Epidemia de coronavírus tem sido usada por hackers para disseminar malwares
Tempo de leitura:2 Minutos, 54 Segundos

Epidemia de coronavírus tem sido usada por hackers para disseminar malwares

Em tempos como esses, onde uma epidemia de um vírus mortal vem trazendo pânico, as pessoas precisam ficar ainda mais atentas. E não estamos falando apenas em se proteger do vírus em si, mas de várias outras ameaças, que vêm junto com ele. O coronavírus se espalhou rapidamente pelo mundo, deixando as pessoas realmente assustadas, e tempos como esses, são ótimas oportunidades para pessoas mal intencionadas. Isso porque elas tiram vantagem da fragilidade do momento, para se aproveitar das pessoas. E nesse caso do coronavírus , não foi diferente. Uma empresa de cibersegurança descobriu que hackers estão usando o surto do coronavírus, para enviar mensagens por e-mail com malwares.

Segundo a Kaspersky, empresa responsável pela descoberta, esses malwares podem infectar os dispositivos dos usuários, colocando em risco suas informações pessoais. Fábio Assolini, que é analista sênior de segurança da Kaspersky, explica que os malwares vêm no formato de .pdf, .mp4, .docx e que seus nomes indicam que eles contêm instruções em vídeos, sobre como se proteger do coronavírus. Além disso, eles também sugerem informações atualizadas sobre o surto da doença e até procedimentos de detecção do vírus. “Ao abrir e executar o arquivo, porém, o computador da pessoa é atingido”, afirma o especialista.

Os malwares

Malwares são um grupo de arquivos, que apresentam uma série de ameaças. Entre os que foram identificados pela Kaspersky, tem o trojan, que espia todos os dados dos usuários. Também o ransomware, que tem a função de restringir o acesso ao sistema e cobrar um resgate em criptomoedas para a liberação. E por último, o trojan banker, que tem o intuito de copiar dados bancários dos usuários.

“Essa tática é usada nos períodos em que assuntos são muito comentados na internet. Como as pessoas estão buscando conhecimento no tema, é mais comum elas clicarem nos links e caírem nessa armadilha”, conta Fábio.

Para detectar os malwares ligados ao coronavírus, a Kaspersky utilizou um computador comum para simular o de uma vítima em potencial. A máquina reuniu todos os dados que poderiam ser um tipo de vírus e analisou detalhadamente o conteúdo malicioso. Assim, foi possível identificar as formas mais comuns desses novos ataques.

Entre os malwares relacionados ao coronavírus, a empresa identificou os seguintes nomes de arquivos:

Worm.VBS.Dinihou.r
Worm.Python.Agent.c
UDS: DangerousObject.Multi.Generic
Trojan.WinLNK.Agent.gg
Trojan.WinLNK.Agent.ew
HEUR: Trojan.WinLNK.Agent.gen
HEUR: Trojan.PDF.Badur.b

Proteção

Até agora, as mensagens estão escritas apenas em inglês, ou seja, a disseminação ainda não é tão grande no Brasil. Porém, isso pode mudar, já que, segundo a Kaspersky, os hackers podem facilmente traduzir esses e-mails, aumentando o alcance da ameaça.

Mas para se proteger e evitar maiores problemas, existem algumas dicas básicas, que podem te ajudar a ficar mais seguro nesse cenário.

Para começar, evite links suspeitos que prometem conteúdos exclusivos. O ideal é procurar fontes oficiais para obter informações confiáveis e legítimas. Também é importante ficar atento à extensão do arquivo baixado. Por exemplo, documentos e arquivos de vídeo não devem ter os formatos de .exe ou .lnk.

Já para bloquear malwares escondidos, é muito importante ter sempre um antivírus ativo em seus dispositivos. E por último, esteja sempre atento e desconfie de seus e-mails, não abra qualquer arquivo que você receber, principalmente aqueles que vão direto para a caixa de spam.

E você, já estava sabendo dessa nova tática dos hackers? Conta para a gente nos comentários e compartilhe com os seus amigos.