EntretenimentoNotícias

Estatueta do primeiro ator surdo a vencer Oscar de atuação é furtada

0

Troy Kotsur, primeiro ator surdo a vencer o Oscar de atuação pelo seu trabalho em “No Ritmo do Coração” (2021), teve sua estatueta icônica furtada no último sábado (13). As informações são do próprio artista, por meio de seu perfil no Twitter.

Na plataforma, o ator fez uma postagem que foi deletada logo em seguida, em que contou que o troféu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas estava dentro do seu carro, um Jeep, que foi roubado.

Porém, não demorou muito para que o Departamento de Polícia de Mesa, no estado de Arizona, recuperasse o carro e, com ele, a estatueta do Oscar, no domingo (14), segundo o portal Terra. Assim, Kotsur publicou fotos com policiais como gesto de agradecimento pelos seus esforços. Ainda assim, ele deletou as postagens de seu perfil.

“Os dois menores admitiram o furto e foram autuados por Furto de Meio de Transporte. Eles foram detidos à custódia do Sistema Juvenil do Condado de Maricopa”, informou um porta-voz da polícia. “O Sr. Kotsur teve seu veículo devolvido e toda a propriedade que estava dentro dele”.

Vencedor do Oscar

O ator Troy Kotsur fez história quando seu nome foi chamado na hora de anunciar o vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante no começo deste ano. Isso porque ele se tornou o primeiro homem surdo a vencer um prêmio de interpretação. Antes dele, somente uma mulher conseguiu tal feito.

A pioneira foi Marlee Matlin, que ganhou o Oscar em 1986, quando trabalhou no filme “Filhos do Silêncio”. Por coincidência, a atriz trabalhou com Kotsur no filme “No Ritmo do Coração”, interpretando a esposa dele no longa-metragem.

Em seu discurso do Oscar, Troy usou a língua de sinais do início ao fim, dizendo que dedicou o reconhecimento da academia à comunidade surda. Além disso, ele enaltece que a visibilidade para a causa deve ser aproveitada: “Este é o nosso momento”, disse. “É incrível estar aqui nesta jornada. Eu não posso acreditar que estou aqui”, ressaltou.

História sendo feita ao vivo

Foto: Divulgação

Alguns filmes e artistas não foram apenas premiados com o Oscar e sim entraram para a história do cinema com seus prêmios. Esse foi o caso, por exemplo, de Halle Berry, que foi a primeira mulher negra dos Estados Unidos a conquistar a categoria Melhor Atriz em 2002 por “A Última Ceia”.

Assim, ela fez um discurso emocionante ao receber seu prêmio. “Este momento é muito maior do que eu”, disse ao público. “Este momento é para Dorothy Dandridge, Lena Horne, Diahann Carroll. É para as mulheres que estão ao meu lado: Jada Pinkett, Angela Bassett, Vivica Fox. E é para cada mulher de cor sem nome e sem rosto que agora tem uma chance porque esta porta foi aberta esta noite.”

Quinze anos depois, a estrela de “Um Novo Dia Para Morrer” refletiu sobre o feito em meio à polêmica #OscarsSoWhite. “Eu sentei lá e realmente pensei: ‘Uau, aquele momento realmente não significou nada’”, disse ela à Teen Vogue em junho de 2017. “Não significou nada. Achei que significava alguma coisa, mas acho que não significava nada.”

Berry chamou a revelação de um de seus “momentos mais baixos”, acrescentando: “É preocupante, para dizer o mínimo”.

Outros recordes

Meryl Streep, por sua vez, superou há muito tempo o recorde de mais indicações ao Oscar conquistadas por um ator. Portanto, quando ela recebeu sua 20ª indicação em 2017 para Florence Foster Jenkins, ela reagiu com um GIF de si mesma dançando.

Filmes fizeram tanta história quanto indivíduos no Oscar. Por exemplo, Parasita se tornou o primeiro filme sul-coreano a ser indicado a Melhor Filme em 2020 – e mais tarde o primeiro filme em língua estrangeira a vencer na categoria principal da noite.

Desse modo, Bong Joon-ho, que também ganhou o prêmio de Melhor Diretor, expressou seu desejo de que seu trabalho abra um mundo de possibilidades para projetos semelhantes. “O cinema coreano tem uma longa história”, disse ele à Variety em novembro de 2019. “Há muitos mestres que ainda não foram apresentados ao público ocidental. Seria ótimo se as pessoas se interessassem mais pelo cinema coreano devido à minha indicação.”

Fonte: Aventuras na História

Idosa de 99 anos conhece seu 100° bisneto

Artigo anterior

Conheça o Brasil sem precisar voar: 3 roteiros de ônibus para fazer

Próximo artigo