Curiosidades

Conheça a história do homem que foi preso por ter barba

0

Hoje em dia, a barba é uma grande tendência. Há quem diga que isso é, na verdade, a maquiagem do homem. Está cada vez mais comum encontrar pessoas que prefiram se relacionar com homens que tenham barbas cheias e bem cuidadas. No entanto, nem sempre foi assim. Durante parte da história, ela ficou totalmente fora de moda. De fato, em determinados momentos, os homens que tinham pelos faciais eram determinados lunáticos, hereges e totalmente sem higiene. No entanto, um caso na Inglaterra no século XVI, durante o reinado do rei Henrique VIII chamou a atenção e, hoje em dia, ainda choca.

Nesse período foi aprovado uma lei dizendo que todos os homens estavam terminantemente proibido de usar barba. Essa lei era para todos, exceto o rei, alguns amigos íntimos e líderes da Reforma Protestante. Esses podiam continuar cultivando. Para o rei, era um imenso prazer desfrutar de sua barba enquanto os outros precisavam pagar impostos para ter pelos faciais. Essa lei não durou muito. Por causa dela, a barba era vista como uma característica malvista por muitos. Inclusive, resultou na prisão de um homem muitos anos mais tarde nos Estados Unidos.

Em meados de 1830, um veterano da guerra de No Town, um pequeno povoado americano de Massachusetts, viva em suas terras, de forma tranquilo. No entanto, ele é lembrado como o homem que foi preso por defender o direito de escolher ser diferente. Joseph Palmer era o seu nome e ele foi preso apenas por ter uma barba. Confira conosco mais detalhes.

Joseph Palmer e sua barba

Após batalhar na Guerra Anglo-Americana de 1812, Joseph decidiu se isolar da sociedade. Tudo o que queria era viver uma vida calma e pacífica como agricultor. Palmer ostentava uma grande barba, sendo influenciado por um pregador itinerante que conheceu na infância. No entanto, as barbas eram muito pouco convencionais na época, logo ele passou a ser considerado desajeitado e bastante excêntrico. Joseph era constantemente ridicularizado por sua aparência, mas não queria mudar.

Ele insistia em ter barba. Quando o pastor local pedia para que ele fizesse sua barba, pois estava parecendo o “diabo”, ele respondia com audácia: “Se bem me lembro, Jesus usava uma barba não muito diferente da minha”. Cinco anos depois, algumas pessoas estavam insatisfeitas com o seu rosto barbudo e decidiram atacá-lo. O objetivo era raspar sua barba para “limpar sua alma”. Palmer conseguiu se livrar dos ataques e esfaqueou dois dos agressores na coxa. No entanto, isso causaria problemas ainda maiores.

Embora tenha apenas se defendido dos ataques, Palmer era “minoria” na sua cidade. Assim sendo, uma reviravolta provocada por falsos testemunhos fez com que ele fosse julgado e condenado a pagar indenização aos esfaqueados. Ou faria isso, ou passaria um ano e meio na cadeia de Worcester Country. Palmer se considerava inocente e se recusou a pagar a indenização. Desta forma, foi preso.

Prisão de Palmer

Depois de preso, o homem começou a escrever um diário elaborado sobre sua vida na prisão. Ele era visto como um vagabundo lunático no mundo exterior e tratado da mesma forma na prisão. Na cadeira, todos os seus critérios sociais eram malvistos por carcereiros sádicos. Esses tentavam de tudo para denegrir seus hábitos não muito ortodoxos. Diversas vezes foi espancado quase até a morte, além de ficar em confinamento solitário. Ainda assim, se manteve firme.

Ele manteve sim seus ideais até mesmo durante os momentos em que outros presos alvejaram e tentaram raspar sua barba. Palmer, diante disso, tornou a vida de seus rivais mais difíceis do que a dele. Os presos conheceram, com o passar do tempo, o melhor homem por trás da barba e passaram a respeitá-lo depois que viram que ele faria qualquer coisa para protegê-la. Ele sempre escrevia cartas ao xerife da cidade. Ele não pedia libertação, mas para melhorar as condições de vida na prisão.

Segundo ele, não eram habitáveis por qualquer meio. No fim das contas, essa ação agradou bastante os prisioneiros. Em determinado momento, sua insistência em ter direito de ostentar a barba chegou ao ponto em que o mesmo juiz que o colocara na prisão o implorou para que ele pagasse uma pequena quantia para ser liberto. Palmer só aceitou pagar a multa quando recebeu uma carta de sua mãe, que na época tinha 80 anos. Na carta, ela pedia que ele pagasse a quantia para voltar para casa.

E aí, o que você achou dessa matéria? Comente então pra gente aí embaixo.

5 casos de pessoas desaparecidas que intrigam os investigadores

Matéria anterior

7 curiosidades sobre Eu, a Patroa e as Crianças que você não sabia

Próxima matéria

Comentários

Comentários não são permitidos