Ciência e Tecnologia

Estudo de astrofísico gaúcho indica possível existência de planeta similar à Terra “escondido” no Sistema Solar

0

O astrofísico Patryk Sofia Lykawka, de 47 anos, apresentou uma teoria ousada de que existiria um planeta similar à Terra escondido no Sistema Solar!

Autor de um estudo que sugere a presença de outro membro na “família” do Sistema Solar, que já possui oito planetas reconhecidos, Lykawka publicou seu trabalho em agosto de 2023 no The Astronomical Journal. Essa é uma das mais renomadas e antigas revistas de Astronomia, editada pela Universidade de Chicago Press em colaboração com a American Astronomical Society, dos Estados Unidos.

Sistema Solar e além

Os planetas oficialmente reconhecidos pela comunidade científica internacional, em ordem de proximidade ao Sol, são: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

A pesquisa de Patryk se concentra no estudo do comportamento de objetos transnetunianos, localizados além de Netuno, o planeta mais distante do Sol.

Nessa região encontra-se o Cinturão de Kuiper, composto por corpos celestes gélidos e rochosos, formando um vasto disco que circunda a estrela.

Como ele explica, cada um dos objetos de estudo compõe uma espécie de cápsula do tempo que carrega informações sobre a formação do Sistema Solar.

Via Nasa

Ao investigar isso, é possível compreender mais sobre a origem da Terra e da vida.

O mais notável entre os corpos celestes do Cinturão de Kuiper é Plutão, que foi classificado como planeta até o início do século 21, mas atualmente é considerado um planeta-anão.

O Cinturão de Kuiper se estende a uma distância de 30 a 50 unidades astronômicas (UA), com seus limites se estendendo até 1 mil UA. Essa é uma unidade astronômica que equivale à distância média entre a Terra e o Sol, aproximadamente 150 milhões de quilômetros.

Pesquisa

Na física, o termo “órbita” se refere à trajetória curva que um objeto percorre devido à influência gravitacional de outro corpo celeste. Por exemplo, a Terra orbita ao redor do Sol, enquanto um satélite natural, a Lua, está em órbita ao nosso redor.

A análise dessas trajetórias é fundamental para descobertas na astronomia. Um exemplo é a descoberta de Netuno, o último planeta a ser identificado no Sistema Solar, em 1846. A pesquisa começou com cálculos independentes realizados pelos astrônomos John Couch Adams (da Inglaterra) e Urbain Le Verrier (da França).

Ambos observaram perturbações na órbita de Urano, que foi identificado em 1781, e concluíram que tais perturbações só poderiam ser explicadas se houvesse a presença de outro objeto nas proximidades.

Esse pressentimento se confirmou com observações telescópicas posteriores, revelando que Netuno era responsável pelas influências nas órbitas de Urano.

Do mesmo jeito, o pesquisador gaúcho encontrou resultados inesperados ao analisar o deslocamento de corpos celestes. Ele diz que identificou três grupos de objetos no Cinturão de Kuiper cujas órbitas não podem ser explicadas pelos oito planetas conhecidos do Sistema Solar.

O estudo, então, se baseia em dados orbitais coletados por telescópios e disponíveis em bancos de dados abertos na internet.

Utilizando essas informações, o pesquisador gaúcho realizou simulações computacionais considerando a presença de um nono planeta similar, e avaliou como esse novo integrante afetaria o comportamento gravitacional dos outros oito corpos celestes.

Testes

Conforme explica, durante meses, a equipe conduziu testes com diversos modelos de órbitas e massas para esse planeta hipotético. Eles também consideraram aproximadamente a idade do Sistema Solar, cerca de 4,5 bilhões de anos.

No entanto, para a surpresa, os resultados que incorporaram o planeta hipotético geraram agrupamentos de objetos com órbitas semelhantes aos três identificados.

Dessa forma, seria plausível que o Sistema Solar abrigasse um planeta ainda não descoberto, situado em uma órbita além de Netuno.

Via Nasa

Planeta similar

O suposto planeta teria uma massa entre 1,5 e três vezes a da Terra e estaria posicionado a uma distância média de 250 a 500 unidades astronômicas do Sol.

Essa grande distância dificulta sua detecção, uma vez que quanto mais distante o corpo celeste, mais desafiador é localizá-lo por meio de observação.

Essa dificuldade é ainda maior junto da incerteza quanto à localização precisa do objeto neste momento.

Segundo o pesquisador, na melhor das hipóteses, ele teria cerca de 30 vezes menos brilho que Plutão, que já é invisível a olho nu. No entanto, é mais provável que seja ainda mais escuro, o que é característico de objetos no cinturão.

Por isso, a identificação desse planeta similar à Terra seria quase impossível sem cálculos muito específicos.

Segundo o cientista, o Observatório Vera C. Rubin, localizado no Chile, é a melhor esperança para essa nova fase. Isso porque o centro terá a melhor câmera do mundo, podendo mapear o Sistema Solar em detalhes.

Como seria o planeta?

A influência gravitacional traz pistas sobre as características do planeta hipotético: ele seria, em parte, semelhante à Terra em tamanho, mas com um ambiente superficial distinto devido à sua distância do Sol.

A expectativa indica que seria uma espécie de ‘Terra do gelo’, com temperaturas abaixo de -200ºC na superfície, e um núcleo semelhante ao nosso planeta. Nesse caso, ele poderia gerar oceanos embaixo da cama de gelo.

Se encontrarem o novo planeta, a comunidade internacional precisará debater se ele possui as características dos outros oito planetas.

Via Nasa

A definição final é da União Astronômica Internacional (IAU, na sigla em inglês). Atualmente, a entidade global estabelece que um corpo deve cumprir três critérios para ser classificado como planeta no Sistema Solar:

  1. Orbitar o Sol.
  2. Ter massa suficiente para que sua própria gravidade o torne esférico (ou quase esférico).
  3. Ter uma órbita desimpedida, ou seja, deve “limpar” sua própria órbita e não ter outros objetos “no caminho”.

Plutão, por exemplo, foi reclassificado como planeta-anão por não atender ao terceiro critério, apesar de ser praticamente esférico e orbitar o Sol.

Em um futuro hipotético, o planeta similar à Terra proposto pelo pesquisador gaúcho possivelmente receberia um nome relacionado à mitologia, como ocorre com os outros planetas do Sistema Solar.

É claro, existe uma abordagem cética em relação à existência desse planeta. É importante se ater aos resultados e aos cálculos antes de qualquer certeza.

No entanto, o especialista está positivo quanto aos estudos, e acredita que surge um novo capítulo na história da astronomia.

 

Fonte: GZH

Imagens: Nasa, Nasa, Nasa

Por que tantas empresas de games estão demitindo funcionários? Entenda a situação

Previous article

Conheça 3 plantas com capacidade de repelir o mosquito da dengue

Next article

Comments

Comments are closed.