Um dos aplicativos que as pessoas mais usam é o de corridas de carro. São tantas corridas feitas que, às vezes, o passageiro nem percebe que o valor da corrida está mais caro que o normal. Claro que essa mudança pode ser por conta do horário, mas também pode ser por conta de motoristas usando um truque ilegal.

Usando esse recurso os motoristas são capazes de fingir que estão em uma determinada localização para pegar a tarifa dinâmica daquele lugar, o que faz com que o preço das corridas seja maior. Essa forma já está tão popular que ganhou até nome. Ela é conhecida como macete do pescador.

Truque

Gazeta de Alagoas

Para usar esse truque, o motorista baixa o aplicativo que gera sua localização fake e então desabilita o compartilhamento de localização no aplicativo da Uber. Então, para que ele saiba quais são os lugares que estão com tarifa dinâmica ele usa um outro app chamado “rebU”.

Quando ele descobre onde está a tarifa dinâmica, ele entra no aplicativo do GPS falso e seleciona aquela localização. Com isso feito, ele volta para o app da Uber para ligá-lo, e o último passo é voltar ao app de localização falsa e desligá-lo.

Mesmo que tudo isso tenha sido feito previamente, para o app da Uber, o motorista está correto e apto a começar a fazer suas viagens já que ele “voltou” para sua localização real. No entanto, na realidade, o motorista irá fazer suas corridas com a tarifa mais alta da região que ele colocou. É dessa maneira que toda a “pesca” é feita.

“Esse tipo de instrução, sobre como fazer o macete, muitas vezes é até comercializada, inclusive. Entretanto, geralmente quem pratica esse tipo de ação se utiliza de contas fakes, porque o motorista que está ciente dos riscos não vai querer arriscar o próprio perfil. As plataformas, logo que descobrem esse tipo de coisa, a primeira medida delas é desligar o prestador de serviços”, disse Eduardo Lima, presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativo de São Paulo (Amasp).

Posicionamento

Techtudo

Se esse truque já é tão conhecido que tem até nome, é claro que as pessoas querem saber o que a Uber tem a dizer sobre isso. A empresa deu um posicionamento para o UOL.

“O comprometimento global da Uber em relação a investigações é diário. Utilizar de artifícios como o GPS fake ou manipulação do aplicativo pode ser caracterizado como uma atividade fraudulenta e gerar a desativação do motorista. Inclusive, nessa página é possível encontrar mais detalhes sobre esse assunto: t.uber.com/fraudes. Infelizmente, esquemas de fraudes estão frequentemente em evolução e é por isso que a Uber está comprometida em atualizar e fortalecer seus processos internos para se proteger deles. Além de sempre implementar novos processos e tecnologias, há treinamentos constantes dos especialistas para ficar à frente dos golpes que afetam toda a comunidade que usa a plataforma”, disse a empresa.

Isso realmente acontece porque, de acordo com relatos de motoristas que usaram o truque em grupos do Telegram, eles sofreram penalidades e até são banidos por usarem essa forma “mais fácil” de conseguir um dinheiro a mais.

Motorista

Aventuras na história

Por mais que existam motoristas que tentem ganhar de uma forma ilegal, existem aqueles que se destacam por uma boa ação, como por exemplo, a usuária do TikTok conhecida somente como Roni. A motorista viralizou na rede social depois de ter publicado um vídeo em que ela explicava o que tinha feito quando descobriu que o passageiro que ela estava levando estava traindo sua mulher.

De acordo com a mulher, que trabalhava como motorista de aplicativo nos EUA, a corrida começou com o homem se despedindo da esposa e dos filhos antes de entrar no carro. Depois que ele entrou no carro, o homem adicionou uma parada no trajeto e quem entrou no carro foi sua amante, que estava com uma bolsa de viagem.

“Ela entrou e disse: ‘Estou tão feliz que você finalmente se livrou de sua maldita esposa’. Então ele beijou ela, eles continuaram a conversar e ela disse: ‘Estou cansada de você me enrolar, quando você vai terminar com ela?’ E ele disse: ‘Tenho algumas coisas que preciso resolver, vamos falar sobre isso depois”, contou Roni.

Quando a motorista percebeu o que estava acontecendo, ela decidiu dar meia volta e levar o casal de volta para o ponto de partida da corrida, ou seja, a casa do homem.

“Entenda uma coisa, este é o meu carro, eu trabalho por conta própria, sou uma contratante independente. Se eu optar por terminar sua viagem, a escolha é minha. Se você estava fazendo algo ruim no meu carro, eu tenho o direito de lidar com isso como eu achar melhor”, explicou ela no vídeo.

“Karma é um filho da m**, sejam pessoas melhores, tenham ações melhores na vida. Não terminou bem para ele [o passageiro] hoje, eu tenho certeza, porque ambos estavam segurando malas de pé no quintal dele quando eu fui embora”, concluiu a motorista.

Fonte: UOL, Aventuras na história

Imagens: Aventuras na história, Gazeta de Alagoas, Techtudo