Curiosidades

Cachorro mais valioso do mundo custa R$ 600 mil. Conheça Rope Daddy

0

O cachorro é o melhor amigo do homem. Do mesmo jeito que nosso bichinho quer o nosso bem-estar, nós queremos o dele. Quem tem um cachorro em casa sabe que o animal se torna um membro da família. Por isso os tutores sempre desejam que seus cães sejam eternos, mas infelizmente a realidade não é essa.

Mas isso não impede que os tutores aproveitem o máximo dos seus bichinhos e os tratem como membros da família, ou até melhor. E alguns animais se destacam dos outros por fatores bem peculiares.

Cachorro mais valioso

Como por exemplo, esse buldogue francês de pelagem cor de creme, olhos dourados e bochechas enormes, chamado Rope Daddy, que é tido como o cachorro mais valioso do mundo. De acordo com Julian Montoya, o tutor do animal, ele vale 95 mil euros, equivalente a 605 mil reais.

O que faz com que o animal seja tão lucrativo é seu corpo musculoso e sua cabeça quadrada por conta da estética conhecida como Big Rope, um termo usado para descrever cães com muitas rugas ou dobras acima do nariz.

E como é de se esperar, criar o cachorro mais valioso do mundo não é uma coisa barata. Para se ter uma ideia, mensalmente, Julian gasta aproximadamente 275 euros, ou 1.753 reais, apenas com alimentação para o animal. No caso, Rope Daddy come carne crua, vegetais e iogurte grego.

Outro gasto, de cerca de 3.300 euros, cerca de 21 mil reais, é com suplementos para garantir que o cachorro se mantenha com a melhor aparência possível.

Controvérsias

Mesmo Rope Daddy sendo conhecido por ser amigável e ter um temperamento equilibrado, vários especialistas em animais de estimação se preocupam com animais dessa raça. De acordo com O Globo, por terem uma “vida mansa”, esses cachorros podem ter vários problemas de saúde. Como por exemplo, infecções de pele por causa da umidade, acúmulo de sujeira nas dobras da pele e complicações respiratórias por conta do focinho achatado.

Além disso, alguns críticos pontuam que raças como a de Rope Daddy deveriam ser desencorajadas por conta dos riscos de saúde que elas enfrentam. E isso não se resume à raça desse animal. Tanto é que isso é um debate entre os amantes de animais e especialistas em bem-estar animal por muito tempo.

Mesmo assim, os buldogues franceses atraem muitas pessoas porque têm uma aparência marcante e são companheiros excelentes, principalmente para crianças e outros cachorros.

Recorde

Assim como Rope Daddy, outros cachorros quebram recordes. Como por exemplo, Bobi, considerado o cachorro mais velho do mundo com 31 anos. No entanto, em janeiro, o Guinness World Records suspendeu o recorde de Bobi. Isso aconteceu depois de dúvidas a respeito da veracidade sobre a idade dele, que foram apontadas por um time de veterinários.

De acordo com o próprio Guinness, o recorde de cachorro mais velho do mundo era desse animal nascido no dia 11 de maio de 1992. O cachorro, que morava na aldeia de Conqueiros, em Portugal, teve uma vida bem longa, morrendo em outubro do ano passado.

Até o momento, a equipe do Guinness World Records disse que o título de cachorro mais velho de todos os tempos foi suspenso, “enquanto uma revisão está em andamento”.

Segundo uma nota enviada por eles na terça-feira dessa semana, a medida foi adotada com relação a Bobi depois que eles receberam vários questionamentos de veterinários. Outros profissionais também fizeram questionamentos públicos nas redes sociais.

Todos esses questionamentos foram feitos porque, em média, um animal da raça mastim-português, também conhecida como rafeiro-do-Alentejo, vive entre 10 e 14 anos, o que mostra o quão fora da realidade era a idade de Bobi.

Defendendo o cachorro, o tutor Leonel Costa confirmou a idade do seu antigo pet. Ainda conforme ele, a organização do Guinness ficou um ano fazendo revisões dos dados antes de dar o recorde para o animal, além disso, ele afirmou que não ganhava nenhum dinheiro por conta do recorde do seu pet.

Bobi não tinha somente um recorde, mas dois. Ele era o cachorro mais velho do mundo e o cachorro vivo mais velho. Depois que ele morreu, o Guinness já estava à procura de um novo animal para ter esse título. Antes de Bobi, o recorde era de Spike, um chihuahua dos EUA. Até dezembro de 2022, o animal tinha 22 anos e pesava 5,85 quilos.

E com a suspensão do recorde de Bobi como cachorro mais velho, é de se assumir que, pelo menos temporariamente, o recorde volte ao antecessor. Nesse caso, o recorde era de Bluey, um boiadeiro-australiano da Austrália que viveu aproximadamente 29 anos, de 1910 até 1939.

Fonte: Aventuras na história, Canaltech

Imagens: Instagram

O que acontece no corpo quando você usa drogas sintéticas?

Artigo anterior

Por que a Casa Branca quer que a Lua tenha seu próprio fuso horário?

Próximo artigo