi a precursora da exploração dos povos. No entanto, não é bem assim.

Nossa habilidade de aprender mais sobre nossos antepassados mais antigos agora atingiu um patamar sem precedentes. Graças aos avanços tecnológicos, os cientistas que colaboram com arqueólogos agora conseguem datar restos mortais precisos. Essa descoberta aponta que a Europa também teria sido colonizada.

A paleogenética possibilitou a análise da sequência completa do genoma de indivíduos que viveram há dezenas de milênios.

Como resultado, trouxeram uma riqueza de novos dados que se tornou acessível, revolucionando nossa compreensão do passado à medida que novas descobertas emergem.

Com isso, descobrimos, por exemplo, que europeus são descendentes de três migrações distintas de povos provenientes de diferentes regiões: África, Oriente Médio (Turquia) e Estepes (sul da Rússia/leste da Ucrânia).

Ancestralidade

Via Freepik

Os europeus contemporâneos, independentemente de sua nacionalidade ou local de residência, são uma fusão de várias linhagens ancestrais. Os primeiros antepassados chegaram ao continente vindos da África, do Oriente Médio e da Rússia.

A paleogenética possibilitou a análise da sequência de DNA de genomas completos de seres humanos, utilizando dentes e ossos antigos como fonte de material.

Essa análise do genoma proporciona uma quantidade de informações comparável aos testes de sequenciamento de DNA feitos em casa.

Podemos descobrir desde características como cor dos olhos e cabelos até a tolerância à lactose. De maneira semelhante aos kits de testes domiciliares, esses testes de genoma revelam pistas sobre as identidades dos antigos ancestrais e suas migrações pelo mundo.

Pré-história

Três grandes migrações populacionais parecem ter influenciado significativamente o desenvolvimento da pré-história europeia, trazendo consigo arte, agricultura, cavalos domesticados e até mesmo a invenção da roda.

A última dessas três ondas de colonização ocorreu aproximadamente há 5.000 anos, quando migrantes da estepe russa chegaram, coincidindo com o período de construção de Stonehenge.

Por volta de 45 mil anos atrás, a primeira onda de colonizadores partiu da África e alcançou a Europa através do Oriente Médio. Evidências de DNA sugerem que esses indivíduos possuíam pele escura e olhos claros.

Esses primeiros colonos subsistiam como caçadores-coletores, levando uma vida nômade em pequenos grupos. Eles ficaram em assentamentos próximos às margens dos rios, principalmente ao longo do Danúbio, desde o Mar Negro até a Europa Central e Oriental.

Os neandertais, cujos antepassados haviam migrado da África para a Europa milhares de anos antes, já estavam adaptados às condições severas do clima frio.

Análises de DNA indicam que a primeira onda de colonizadores africanos (Homo sapiens) se misturou com os neandertais, que desapareceram aproximadamente há 5.000 anos.

Via World History

Durante esse período, a Europa estava no auge da Era do Gelo, com camadas de gelo cobrindo vastas áreas do continente. Os primeiros humanos modernos se estabeleceram no sul da Europa, onde as condições eram mais amenas.

Esses colonos dependiam da caça de grandes mamíferos, como mamutes, renas, cavalos e auroques (ancestrais do gado moderno), para sua subsistência.

Nas cavernas, onde encontravam abrigo das adversidades externas, deixavam pinturas e gravuras impressionantes, retratando suas presas, como as encontradas na Caverna de Altamira, no norte da Espanha.

No entanto, cerca de 14.500 anos atrás, a Europa começou a experimentar um período de aquecimento. Com as mudanças climáticas, as populações humanas acompanharam o recuo das geleiras, migrando em direção ao norte.

Começo da colonização

Tudo começou na planície de Konya, que representa uma vasta extensão de terra fértil localizada na Turquia contemporânea, onde a prática da agricultura remonta aos primórdios da civilização.

Durante muito tempo, acreditava-se que os europeus adotaram os métodos agrícolas do Levante, mas o processo exato era incerto. No entanto, evidências de DNA estão contribuindo para esclarecer essa migração.

