Natureza

Descubra o processo de fabricação da seda e o dilema ético de suas origens

0

A seda é um tecido único, que desperta fascínio desde tempos mais antigos. Símbolo de status e luxo, essa matéria-prima era reverenciada por aristocratas romanos e árabes, realçando não apenas a beleza e o conforto, mas também a durabilidade que a diferenciava de outros tecidos.

Além disso, a escassez no mercado apenas intensificava seu valor e atração nas camadas sociais mais elevadas.

Guardado em segredo por artesãos chineses por mais de um milênio, o método de produção da seda era um trunfo para a China.

Esse segredo desempenhava um papel crucial na consolidação do país como principal player no comércio global, especialmente durante os dias da lendária Rota da Seda, quando ela viajava por milhares de quilômetros.

O valor atribuído a esse tecido era tão alto que, em certas circunstâncias, ele assumia a função de moeda, sendo equiparado ao ouro em termos de peso.

A persistente busca por essa fibra mantém a seda como um símbolo de refinamento e posição social, que dura até os dias de hoje.

Qual a origem da seda?

Via Wikipedia

A seda é uma fibra que tem origem na saliva dos pequenos insetos conhecidos como bichos-da-seda (Bombyx mori).

No início da vida desses insetos, eles têm a habilidade de produzir um fio contínuo por meio de suas glândulas sericígenas, formando assim um casulo protetor para sua fase de metamorfose em mariposa.

A extração desses casulos acontece por meio da sericicultura, uma prática milenar. Os agricultores criam um ambiente controlado para que as mariposas depositem seus ovos em papel especial, permitindo que as larvas se desenvolvam.

Essas larvas se alimentam exclusivamente com folhas de amoreira e, após aproximadamente 35 dias, estão prontas para começar a tecer seus casulos.

O processo tradicional envolve a eliminação do bicho-da-seda, geralmente por fervura ou vapor, antes de concluir a formação do casulo. Isso não apenas encerra a vida do inseto, mas também amolece uma substância química chamada sericina.

Se não receber tratamento, a sericina fará com que a seda fique mais dura após a formação do casulo.

O próximo passo é o desenrolamento dos casulos, desfiando cuidadosamente em uma única fibra extensa, muitas vezes obtendo centenas de metros de comprimento.

Essas longas fibras são entrelaçadas para criar o fio de seda, que, por fim, é tecido para se transformar no tecido utilizado comercialmente.

A seda é vegana?

Tradicionalmente, a seda não está alinhada com os princípios do veganismo, que exclui o uso de produtos e subprodutos animais, especialmente quando envolvem danos aos animais.

Os processos convencionais de produção são incompatíveis com essa filosofia.

Produção contemporânea

Na atual fabricação de seda, o ciclo de vida dos bichos-da-seda domesticados da espécie Bombyx mori possui controle estrito.

Quando atingem o estágio de crisálida dentro de seus casulos, é comum sacrificar esses casulos para a colheita.

Estima-se que aproximadamente 2.000 a 3.000 bichos-da-seda passem pelo sacrifício para produzir cerca de meio quilo.

Essa prática recebe diversas críticas e se tornou tema de debates éticos, especialmente por parte de grupos defensores dos direitos dos animais.

É possível produzir seda de maneira ética?

Na Índia, pesquisadores desenvolveram um método de colheita de seda que não prejudica nem mata as larvas.

Conhecida como seda ahimsa, também chamada de seda ética ou seda da paz, essa abordagem mantém as práticas tradicionais de sericultura, mas permite que as larvas saiam de seus casulos. Às vezes, cortam-se os casulos, removendo as pupas.

Quando as pupas podem eclodir, passam aproximadamente de 7 a 10 dias adicionais nos casulos, que começam a endurecer.

Isso geralmente resulta em menor rendimento e fios quebrados em vários segmentos, resultando em um tecido menos refinado.

Devido à sua complexidade de produção, a ahimsa tem um custo mais elevado em comparação com a seda de criação convencional.

Apesar disso, ela tem ganhado popularidade e é considerada uma alternativa viável na indústria da moda.

Via Pexels

Por que a seda ainda é tão desejada?

A seda mantém sua alta estima, em parte devido à sua capacidade única de modificar tons e cores com a incidência da luz.

Essa característica vem das proteínas fibroína, com sua forma triangular, que desviam a luz de maneiras particulares, conferindo um brilho único e uma aparência que atrai a atenção.

Além disso, une apelo estético, a resistência e as propriedades antimicrobianas. Isso consolidou esse tecido como um material destacado na área da biomedicina.

Por fim, seus usos históricos na medicina estão sendo ampliados, com pesquisas recentes explorando sua aplicabilidade na regeneração da pele.

 

Fonte: Só Científica

Imagens: Pexels, Wikipedia

Qual deve ser o tempo mínimo de uma sessão de terapia para ela fazer efeito?

Artigo anterior

Cientistas encontram mamífero da época dos dinossauros considerado extinto

Próximo artigo