História

Como é a Argolândia, continente perdido e achado após 155 milhões de anos

0

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Utrecht, na Holanda, divulgaram informações sobre a Argolândia.

Esse teria sido um continente formado há 155 milhões de anos, desaparecido da face da Terra até o momento.

Embora existam muito céticos quanto à localização desse continente, os cientistas estão animados com a descoberta.

O que é Argolândia?

Via UOL

A Argolândia, um território com impressionantes 5.000 quilômetros de extensão, intrigou os cientistas por muito tempo.

Sua existência era conhecida, mas decifrar seu paradeiro permanecia um desafio intrigante para a comunidade científica. Este continente perdido tinha suas raízes na separação do oeste da Austrália em eras geológicas passadas.

Hoje sabemos que o local é a Austrália. No entanto, no passado, ele era parte do supercontinente de Gondwana, que abrangia vastas porções da Terra, incluindo a América do Sul, a África, a Índia e a Antártida.

Nesse caso,, a Argolândia era uma extensão significativa dessa terra ancestral. A sua desconexão e desaparecimento gradual deram origem a um mistério geológico.

A confirmação da existência da Argolândia foi possível graças a diversos vestígios encontrados ao redor da região.

Fósseis, cadeias de montanhas e formações rochosas contribuíram para traçar a história desse continente perdido.

Além disso, a Planície Abissal de Argo, uma vasta bacia localizada nas profundezas do oceano na região oeste da Austrália, serve como um testemunho da presença e posterior desaparecimento da Argolândia.

Onde o continente está?

A história geológica desse pedaço de terra perdido é um quebra-cabeça para os cientistas, que continuam a explorar e desvendar os mistérios por trás da Argolândia.

Após a separação definitiva da Austrália, a Argolândia, como continente distinto, enfrentou um destino fragmentado, revelando uma jornada complexa de transformações geológicas ao longo do tempo.

Geólogos holandeses foram fundamentais na descoberta e análise desses eventos.

Os pedaços da Argolândia foram variados. Uma porção significativa do continente afundou, encontrando seu lugar nas profundezas das placas oceânicas sob o sudeste da Ásia.

Esse fenômeno contribuiu para a formação de características geológicas únicas nessa região, deixando uma marca indelével na paisagem submarina.

Além disso, a presença de fragmentos da Argolândia não se limita apenas às profundezas oceânicas.

Países como Indonésia e Mianmar abrigam vestígios desses fragmentos continentais, testemunhando a dispersão e incorporação dessas peças do que já foi um único continente.

A análise desses fragmentos fornece insights sobre os processos geológicos que moldaram não apenas a Argolândia, mas também as paisagens atuais dessas regiões.

Assim, a história da Argolândia não se encerra com sua separação da Austrália, mas continua a surgir através dos destinos distintos que seus fragmentos seguiram.

Como os cientistas encontraram?

Via UOL

A busca pelo paradeiro dos fragmentos da Argolândia envolveu uma combinação de tecnologia avançada e uma dedicação por parte dos cientistas.

Utilizando modelos de computador, a equipe se empenhou em desvendar os mistérios dessa terra perdida, uma tarefa que consumiu sete anos de pesquisa.

O desafio era significativo, pois os pesquisadores estavam lidando com ilhas dispersas de informação.

A complexidade do quebra-cabeça geológico, somada à fragmentação da Argolândia em diferentes pedaços, tornou a investigação uma jornada longa e meticulosa.

Eldert Advokaat, um dos cientistas envolvidos no estudo, expressou a dificuldade enfrentada durante esses sete anos, destacando a natureza desafiadora e fragmentada das informações disponíveis.

A pesquisa não apenas revelou a localização dos pedaços da Argolândia, mas também propôs uma nomenclatura alternativa para esse conjunto de fragmentos.

Os pesquisadores sugerem que o termo “Argopélago” seja adotado, refletindo a descoberta de que a Argolândia se dividiu em várias partes distintas.

Essa proposta de nomenclatura destaca não apenas a complexidade da pesquisa, mas também a importância de reconhecer a diversidade geológica dos diferentes elementos que compunham originalmente esse continente perdido.

O que falta descobrir?

Além de desvendar os mistérios da Argolândia e dos fragmentos dispersos, os cientistas empenham-se em compreender um fenômeno conhecido como a “linha Wallace”.

Esta divisão representa uma barreira invisível que separa a fauna do sudeste asiático da encontrada na Austrália, criando distinções entre as espécies dessas regiões.

A peculiaridade dessa linha reside na diferença entre os animais a oeste e a leste dela, que se recusam a se misturar.

Do lado ocidental, encontram-se mamíferos placentários, como macacos, tigres e elefantes, enquanto, na porção oriental, predominam marsupiais, como o icônico canguru, e aves como as cacatuas.

A existência dessa barreira natural levanta questões intrigantes sobre os processos de evolução da biodiversidade e do clima no planeta.

À luz das descobertas relacionadas à Argolândia, os cientistas buscam desvendar os mecanismos que moldaram a fauna e a flora das regiões separadas por essa linha distintiva.

Compreender como esses animais evoluíram de maneira tão distinta e as influências climáticas que contribuíram para essas diferenças é fundamental para desvendar os segredos da biodiversidade terrestre.

Assim, a pesquisa não se limita apenas à geologia e à localização dos fragmentos continentais, mas se estende ao reino da biologia e ecologia, promovendo uma compreensão mais abrangente dos processos que moldam a vida em nosso planeta ao longo do tempo.

 

Fonte: UOL

Imagens: UOL, UOL

Conheça a coelha com o pelo mais comprido do mundo

Artigo anterior

Do Safra ao Itaú: quem são as bilionárias brasileiras na lista da Forbes

Próximo artigo