Em 2014, pesquisadores fizeram uma descoberta crucial ao perceber que o osso petroso, uma pequena estrutura do ouvido interno, preserva o DNA por um período prolongado, mesmo quando outras partes do corpo já perderam essa capacidade.

Amostras retiradas da planície de Konya revelaram que o DNA era compatível com o de agricultores que residiam centenas de quilômetros ao noroeste.

Essa constatação indicava que os habitantes da Anatólia haviam migrado, levando consigo não apenas seu modo de vida, mas também seus genes. A assinatura genética da Anatólia está presente em todos os lugares onde a agricultura surgiu inicialmente na Europa.

Ao longo dos séculos, os descendentes desses migrantes expandiram para o oeste e sul, colonizando ilhas como a Sardenha e a Sicília, além de estabelecerem-se na região que hoje conhecemos como Portugal.

Esses colonos exibiam características como pele clara e olhos escuros, em contraste com muitas das características dos povos caçadores-coletores da onda migratória anterior. Os grupos tendiam a manter sua homogeneidade genética, com casamentos interétnicos sendo raros.

Cultura

Séculos mais tarde, aproximadamente 5.400 anos atrás, uma nova cultura emergiu, conhecida como Cerâmica Cordada devido à sua cerâmica característica, decorada através da impressão de barbantes na argila molhada.

Quando os pesquisadores começaram a analisar o DNA desse povo, esperavam encontrar semelhanças com os agricultores neolíticos europeus. No entanto, descobriram genes distintos, previamente não presentes na Europa.

Surpreendentemente, o povo da Cerâmica Cordada demonstrou uma ligação estreita com os nativos americanos, em vez de com os povos neolíticos europeus, adicionando um novo mistério a essa narrativa.

Cerca de 5.000 anos atrás, nas estepes do sul da Rússia e do leste da Ucrânia, um grupo de nômades conhecido como Yamnaya iniciou sua migração para a Europa.

Esses nômades foram os primeiros a domesticar cavalos e a dominar a técnica da roda.

Com base em evidências genéticas, muitos dos povos da Cerâmica Cordada eram descendentes dos Yamnaya. Além disso, os Yamnaya também compartilhavam uma ancestralidade distante com os nativos americanos, cujos antepassados migraram da Sibéria.

Os Yamnaya introduziram na Europa cavalos domesticados, um estilo de vida nômade com carroças, novas ferramentas e a habilidade de produzir cerâmica artesanal, possivelmente contribuindo para o avanço da região em direção à Idade do Bronze.

Via Dan Davis

Novos povos

Os geneticistas também detectaram a presença de Yersinia pestis, o micróbio responsável pela peste, no DNA de algumas amostras dos Yamnaya.

Esses nômades provavelmente estavam familiarizados com a doença, desenvolvendo imunidade ao longo do tempo, ao mesmo tempo em que inadvertidamente transmitiam a condição a populações que não estavam preparadas para lidar com ela durante suas migrações.

Esse fato pode explicar a rápida disseminação da peste durante a expansão dos Yamnaya por todo o continente europeu.

Além disso, a chegada dos Yamnaya à Europa coincide com um período que é associado à disseminação inicial das línguas indo-europeias.

Embora se acredite que todas essas línguas tenham uma origem comum, não está claro se foram os Yamnaya ou os agricultores neolíticos que as levaram consigo.

Atualmente, o impacto genético desses grupos no DNA europeu varia de acordo com as regiões. De maneira geral, o legado genético é uma mistura aproximadamente equitativa de contribuições dos Yamnaya e dos agricultores da Anatólia, com uma influência muito menor dos povos caçadores-coletores africanos.

 

Fonte: MSN

Imagens: Dan Davis Author, Freepik, World History

Como será um dia na Terra daqui a 200 milhões de anos? Aqui está a resposta de um grupo de cientistas

Previous article

Evolução animal: enquanto os machos buscam ter melhores armas, as fêmeas desenvolvem cérebros maiores

Next article

Comments

Comments are closed.